CPJ alerta para aumento de assassinatos e violência contra jornalistas no Brasil




Na última quarta-feira (18/7), o Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ) afirmou que o Rio de Janeiro apresenta riscos para os profissionais da imprensa. Segundo a organização, a cidade brasileira tem sido palco de violência contra jornalistas e esta é uma tendência que está em ascensão no país, informou o site Huffington Post.



"Infelizmente, hoje, o Brasil está indo ao encontro à tendência de assassinatos de jornalistas", disse Frank Smyth, consultor do CPJ para segurança de jornalistas. "Pelo menos 22 jornalistas foram mortos no país por motivos ligados à profissão nos últimos 20 anos, e todos, exceto um, foram assassinados", acrescentou.

Smyth também revela que mais da metade dos crimes foram cometidos por assassinos profissionais e que a maioria dos jornalistas foram mortos perto de suas casas ou de seus locais de trabalho. Um terço desses jornalistas foram ameaçados antes de morrerem.

"O último um ano e meio foi ainda pior. Nesta semana, um homem armado em cima de uma moto atirou e matou o radialista esportivo Valério Luiz de Oliveira na saída da emissora na cidade de Goiânia. Nove jornalistas foram assassinados no Brasil nos últimos 19 meses e, enquanto o CPJ continua investigando os motivos, pelo menos quatro foram claramente mortos pela profissão que exercem", disse Smyth. 

Comentários