Iphan apresenta em Paris candidatura do Rio a patrimônio da humanidade

Cidade será lançada na categoria paisagem cultural
aterro-flamengo-unesco-700

Aterro do Flamengo, na zona sul, é um dos exemplos da interação da ação do homem com a natureza
O presidente do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Luiz Fernando de Almeida, e a superintendente do Estado do Rio de Janeiro, Cristina Lodi, lançam em Paris, na França, a candidatura da cidade do Rio à patrimônio mundial na categoria Paisagem Cultural, na Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura).


Diplomatas dos 21 países com poder de voto na Convenção do Patrimônio Mundial, membros das principais universidades, formadores de opinião, jornalistas e instituições de preservação de todo o mundo, estão reunidos em Paris durante toda semana e vão receber um dossiê da capital fluminense no evento. 

Paralelamente, acontece na sede do Iphan, no Rio, a 8ª reunião do comitê gestor da candidatura, formado por representantes da prefeitura, do Estado, da União e de organizações privadas apoiadoras, que elaboram um plano de gestão para as áreas da cidade destacadas na candidatura. 

O instituto apresenta para o corpo diplomático locais como o Parque do Flamengo e as orlas de Copacabana, Leme Urca e Botafogo, todas na zona sul, o pão de Açúcar, os fortes históricos, o Passeio Público, o Jardim Botânico e a floresta da Tijuca, que são parte da paisagem onde o homem alia a cultura carioca à natureza. 

A candidatura do Rio a patrimônio mundial já passou por todas as etapas de avaliação e em junho, na Convenção do Patrimônio Mundial, que acontecerá em São Petersburgo, na Rússia, o corpo de diplomatas anunciará o resultado da avaliação.


Comentários