Em Itaboraí, polícia prende casal suspeito de torturar e matar filho de um ano


Mãe da criança responsabilizou o marido pelas agressões

Carlyle Jr., do R7

A Polícia Civil do Rio prendeu na madrugada de ontem (9) um homem de 27 anos suspeito de torturar e matar o próprio filho de um ano e três meses. A criança morreu no último dia 11 de fevereiro no Hospital Municipal Desembargador Leal Junior, em Itaboraí, na região metropolitana.

A mãe da criança, de 22 anos, foi presa na quinta-feira (8). Em depoimento à polícia, ela responsabilizou o marido pelas agressões. De acordo com o titular da Delegacia de Itaboraí (71ª DP), Wellington Pereira Vieira, disse que a perícia realizada no corpo da criança mostrou marcas de espancamento, o que levantou a suspeita do crime de tortura.

- A mãe confessou que o marido, que é usuário de drogas, agredia a criança com frequência. Ela disse que não participava das agressões. Mas não procurou a polícia porque ele ameaçava. A mãe também disse que ele dava “socos de homem grande” no filho.

Segundo o delegado, o pai admitiu que dava apenas pequenas palmadas no bumbum do filho para educá-lo. No entanto, de acordo com testemunhas, as agressões eram mais graves e começaram em dezembro do ano passado.

A criança foi internada pela primeira vez em janeiro deste ano. No hospital, segundo o delegado, médicos e funcionários não suspeitaram das agressões. Vieira disse que os pais da vítima podem responder por crime de tortura seguida de morte. A pena pode chegar a 16 anos de prisão.

- A mãe pode ser indiciada mesmo que ela não tenha agredido a criança. Mas por ter sido omissa e não ter denunciado o marido. Eu vou ouvir os vizinhos e funcionários do hospital onde a criança ficou internada.

Assista ao vídeo:

Comentários