Rio deve inundar São Fidélis e Cambuci até as 23h de hoje

Defesa Civil confirma oitava morte causada pelas chuvas em Sapucaia
Bombeiros de três municípios ainda fazem buscas pelos desaparecidos
Twitter Sérgio Côrtes
serra-sapucaia-450
O secretário de Estado da Saúde, Sérgio Côrtes, fez fotos da serra a caminho de Sapucaia; montanhas têm marcas de deslizamentos

A Defesa Civil de Sapucaia confirmou no início da noite desta segunda-feira (9) a oitava morte na região do médio Paraíba, em razão das chuvas. Setecorpos foram encontrados num deslizamento de terra no distrito de Jamapará, onde outras 13 pessoas ainda estariam soterradas. A outra vítima morreu no desabamento de uma casa, perto do local do deslizamento.
De acordo com o coordenador da Defesa Civil Municipal, Marco Antônio Texeira, dos corpos encontrados, três são de crianças e cinco são de adultos.
A equipe de busca e salvamento conta com uma equipe de cães farejadores. Segundo o Twitter do governo do Estado, os corpos estavam sendo levados para o IML (Instituto Médico Legal) do município de Três Rios.
O desastre provocado pela chuva que atinge a região desde o fim do ano passado ocorreu na madrugada desta segunda. Segundo o Corpo de Bombeiros de Carmo, na área do deslizamento, foram encontrados os corpos de uma criança de sete anos e de dois idosos.




O deslizamento de terra que atingiu oito casas foi no km 108 da BR-393, que estava liberada às 13h30 apenas para carros autorizados e de socorro, de acordo com a prefeitura. 
Cerca de 30 bombeiros dos destacamentos de Carmo, Teresópolis, Três Rios e Itaipava (distrito de Petrópolis) foram deslocados para a localidade de Jamapará, que é distrito de Sapucaia. No entanto, deslizamentos nas rodovias dificultam a chegada da ajuda. Segundo a prefeitura, apenas a BR-116, caminho por Teresópolis está completamente livre. Um helicóptero da Polícia Civil foi deslocado para levar equipes de busca e salvamento.
O Corpo de Bombeiros informou que uma pedra bateu na traseira de um ônibus e em uma carreta que passavam na rodovia. Os ocupantes dos veículos não ficaram feridos. Assista ao vídeo:
O secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Sérgio Simões, segue para o local. De acordo com os bombeiros de Carmo, foram retiradas duas pessoas com vida.
Sapucaia é um município em uma região montanhosa de passagem da serra da Mantiqueira. Banhado pelo rio Paraíba do Sul e cortado pela estrada federal BR-393, integra hoje a região do médio Paraíba, limitando-se com o Estado de Minas Gerais ao norte, São José do Vale do Rio Preto ao Sul, Carmo e Sumidouro ao leste e Três Rios a oeste. É composto por cinco distritos: Sapucaia (sede),  Anta (2º Distrito), Nossa Senhora Aparecida (3º Distrito), Jamapará (4º Distrito) e Pião (5º Distrito).
Chuva deixa nove cidades em alerta máximo
Nove cidades do norte e noroeste do Estado do Rio de Janeiro estavam em alerta máximo para enchentes no início da tarde desta segunda-feira, segundo o Inea (Instituto Estadual do Ambiente).
Os níveis dos rios Muriaé, Carangola, Pomba, Itabapoana e Paraíba do Sul estavam acima do normal e colocavam em risco as cidades de Laje do Muriaé, Itaperuna, Cardoso Moreira, Italva, Porciúncula, Natividade, Santo Antônio de Pádua, Bom Jesus do Itabapoana e Campos dos Goytacazes.
Apesar de não terem sido registrados grandes volumes de chuva nas últimas 24 horas nessas cidades, também há riscos de deslizamentos de terra. Na região, o dia amanheceu nublado e há previsão de chuva moderada. As temperaturas giram em torno dos 25ºC.
13 mil desalojados e desabrigados
Em todo o Estado do Rio, quase 13 mil pessoas tiveram de deixar suas casas por conta da chuva que castiga as cidades do norte e noroeste, segundo o último boletim divulgado pela Defesa Civil estadual no início da noite de domingo.
São, no total, 10.759 desalojados (pessoas que tiveram que sair de casa temporariamente) e 1.990 desabrigados (aqueles que perderam suas casas). Com o rompimento do dique em Cardoso Moreira na noite de domingo, esse número deve subir.
Até então, a situação era mais crítica em Itaperuna, no noroeste fluminense, onde 5.106 pessoas foram diretamente afetadas pela chuva. Além dos bairros que se recuperavam do primeiro temporal, localidades que não haviam sido atingidas sofreram com alagamentos e deslizamentos de terra.
Segundo a Defesa Civil do Estado, Itaperuna sofre com a cheia do rio Muriaé, a enxurrada dos córregos menores e cerca de 15 registros de deslizamentos de barreiras. Em Natividade, na zona rural, a localidade conhecida como Cruzeirinho, uma pessoa ficou ferida após o desabamento de uma casa. A vítima, que teve escoriações leves, foi atendida no pronto-socorro local e liberada em seguida.
Em Laje do Muriaé, houve escorregamento de barranco, durante a madrugada de sábado, em uma obra de contenção de talude localizada na entrada da cidade. Em Raposo, distrito de Itaperuna, uma pedra rolou de uma encosta. As informações são da Defesa Civil estadual.
Nessas cidades, as defesas civis municipais usam carros de som para alertar a população sobre os riscos de cheias dos rios ou deslizamentos de terra. Bombeiros foram deslocados para pontos estratégicos das cidades atingidas.
R7

Comentários