Polícia prende quadrilha acusada de agiotagem no Rio de Janeiro


O grupo faturava até R$ 500 mil por mês extorquindo dinheiro de devedores.
Foi presa ontem, no Rio, uma quadrilha de agiotagem que faturava até R$ 500 mil por mês extorquindo dinheiro de devedores. Mesmo depois de pagarem a dívida, as vítimas eram cobradas - e ameaçadas de morte.
Foi uma carta com um pedido de socorro de uma vítima que deu início às investigações. Na manhã de terça-feira (28), treze pessoas acusadas de envolvimento com a quadrilha de agiotas foram presas. De acordo com a polícia, os bandidos chegavam a cobrar dos devedores até 300% de juros ao mês. Os escritórios ficavam no Rio e em outros cinco municípios fluminenses.
A quadrilha foi monitorada em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça. As gravações mostram como as vítimas eram ameaçadas. Amigos e parentes dos devedores também eram cobrados com violência.


Em uma gravação, a amiga pede que o agiota procure diretamente a devedora:
Vítima (mulher) - Por que você não dá uma passadinha, por que você não vai na casa dela?
Agiota (homem) - Dar uma passadinha, meu amor? O pessoal da cobrança só dá uma passadinha quando vai pra esculachar, entendeu? Levar carro, botar fogo na casa.
A mulher tenta saber o valor da dívida.
Vítima (mulher) - E quanto que é?
Agiota (homem) - Eu sei que é mais barato que fazer um enterro. Agiotagem é a pior raça que existe. Não tem pena de ninguém. Coração na sola do pé.
A voz nas gravações, segundo a polícia, é de um dos presos na operação. Uma vítima dos agiotas pegou R$ 518 emprestados. E pagava todo mês R$ 168. Parcelas de uma dívida eterna.

Do Jornal Nacional

Comentários