Petroleiros lembram com protesto 11 anos de acidente da P-36


Plataforma afundou depois de inclinar; 11 pessoas morreram
Arquivo / AE
 P-36
Depois de duas explosões, P-36 ficou inclinada e tombou. Petrobras tentou salvar a unidade, mas ela afundou
Petroleiros, parentes e amigos das 11 vítimas que morreram no acidente da plataforma P-36 em 2001, na Bacia de Campos, no norte do Rio de Janeiro, farão uma manifestação na manhã desta quinta-feira (15) para marcar os 11 anos de uma das maiores tragédias do setor petrolífero no Brasil.
A mobilização vai acontecer nos principais pontos de saída dos petroleiros para as plataformas, os heliportos de Cabo Frio, na região dos Lagos, Campos e Macaé, no norte fluminense. A ação foi organizada pelo Sindipetro-NF (Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense).
Durante a manifestação, os petroleiros vão cobrar segurança para o trabalho nas plataformas. De acordo com o sindicato, nos últimos 13 anos, 129 pessoas morreram nas unidades. Somente no ano passado, foram registrados 1.606 acidentes. 


A plataforma P-36 chegou a ser a maior na área de produção semissubmersível do mundo e operou durante menos de um ano. O acidente aconteceu nas primeiras horas da madrugada do dia 15, no campo do Roncador. Tudo começou com duas explosões em um dos pilares da plataforma, desestabilizando a estrutura, que ficou inclinada. Na hora do acidente, existiam 175 petroleiros na unidade e 11 deles morreram. Depois de controlado o acidente, a Petrobras ainda tentou salvar o equipamento que produzia 80 mil barris de gás comprimido por dia, mas ele acabou afundando. 
Na última terça-feira (13), um acidente com a plataforma SS-39 fez com que muita gente revivesse o caso da P-36. Um incêndio em um dos pilares da unidade alertou todos os 102 petroleiros da unidade. A produtora chegou a ficar inclinada. O incêndio e a inclinação foram controlados e a unidade já voltou a operar, mas a Petrobras acionou um esquema especial para o caso de precisar transferir os trabalhadores para unidade próximas, como aconteceu há 11 anos.
R7

Comentários