Iranianas tiram a roupa em protesto contra opressão em sociedades muçulmanas


O Femen, grupo político ucraniano conhecido pelos protestos feitos por mulheres com os seios de fora, está fazendo escola. De acordo com o blogCartas Persas, do site da rádio americanaFree Europe, iranianas que moram na Europa decidiram fazer uma manifestação contra o Islã político – termo usado para designar a mistura desta religião com a política – e, para isso, tiraram a roupa.
Em um vídeo (confira abaixo) que está circulando por diversos sites na internet, elas mandam a seguinte mensagem:
No lugar daqueles que querem mas não podem, acredito na igualdade entre mulheres e homens. Minha nudez é um “não” ao apedrejamento até a morte. Meus pensamentos, meu corpo, minha escolha… Minha nudez é um ‘não’ ao islã político. Por que não? Eu sou uma mulher.


O vídeo é parte de uma iniciativa lançada pela ativista iraniana Maryam Namazie, porta-voz da campanha Uma Lei para Todos, contra a aplicação da sharia no Reino Unido, do Conselho de Ex-Muçulmanos do Reino Unido e do Direitos Iguais Já, uma organização contra a discriminação de mulheres no Irã. Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, nesta quinta-feira (8), ela está lançando um Calendário Revolucionário de Fotos Nuas [nudez], na qual diversas mulheres posam nuas em solidariedade à egípcia Aliaa Magda Elmahdy, que causou alvoroço em novembro do ano passado ao postar no Twitter uma foto sua e se definir como “Revolucionária Da Foto Nua”.
[Namazie quer que as mulheres] adotem o grito de [Aliaa Magda Elmahdy] contra “uma sociedade de violência, racismo, sexismo, abuso sexual e hipocrisia”. Diz Namazie: “Como o Islã e a direita religiosa são obcecados com os corpos das mulheres e exigem que sejamos veladas, atadas e amordaçadas, a nidez quebra tabus e é importante em termos de resistência.
O calendário foi desenhado por Sonya JF Barnett, co-fundadora da Marcha das Vadias, para quem as mulheres devem se “solidarizar” com Aliaa pois “é preciso ter muita coragem para fazer o que ela fez”.
Confira abaixo o vídeo das ativistas iranianas:

Comentários