Morte do jornalista no MA foi planejada, diz secretário


A juíza Alice de Souza Rocha decretou a prisão temporária de Fábio Roberto Cavalcante Lima e de Valdênio José da Silva. Os dois são suspeitos de participar do assassinato do jornalista Décio Sá, ocorrido na segunda-feira (23) em um bar em São Luís do Maranhão, ao dar fuga ao executor do homicídio. A Justiça maranhense também autorizou a polícia a fazer uma operação de busca e apreensão nos endereços dos dois suspeitos.
De acordo com a sentença judicial, os policiais que investigam o crime chegaram à dupla por causa de informações via Disque-Denúncia e depoimentos de testemunhas que viram o crime e a fuga dos executores do jornalista. A sentença informa que Fábio já tem uma condenação na justiça maranhense. A dupla havia sido presa na noite de quarta-feira (25) em uma casa em uma favela de São Luís.
Ainda na manhã desta sexta, o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Aluízio Mendes, decretou sigilo nas investigações. Mendes disse, em entrevista coletiva, que o crime é de difícil solução, que as investigações contam com apoio da Polícia Federal e que Décio não saiu da sua rotina normal no dia em que foi assassinado.
"Só iremos divulgar alguma informação assim que tivermos algo concreto. Qualquer informação desencontrada pode atrapalhar a nossa investigação. Quem executou o jornalista Décio Sá é arquivo vivo", comentou Mendes. Na coletiva, Mendes afirmou que o jornalista não foi atraído para o local do crime. Segundo ele, os executores do homicídio estudaram a rotina diária do jornalista. O crime foi "meticulosamente planejado" e não foi montado em 24 horas.
O secretário disse ainda que estão sendo analisados mais de 22 mil itens recolhidos durante as investigações. "Temos mais pessoas envolvidas nesse assassinato, e vamos chegar a todas elas", disse o secretário. 
ERNESTO BATISTA - Agência Estado

Comentários