Niterói-Manilha tem retenção na saída do Rio para o feriadão

Acessos à Região dos Lagos apresentam tráfego na altura de São Gonçalo
Ponte tem tráfego intenso, mas sem engarrafamento, diz concessionária

A principal via de acesso à Região dos Lagos, a Rodovia Niterói-Manilha (BR-101), apresenta retenção na manhã desta quinta-feira (5), na saída do Rio para o feriadão da Semana Santa. De acordo com a concessionária Autopista Fluminense, há 2 km de engarrafamento na altura de Itaboraí, entre o km 299 e o km 297, devido ao acesso de veículos.
Há lentidão também no acesso à Ponte Rio-Niterói, sentido Rio, na região da Avenida do Contorno (km 316 ao km 320). Segundo a concessionária responsável pela Ponte (CCR Ponte), o trânsito é bom para quem deixa a cidade. Na chegada ao Rio, no entanto, há tráfego na descida do vão central e na chegada à Rodoviária Novo Rio.
A previsão da concessionária é de que cerca de 260 mil veículos passem pela via em direção a Niterói e às cidades litorâneas da Região dos Lagos, até sexta-feira (6). A expectativa é de que o fluxo se intensifique depois das 16h.


O tráfego é bom nos dois sentidos da Via Lagos, segundo informações da CCR Via Lagos. Cerca de 153 mil veículos devem passar pela rodovia ao longo do feriado. De acordo com a concessionária, quinta (5) e sexta (6) devem ser os dias mais movimentados, com cerca de 33 mil e 24 mil veículos, respectivamente.
A BR-101 no trecho Rio-Santos também já encontra trânsito intenso no sentido Santos, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). No sentido oposto, o fluxo de veículos é bom.
Quem segue para a serra pela Rio-Teresópolis também encontra fluxo livre nesta manhã, segundo a PRF. De acordo com a concessionária CRT, a expectativa é de que 125 mil veículos passem pela via ao longo do feriado da Semana Santa.
Nas Rodovia Washington Luís (BR-040), no sentido Juiz de Fora, e na Dutra (BR-116), as condições de trânsito também são boas nesta manhã. Na chegada ao Rio, no entanto, há retenções nas duas vias na altura do acesso à Avenida Brasil.

Comentários