Cinco suspeitos de pedofilia e exploração sexual são presos no interior do Rio


Ação acontece em Miguel Pereira; agentes ainda têm um mandado para cumprir
Cinco suspeitos de pedofilia e exploração sexual foram presos durante a operação Resgate, desencadeada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (29). Os agentes iniciaram a ação com seis mandados de prisão temporária e um de busca e apreensão em Miguel Pereira, centro sul do Estado.
Entre os investigados está um serventuário do Tribunal de Justiça do Rio.
O MP começou a investigar a quadrilha a partir de denúncias de prostituição infantil no bairro Javar. No dia 6 de julho de 2011, duas irmãs de 12 e 14 anos foram encaminhadas ao Conselho Tutelar da cidade pelo avô. Na ocasião, foi confirmado que as duas se prostituíam e eram vítimas de exploração sexual havia pelo menos dois anos. 
 
Durante a investigação, descobriu-se que outras três menores de idade também se prostituíam e eram exploradas sexualmente. De acordo com o subcoordenador do Gaeco, promotor de Justiça Sérgio Luís Lopes Pereira, as meninas vivem em absoluta miséria, nas proximidades de um lixão, com famílias desestruturadas, sem comida e roupas.

Os suspeitos, segundo o MP, se aproveitaram dessa situação para explorar as vítimas em troca de dinheiro. Pelos programas, as meninas recebiam entre R$ 20 e R$ 60, além de presentes como roupas e lanches.
A maioria dos encontros acontecia em um motel em Miguel Pereira. Todas as vítimas serão retiradas das ruas e encaminhadas a uma instituição de acolhimento.
R7

Comentários