Alair Corrêa: NÃO PROMETI SILÊNCIO


Conforme escrevi em meu último artigo, respeitar o meu semelhante é uma meta que pretendo cumprir.


Há pessoas que desejam o meu silêncio, ou o meu elogio, mas isso nada tem a ver com o meu compromisso. Se eu agisse dessa forma, estaria praticando a omissão e a hipocrisia. Já estou sentindo o quão difícil será discursar daqui para frente e todo cuidado será pouco ao reportar-me a algumas pessoas.  E esse policiamento não será simplesmente para não macular a vida de alguém e sim, para não trair os meus propósitos de homem, que está procurando ser melhor.
É preciso esclarecer bem o seguinte: Esse sentimento novo que há 3 anos venho cultivando , ao contrário do que as pessoas possam pensar, não deverá ser um limite as minhas críticas e sim uma mudança de vocabulário, diferente do que eu vinha fazendo. Meus posicionamentos serão defendidos com a mesma veemência, minhas opiniões continuarão a ser expostas sem medo. O que não quero mais, por estar vivendo um momento novo, é revidar a ataques, é ofender ou colocar em dúvida a moral de quem quer que seja.
Não prometi ser omisso e nem mudo, por isso não irei me calar quando entender que a população precisa ser esclarecida em qualquer circunstância. E assim, irei propor a fiscalização quanto ao destino da nossa arrecadação. Não deixarei de defender meus ideais assistindo inerte a qualquer atitude que prejudique a nossa Cabo Frio.

O PERDÃO PODE LIBERTAR E CURAR!

Ao pedir perdão aos meus adversários, me vi LIVRE das amarras que me prendiam as intrigas, brigas e ofensas com outras pessoas, com também, CURADO no que tange as doenças da inveja e do ódio para com elas.
Vivo agora, uma enorme alegria interior que conquistei através do meu gesto. Confesso que fiquei surpreso por ter impactado tanta gente, mas sinto que esse momento foi maravilhoso.  Causou-me igual surpresa, a reação de perplexidade de  alguns poucos amigos, que  por estarem ao meu lado nesses longos anos em que tanto briguei, ofendi e fui ofendido, não compreenderam o meu gesto. Eles me chamaram de maluco, talvez tenha sido pela preocupação de que a minha atitude pudesse redundar em perdas de votos. Eu os entendo, estão vendo o que fiz pelo lado humano e não pelo meu crescimento espiritual, de um homem que busca em cada momento a aproximação efetiva do nosso Pai. Assim, ouvi frases do tipo: “ Alair, eles que tinham que te pedir perdão” , “ Não espere que isso ocorra, eles jamais se humilharão como você se humilhou.”
Desejo esclarecer os seguintes pontos:
  • O meu pedido de perdão aconteceu, porque estou procurando me melhorar como homem. É um trabalho árduo na construção de uma pessoa melhor. Quando buscamos nosso crescimento como cristão, votos, eleição, prefeitura e poder não são o mais importante. Claro que lutarei para conquistá-los, mas com objetivos nobres e como uma nova pessoa, após vencê-los, com sabedoria quero fazer um grande trabalho em nossa cidade.
  • Quanto ao fato de ter causado dúvidas de ser ou não verdadeiro esse meu gesto, nada posso fazer para convencê-los. Foi uma mudança radical de postura, e só o tempo poderá mostrar o quanto foi bonita e verdadeira a minha atitude.
  • Quanto aos que afirmam que meus adversários não repetirão o meu ato, também pedindo e perdoando, só posso afirmar que a minha atitude não deixará de ter o que desejei ao tomá-la: Paz no meu coração. É assim que estou me sentindo agora. Quando procuramos nos tornar melhores como cristãos, nossa decisão não é influenciada por ninguém, ou seja, o meu pedido não é interligado, nem tampouco dependente do deles. Ainda que resolvam manter seus corações endurecidos, só posso dizer que a decisão é unilateral e que, liberar o perdão é uma atitude muito difícil. Somos sabedores de que pode, entre pessoas que traem e são traídos, ofendem e são ofendidos, perseguem e são perseguidos haver uma negociação de trégua e de entendimento, mas isso ocorre de forma temporária e nada tem a ver com o PERDÃO. Este, não se barganha, não se negocia.  PERDÃO é um estado de espírito, é uma nova fonte de alegria e paz, é um recomeço. Diria mais: Perdão sincero é libertação e cura.
Não nego que é uma conquista difícil, ainda assim, uns podem conseguir  num piscar de olhos ou, como no meu caso, levar 3 anos sendo trabalhado para que seja sincero.
Durante esse tempo, fizemos todas as quartas feiras de manhã, bonitas reuniões de louvor no RIALA e a tarde em minha casa, debates sobre a Bíblia e seus ensinamentos com meus familiares. Com esses encontros, assistindo a minha família engajada na igreja, fui me lapidando e plantando a semente do novo homem que desejo ser. Sofri, chorei, adoeci, presenciei fatalidades. Foi um tempo de perseverança, mas agora consegui essa vitória de com coragem e humildade pedir e liberar perdão a essas pessoas.
Portanto não posso querer que os meus adversários de ontem, como num passe de mágica, repitam meu gesto, se eu, que estou empenhado em minha mudança demorei mais de 3 anos para conseguir.
Posso encerrar esse artigo, que levei um tempo enorme para redigir, considerando a complexidade da minha atitude na Câmara de Vereadores, dizendo o seguinte: Estou muito feliz e se Deus permitir, tudo farei para jamais, com palavras ou atos, ofender o caráter e a moral do meu semelhante. Este foi o mais significativo gesto que tomei em minha vida e preservar-me assim será a minha meta a cada minuto vivido daqui por diante.
Até Amanhã!
Alair Corrêa

Comentários