Diário de Alexandria

EUCARISTIA

A sombra da tarde nos constrange.
Há silêncio em cada esquina
nesta cidade imensa.
O vento mexe nas cortinas brancas
na janela aberta sobre a tarde fria.

Na mesa – o pão, o vinho, um livro aberto.
A toalha engomada engendra virtudes
como se ali pecado não houvesse.

No meio da tarde equivocada
um velho colhe flores esquecidas
no jardim defronte à lua,
para com elas enfeitar aquele altar.

Um homem solitário comunga,
como se ali restasse a última centelha
desta coisa inexplicável a que chamam vida.

Carlos Sepúlveda

Comentários