Brasil possui o menor preço em energia eólica do mundo




Para o diretor-executivo do Pnuma, Achim Steiner: “Energia é fundamental para o desenvolvimento da economia, é um atributo fundamental para o desenvolvimento”
Foto: Paulo Nicolella / O Globo
Segundo relatório do Pnuma, governo brasileiro deve incentivar programas para tornar energia sustentável competitiva internacionalmente

PAULO NICOLELLA / O GLOBO:Os investimentos em energia renovável no mundo bateram recorde de 257 bilhões de dólares no ano passado. Tanto países desenvolvidos como em desenvolvimento estão mais empenhados em promover a energia sustentável, de acordo com o relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) “Tendências Globais em Energia Sustentável”, apresentado, nesta segunda-feira, pelo diretor-executivo do Pnuma, Achim Steiner. De acordo com o documento, o montante recordista foi 17% maior que o de 2010 e 94% maior do que em 2007, ano anterior a crise financeira americana. Os dados refletem o aumento de investimentos mundiais pelo sexto ano consecutivo.



— Os números são o resultado da redução do custo da tecnologia disponível no mercado hoje associada aos incentivos governamentais de cada país. Energia é fundamental para o desenvolvimento da economia. É um atributo para o desenvolvimento. O setor das energias renováveis também estimula a criação de empregos, outro bom estímulo para investimentos na área — explica Steiner.
O Brasil, país de ventos favoráveis com variedade na matriz enérgica renovável, tem hoje a menor tarifa do mercado para a energia eólica no mundo: U$ 0,06 por megawatts. Steiner diz que o governo brasileiro tem maior capacidade de desenvolver programas para promover a energia limpa e de competir com o mercado internacional.
— O brasileiro criou um modelo que subsidia as companhias com preços mais acessíveis. A energia mais barata no país é vantagem para os produtores, para a economia e para o mundo, pois coloca a energia renovável em concorrência direta com as fontes tradicionais.
Segundo o relatório, 39% da capacidade de produção de energia americana é renovável, com destaque para o setor eólico. Mas a China é a líder na instalação das turbinas eólicas. Steiner aponta que a discussão sobre energia limpa é uma ótima oportunidade para a sociedade brasileira se questionar sobre a construção da usina de Belo Monte, na Bacia do Rio Xingu.
— A pergunta é: “Se tivermos que aumentar nossa capacidade de geração de energia, quais são as opções disponíveis no país?”, porque no final isto irá determinar a capacidade do Brasil em produzir energia sob um paradigma de desenvolvimento sustentável.
No Ano Internacional da Energia Sustentável para todos, a ONU assume três metas, a serem atingidas até 2030: assegurar o acesso universal a serviços energéticos modernos; dobrar a taxa de crescimento da eficiência energética; e dobrar a participação de fontes renováveis no total da energia consumida mundialmente.
Questionado quanto à entrega do texto da Rio+20, o diretor-executivo disse que os 75% já concluídos não significam que o andamento das negociações não esteja avançado.
— É tarde sim, mas teremos um texto a tempo. Temos motivos de nos preocuparmos com a elaboração do texto, mas não há razões para acreditar que não teremos um bom documento — esclarece.

Comentários