Bom dia! O resumo das principais notícias dos jornais desta segunda-feira, 16 de abril.



Jornais nacionais
O Estado de S.Paulo
Taleban faz maior ofensiva no Afeganistão em dez anos
O Globo
Dilma reclama e PT agora tenta pisar no freio da CPI
Correio Braziliense
Demóstenes e irmão entram na mira do MP
Estado de Minas
Usuários de crack lotam hospitais psiquiátricos
Valor Econômico
Participação minoritária faz Cade entrar na área da CVM
Brasil Econômico
Natura quer agilizar distribuição e vai assumir entrega porta a porta
Zero Hora
Impasse entre União e Estados impede queda nas contas de energia
*
Jornais internacionais
The New York Times (EUA)
Ataque complexo do Taleban é mensagem para o Ocidente
The Washington Post (EUA)
Taleban ataca cidadea afegãs
The Guardian (Reino Unido)
Liberdade na web está ameaçada
Le Figaro (França)
Sarkozy: não tenha medo, eles não ganharão
El País (Espanha)
Zarzuela diz que avisou Rajoy sobre viagem de Rey para Botsuana
Clarín (Argentina)
UE vem ao país para reclamar por YFP
O Globo 
Manchete: Dilma reclama e PT agora tenta pisar no freio da CPI
Petistas moderados criticam o partido por ter seguido orientação de Lula
Insatisfeita com as declarações do presidente do PT, Rui Falcão, que chegou a defender uma mobilização em torno da criação da CPI do Carlinhos Cachoeira, a presidente Dilma Rousseff queixou-se com ministros e petistas. Diante da reação de Dilma, que conversou até com o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva sobre o assunto, num encontro sexta-feira, o partido já começa a mudar de estratégia. O líder do Senado, Walter Pinheiro, que chegou a defender a CPI, agora admite mudar de posição, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) envie os autos da operação Monte Carlo, da Polícia Federal, ao Conselho de Ética da casa. Ele reconhece, no entanto, ser difícil reverter a situação, porque "podem dizer que é golpe". Falcão, em vídeo, disse que a CPI do Cachoeira ajudaria a neutralizar o desgaste com julgamento do escândalo do mensalão no STF. Petistas ligados a Dilma criticaram ainda o partido por ter seguido orientação de Lula, que defende a CPI como forma de investigar o governo tucano de Marconi Perillo (GO). Gravações da PF mostram que Idalberto Matias, o Dadá, braço-direito de Cachoeira, trabalhava como segurança na Delta Construções, usada como sede de encontros da quadrilha. A empreiteira abasteceu o esquema de Cachoeira através de empresas de fachada, segundo a PF. (Págs. 1 e 3)
Sarney vai para UTI após cirurgia
Presidente do Senado faz cateterismo e angioplastia: internação por uma semana 

O presidente do Senado, uma José Sarney (PMDB-AP), pode ser transferido hoje da UTI do Hospital Sírio-Libanês para uma unidade semi-intensiva. Sarney, internado desde sábado, foi submetido a um cateterismo, seguido de angioplastia, para desobstruir das principais artérias do coração. De acordo com seu médico, o cardiologista Roberto Kalil, o senador "correu sério risco de infarto", mas está fora de perigo. Ele ficará hospitalizado por uma semana. (Págs. 1 e 5)

Américas: cúpula acaba sem consenso

A 6ª Cúpula das Américas, na Colômbia, com 30 chefes de Estado, terminou sem declaração final, por divergências sobre Cuba e Malvinas, e com dúvidas quanto à realização de novas edições do evento, que reúne líderes do continente. (Págs. 1 e 20)

Unirio apura fraude também em nutrição

Depois das fraudes envolvendo vagas de medicina, a diretoria da Escola de Nutrição da Unirio descobriu que uma aluna também frequentou as aulas com matrícula falsa. A reitoria começa hoje a investigar o caso, que será informado à PF. (Págs. 1 e 13)

Educação

Comissão especial da Câmara pode votar nas próximas semanas o Plano Nacional de Educação, com metas para 2020. (Págs. 1 e 4)

Digital & Mídia

O leilão para a rede 4G de telefonia móvel será em junho, embora a 3G cubra pouco mais da metade das cidades do país. (Págs. 1 e 15)

------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
Manchete: Taleban faz nova ofensiva e ataca comando da Otan

Atentados no Afeganistão e no Paquistão estão entre os piores desde 2001
Militantes Taleban alvejaram ontem em Cabul o quartel-general da Otan (aliança militar ocidental), o prédio do Parlamento afegão, várias embaixadas e edifícios governamentais. 
Houve ataques também nas províncias afegãs de Logar, Paktia e Nangarhar. No vizinho Paquistão, cerca de cem insurgentes invadiram uma prisão em Bannu e soltaram quase 400 detentos. (Págs. 1 e Mundo A12)
Análise
Grupo mostra do que é capaz, diz Igor Glelow. (Págs. 1 e A13)

PF investiga outro elo entre Cachoeira e construtora

Investigação da Polícia Federal mostra que membros da grupo de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, receberam dinheiro de uma empresa que levou R$ 13 milhões da construtora Delta em 2010, ano eleitoral. 
A Delta afirma que a empresa se manifestará na "foro judicial adequado". O empresário diz não responder questões pontuais. (Págs. 1 e Poder A4)

Melchiades Filho

Novos STF e TSE desafiam quem quer impunidade. (Págs. 1 e Opinião A2) 

Foto-legenda: No café havana

Após beber e dançar na Colômbia, a secretária dos EUA, Hillary Clinton, chega hoje ao Brasil. (Págs. 1 e Mundo A16)

Cúpula termina dividida e sem declaração final

A 6ª Cúpula das Américas terminou ontem na Colômbia sem uma declaração final. Como não houve consenso com relação a dois temas polêmicos, a inclusão de Cuba nos encontros e a reivindicação argentina pelas ilhas Malvinas, decidiu-se por não produzir um documento. (Págs. 1 e Mundo A16) 

Editoriais

Leia "Fronteiras da ciência", acerca de concessão de bolsas de estudo no exterior' e "Crise política na China", sobre divergências no Partido Comunista. (Págs. 1 e Opinião A2)

------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
Manchete: Taleban faz maior ofensiva no Afeganistão em dez anos

Grupo radical tinha como alvo bases da Otan e embaixadas de EUA, Alemanha e Grã-Bretanha; 37 morreram
Uma série de ataques simultâneos atingiu a capital, Cabul, e pelo menos quatro províncias, na mais ousada ação do Taleban contra o governo afegão e as forças estrangeiras desde o início da guerra, em 2001. Os principais alvos eram as bases da Otan e as embaixadas dos EUA, da Alemanha e da Grã-Bretanha. Onze policiais e 26 insurgentes morreram. A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, classificou os ataques de"covardes". No Paquistão, militantes do Taleban atacaram uma penitenciária em Bannu e libertaram 384 detentos. (Págs. 1 e Internacional A10 e A11)
Depoimento: Adriana Carranca
'Uma explosão e um tremor' 
A reportagem do Estado fazia entrevistas no Centro de Treinamento Militar de Cabul quando o primeiro foguete foi lançado. Era possível ver a tensão nos olhos dos cinco militares. A base estava sob ataque. (Págs. 1 e Internacional A10) 

Esquema ilegal de Cachoeira movimentou R$ 400 milhões

Investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal mostram que o grupo do contraventor Carlinhos Cachoeira participou de esquemas ilegais que, juntos, movimentaram pelo menos R$ 400 milhões nos últimos seis anos, informa a repórter Alana Rizzo. Segundo a PF, o grupo criou 59 empresas em 20 anos e boa parte delas pode ter sido usada para lavar dinheiro das atividades ilícitas. (Págs. 1 e Nacional A4 e A8) 
Oposição quer ouvir Dirceu na CPI
A oposição quer convocar o ex-ministro José Dirceu para depor na CPI do Cachoeira, que deve ser instalada nesta semana. (Págs. 1 e Nacional A7) 

Cúpula das Américas acaba em crise e pode ser a última

A 6ª Cúpula das Américas terminou ontem colocando em xeque a sobrevivência do encontro, que ocorre desde 1994. Sem consenso sobre a participação de Cuba nas próximas reuniões, não houve declaração política final e ministros admitiram que a cúpula de Cartagena pode ter sido a última. (Págs. 1 e Internacional A15) 

Síria faz bombardeios na chegada de observadores (Págs. 1 e Internacional A12)

Enterrado em SP jovem morto na Austrália (Págs. 1 e Cidades C4)

Importadores se unem contra protecionismo (Págs. 1 e Economia B1 e B3)

Negócios: Procura-se um dono brasileiro

Portugal quer um investidor brasileiro para a privatização da TAP, a companhia estrangeira com o maior número de voos entre Brasil e Europa. (Págs. 1 e Negócios)

Carlos A. Sandenberg

Guerra aos banqueiros
O governo tem, sim, responsabilidade nos juros altos. Atirar no lucro dos bancos não resolverá a natureza do problema. (Págs. 1 e Economia B2)

José Goldemberg

Uma agenda para o Rio+20
O aumento dos eventos extremos como enchentes, secas e calor, cuja frequência anual era de 400 em 1980, dobrou nos últimos 30 anos. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2) 

Notas & Informações

Sem garra para exportar
Não basta combinar mais protecionismo com mais incentivos aa consuma. (Págs. 1 e A3)

------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense
Manchete: Demóstenes e irmão entram na mira do MP

O cerco se fecha para os irmãos Demóstenes e Benedito Torres. O Conselho Nacional do Ministério Público se reúne hoje para analisar as denúncias sobre a atuação suspeita de Carlinhos Cachoeira dentro do MP de Goiás, comandado por Benedito. As gravações telefônicas entre o senador e o bicheiro, reveladas pelo Correio, estão na pauta dos 14 conselheiros, que devem dar "encaminhamento" ao caso amanhã, ou seja, manifestar-se sobre o escândalo. Monitorados pelo Palácio do Planalto, partidos começam a definir os nomes dos parlamentares que integraram a CPI para investigar todos os tentáculos do grupo chefiado por Cachoeira, que continua preso em Mossoró (RN). (Págs. 1, 2 e 3) 

Declaração, só na última hora

A 15 dias para encerrar o prazo de entrega de dados do IR, apenas 36% dos 25 milhões de contribuintes acertaram suas contas com o Leão. O valor inicial da multa para quem perder a data é de RS 165, além do maior risco de cair na malha fina. (Págs. 1 e 7)

Acupuntura da discórdia

Magistrados e conselho, profissionais não se entendem sobre quem pode aplicar essa medicina chinesa. Impasse provoca confusão para os pacientes. (Págs. 1 e 6)

Cotas na UnB

Universidade é modelo na inclusão de índios, e negros, como Andressa Marques, que faz mestrado em literatura. O ensino a distância também é exemplo. (Págs. 1 e 20)

Cuba, pivô de impasse

Cúpula das Américas termina sem declaração conjunta e aumenta a tensão entre latino-americano, e Estados Unidos. Depois de festança, Hillary Clinton vem ao Brasil. (Págs. 1 e 5)

------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico
Manchete: Participação minoritária faz Cade entrar na área da CVM

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu voltar-se também para as aquisições de participações minoritárias de empresas, sempre que envolverem companhias do mesmo setor e criarem risco de prejuízo à concorrência. A orientação é nova e ganhou realidade com a proibição, na quarta-feira, de a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) indicar um membro para o Conselho de Administração e Fiscal da Usiminas. Assim, com base na Lei Antitruste (nº 8.884), o órgão suspendeu um direito da Lei das Sociedades Anônimas.
Outros negócios podem sofrer restrições semelhantes, abrindo um potencial de conflito entre o Cade e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). No caso da Usiminas, o Cade ficou preocupado com o fato de as duas empresas atuarem no mesmo setor e dominarem 79% do mercado de aços planos. Essa preocupação se estende a mais empresas. A prestadora de serviços de saúde Amil pode ser obrigada a vender os 10% de participação que adquiriu da Medise, dona da marca de hospitais D'Or, no Rio. Na semana passada, o Cade sugeriu à companhia que a venda dessa participação pode ser necessária para evitar a reprovação pelo próprio órgão antitruste da compra de outros hospitais pela Amil no Rio. (Págs. 1 e B1)

Metas podem ser só um guia para os bônus

A empresa de varejo eletrônico B2W teve prejuízo em 2011, perdeu participação de mercado e o lucro (antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado caiu 24%. Ainda assim, a diretoria da companhia recebeu metade do bônus previsto se as metas tivessem sido plenamente atingidas. Em outras empresas, que tiveram melhora nos números, a opção foi por não pagar quase nada do bônus referente a 2011 - na Totvs, o resultado econômico ficou aquém do previsto e a Natura não atingiu suas metas socioambientais. Essas diferenças de critérios no pagamento a executivos ficaram mais claras com a obrigação das empresas de capital aberto de divulgar mais detalhes de sua política de remuneração, iniciada em 2010. (Págs. 1 e B2)

Belo Monte acentua as fragilidades de Altamira

Há poucos meses Altamira era uma cidade de 100 mil habitantes entre o rio Xingu e a Transamazônica, com apenas um semáforo, 17 mil carros e um monte de problemas. Em menos de um ano ganhou faróis inteligentes, guardas de trânsito e até um helicóptero - e um tráfego caótico de 30 mil veículos, 45 mil novos moradores e outro monte de problemas. O marco divisório foi a decisão de instalar na região a terceira maior hidrelétrica do mundo, Belo Monte.
Na cidade, a vida segue sem saneamento básico, a educação é precária, água limpa é para poucos, o sistema de saúde funciona mal para todos. Nos canteiros da usina, a algumas dezenas de quilômetros dali, há avanços bem visíveis. Por isso, a população se queixa do grande descompasso entre o ritmo da construção da hidrelétrica e a lentidão em atender as demandas urbanas. (Págs. 1 e A16)

Biomassa nos planos da Siemens

Com estilo discreto mas direto, Paulo Ricardo Stark, 42 anos, o mais novo presidente da filial da Siemens no país, enclausurou-se no dia a dia da multinacional alemã nos primeiros meses de trabalho. Após visitas a 13 fábricas, seis centros de pesquisa e conversas com quase 30 mil fornecedores e funcionários, Stark decidiu descentralizar as decisões e reforçar o plano agressivo de expansão da empresa no país - dobrar o faturamento anual de R$ 5,025 bilhões até 2016.
"Nos últimos anos, o crescimento da Siemens no Brasil superou em quase quatro vezes o do PIB. O problema é que toda expansão acelerada vem acompanhada de ineficiências", diz Stark, em sua primeira entrevista à imprensa. (Págs. 1 e B11)

Lentidão do Incra dificulta crédito rural

Mais de 20 mil processos para certificação das propriedades rurais do país estão parados no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) por falta de estrutura do órgão para analisar documentos. Segundo produtores, a demora tem obrigado parte do setor a buscar alternativas mais caras de financiamento para custeio da safra e investimentos, já que essa certificação é imprescindível para o acesso ao crédito rural. A exigência da certificação passou a vigorar em 2002. O Incra tem investido na automatização dos processos e na capacitação de soldados do Exército em Brasília para auxiliar na análise dos documentos. Cerca de 220 homens foram destacados para a função. (Págs. 1 e B16)

ACCs atingem R$ 5,8 bi e batem recorde em março

Os financiamentos por meio de Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) bateram recorde em março, impulsionados pela alta do dólar e pelo salto nos embarques de soja. Eles aumentaram 71,6% e atingiram US$ 5,86 bilhões.
A demanda foi engrossada pela migração de empresas que faziam pré-pagamento de exportação de longo prazo, segundo Admilson Garcia, diretor de negócios internacionais do Banco do Brasil. O Banco Central limitou o prazo do pré-embarque com isenção de IOF a 360 dias. Para Garcia, a demanda de ACC e ACE (Adiantamento sobre Cambiais Entregues) continua forte em abril e pode repetir o resultado de março. (Págs. 1 e C1)

Rebaixamento ameaça bancos europeus

Os bancos europeus estão se preparando para uma onda de rebaixamentos em suas classificações de crédito nas próximas semanas. Uma nova rodada de rebaixamento - a primeira na qual a Moody's considera uma redução em massa da classificação - ocorreria em um momento perigoso para o setor financeiro.
A Moody's examina o grau de dependência dos bancos dos empréstimos do BCE e sua habilidade para "se desvencilharem desse financiamento", disse uma pessoa a par do assunto. (Págs. 1 e A13)

'Minha Casa' sustenta o investimento

No primeiro trimestre, o investimento da União atingiu R$ 16 bilhões, quase 24% mais que em igual período do ano passado, mas o valor foi muito concentrado nos gastos com o Minha Casa Minha Vida, que responderam por 39% do total. Excluídas as despesas com o programa habitacional para a baixa renda, o governo investiu R$ 9,8 bilhões nos três primeiros meses do ano, 18% menos que em 2011, segundo levantamento do economista Mansueto Almeida. Neste ano, as despesas do Tesouro com o Fundo de Arrendamento Residencial, o responsável pelos subsídios dos créditos do Minha Casa, passaram a ser consideradas investimentos - antes, eram classificadas como custeio. (Págs. 1 e A3)

China aumenta a margem de flutuação do renminbi (Págs. 1 e C9)

Carros para a baixa renda são o grande trunfo da Renault (Págs. 1 e B8

Falta uma revolução na administração, diz Gary Hamel (Págs. 1 e D3)

O desafio dos pequenos negócios

O aumento expressivo da formalização de empreendedores individuais e o crescimento do número de pequenas e médias empresas impõem desafios ao Sebrae para atender a nova demanda. (Págs. 1 e A2)

Indústria cria menos empregos

A participação da indústria de transformação na geração de empregos caiu de 21,1% para 11,2% entre 2002 e 2011, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). (Págs. 1 e A4) 

Gol ainda busca ajuste de rota

A Gol anunciou sua quarta reestruturação administrativa desde novembro de 2009. Com a renúncia de Ricardo Khauaja, foi extinta a vice-presidência de clientes e mercado, menos de sete meses após sua criação, entre outras mudanças. (Págs. 1 e B6) 

Exportação de trigo se mantém

Um dos maiores importadores mundiais de trigo, o Brasil se consolida também como exportador do cereal. Pela terceira safra consecutiva, serão embarcadas ao exterior mais de I milhão de toneladas, colocando o país entre os dez maiores exportadores. (Págs. 1 e B15) 

Justiça garante volta ao Refis

Decisões de primeira e segunda instâncias tem garantido a volta de contribuintes ao Refis da Crise. A Justiça tem entendido que erros cometidos pelas empresas não justificam a aplicação de punição extrema, como a exclusão do programa. (Págs. 1 e E1) 

Ideias

Sergio Leo

O governo faz ameaças veladas de medidas mais drásticas contra os juros altos, caso os bancos não baixem o custo do crédito. (Págs. 1 e A2) 

Ideias

Luiz Carlos Mendonça de Barros
Insegurança e volatilidade de ativos mais rentáveis nos últimos anos fizeram das pequenas perdas a melhor alternativa. (Págs. 1 e A15)

------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas
Manchete: Usuários de crack lotam hospitais psiquiátricos

Sem outra opção de tratamento em BH, viciados estão procurando ajuda nas unidades públicas de saúde destinadas a portadores de transtornos mentais. No Instituto Raul Soares, 88 dos 108 leitos estão ocupados por consumidores de crack, assim como 70 dos 115 leitos do Galba Veloso. Médicos alertam que é um grande desafio para a cidade e que nenhuma outra instituição está conseguindo acolher os dependentes. Há aqueles que procuram os hospitais por vontade própria, outros são levados pelas mães, como R. e policiais ou encaminhados pela Justiça. O período de internação varia de 24 horas a 30 dias. (Págs. 1 e 17) 

TCE vai ignorar desvios de até R$ 15 mil (Pág. 1)

Eleições: PT e PSDB de mãos dadas em outubro

Em clima tenso, o PT acatou ordem do ex-presidente Lula e aprovou a aliança com PSB e PSDB para a disputa municipal em Belo Horizonte. A escolha do vice da chapa de Mário Lacerda ficou para o dia 29. (Pág. 1) 

Saúde: Dentistas vão rejeitar planos por dois dias

Quinta e sexta-feira, clínicas odontológicas não vão atender clientes por meio de planos de saúde, inconformados com o valor recebido por consulta. Na próxima semana, o protesto será de médicos. (Pág. 1)

Exigência do cartão SUS em todas as consultas (Pág. 1)

------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio
Manchete: Leão enfrenta Timbu e Santa, o Salgueiro (Págs. 1 e Esporte 1 a 6)

Cúpula fica sem declaração final

Falta de acordo sobre participação de Cuba impediu consenso entre líderes das Américas na Colômbia. (Págs. 1 e 5)

Aposentado abusa do consignado

Segurados do INSS tomaram emprestados R$ 2,9 bilhões em fevereiro, 29,73% a mais do que no mesmo mês de 2011. (Págs. 1 e 7)

Sarney passa por cirurgia no Sírio-Libanês

Presidente do Senado foi submetido a procedimento para desentupir artéria no coração. Ele terá alta da UTI hoje. (Págs. 1 e 3)

Sul da Bahia

Índios pataxós invadiram cinco fazendas do município de Pau Brasil. (Págs. 1 e 4)

Moradia

Família desocupam área da UFPE, após ganharem terreno para habitacional. (Págs. 1 e 10)

------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
Manchete: Impasse entre União e Estados impede queda nas contas de energia

Planalto só reduz PIS e Cofins se governadores diminuírem ICMS. Ninguém cede e impostos seguem representando quase metade do que você paga todo mês. (Págs. 1 e 14)

Américas: Cúpula de presidentes acaba sem consenso

Cuba e outros temas emperraram debate em Cartagena. (Págs. 1 e 19)

Salgado: Carne deve subir 7% até final do mês

Oferta reduzida nos frigoríficos pressiona preço do produto. (Págs. 1 e 17)

Eleições 2012: Ana Amélia está cada vez mais Manuela

Senadora do PP intensifica articulação de aliança com PC do B na Capital. (Págs. 1 e 6)

Saúde: Expansão de planos piora falta de leitos

RS tem déficit de 2 mil vagas em hospitais. Governo sugere que empresas invistam em rede própria. (Págs. 1 e 22)

2012 - 2037

O Brasil dos próximos 25 anos estará em debate hoje e amanhã no Fórum da Liberdade. (Págs. 1, 4 e 5)

------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico
Manchete: Natura quer agilizar distribuição e vai assumir entrega porta a porta

Presente em 68% dos lares brasileiros graças a ação de um exército de 1,4 milhão de vendedoras, a Natura planeja assumir a entrega dos produtos, mas não pretende mudar o sistema de venda. O objetivo é agilizar a distribuição e fidelizar a clientela. (Págs. 1 e 32)

Richa diz que ‘Aécio é bola da vez’, mas admite dificuldade em 2014

Um dos principais nomes da nova geração de tucanos, o governador do Paraná, Beto Richa, em entrevista ao BRASIL ECONÔMICO, admite que José Serra está fora da corrida presidencial, pois a hora é do senador mineiro. (Págs. 1 e 4)

Dilma quer defesa integrada da AL contra tsunami monetário

Proposta é reforçada pela Colômbia, que pede definição de uma ação comum. (Págs. 1 e 10)

Itaú tenta convencer acionista a aceitar venda da Redecard

Em conferência hoje com analistas, banco defenderá proposta para fechar capital da empresa. (Págs. 1 e 30)

Cimpor recusa oferta de compra da Camargo Corrêa

Cimenteira portuguesa considerou baixa proposta do grupo brasileiro de 5,5 euros por ação. (Págs. 1 e 22)

Guerra no marketing político

João Santana e Luiz Gonzalez vão repetir na eleição paulista duelo que tiveram na disputa presidencial. (Págs. 1 e 8)
EBC Serviços

Comentários