Dos livros inúteis


 

Diário de Alexandria


DOS LIVROS INÚTEIS 
            Se não me engano (estou com preguiça de me levantar daqui para uma consulta), foi Plínio, o Jovem, que disse não haver livro tão ruim que não encerre algo de bom.
            A sentença, plena de uma tolerância quase evangélica, justifica e absolve os autores que se precipitam em brindar, com letras de forma, algo parecido com um livro. Há em nós uma vontade imperiosa de publicar um livro, pelo menos uma vez na vida. Acho que é para validar aquele conhecido exercício existencial: um filho, uma árvore, um livro.
            Claro, o fato de publicar um livro não torna ninguém um escritor, para isto é preciso muito mais do que um livro ou um blog, é preciso um compromisso de vida, uma dedicação muitas vezes suicida, para se dizer escritor ou, mais grave ainda, um poeta.
            No entanto, gosto do julgamento de um mestre da antiguidade romana. Aceito que todo livro, não importa qual, é sempre fruto de um paciente tecer e destecer de linhas, palavras, silêncios que, se não expressam verdades profundas e nem mudam o modo de pensar da humanidade, ao menos revelam uma alma generosa que não hesitou em dividir com os leitores o pão de sua intimidade.
            Muitas vezes, um livro despretensioso, quase secreto, que se escondeu nos desvãos de alguma biblioteca, por séculos, de repente é encontrado, lido e relido, para se tornar o prenúncio de verdades só agora vividas.
            Isto não aconteceu ocasionalmente, antes, aconteceu muitas vezes. Quem não se lembra do pedido de Kafka na hora da morte? Pediu ao amigo e também escritor, Max Brod, que lhe queimassem todos os manuscritos porque não valiam a pena. Ora, o generoso amigo não só ignorou a ordem como os fez publicar. Hoje, Kafka é uma passagem obrigatória a todos os que pretendem entender o lado demente de nossa modernidade.
            Portanto, escrevam e, se possível, publiquem. A gente nunca sabe o gênio que se esconde no fundo de nossa alma.
Carlos Sepúlveda

Comentários

Revista Opinião disse…
Mestre e amigo Professor Sepúlveda: seu texto é anestésico perfeito à dor de consciência, fruto de minha vaidade - subterrânea e parcamente disfarçada - em publicar minhas mal-tecladas linhas.
Quem sabe um dia, sorrindo-me os deuses, não receberei ao menos o consolo das palavras de Plínio?
A mim mesmo, em minha soberba, poderia indulgenciar-me: "Feci quod potui. Faciant meliorem potentis"...
Abraços, meu Mestre!
Revista Opinião disse…
Mestre e amigo Professor Sepúlveda: seu texto é anestésico perfeito à dor de consciência, fruto de minha vaidade - subterrânea e parcamente disfarçada - em publicar minhas mal-tecladas linhas.
Quem sabe um dia, sorrindo-me os deuses, não receberei ao menos o consolo das palavras de Plínio?
A mim mesmo, em minha soberba, poderia indulgenciar-me: "Feci quod potui. Faciant meliorem potentis"...
Abraços, meu Mestre!