Marketing político no Orkut. Será que ainda vale a pena?



Marketing político no Orkut. Vale a pena?

Por Alberto Valle
Muita gente se questiona sobre a validade de uma campanha de marketing político no Orkute as vezes, por puro preconceito deixa essa poderosa ferramenta de fora na hora do planejamento estratégico digital da campanha. Concordo que o Orkut não é o melhora lugar do mundo para se estruturar uma campanha de marketing político eleitoral, mas não dá para ignorar. Quando falamos sobre redes sociais em nosso curso de marketing político digital, faço questão de frisar que embora não seja a rede social ideal para esse tipo de ação, o Orkut, pela sua popularidade no Brasil, deve estar incluído no elenco de canais a ser mantido nas mídias sociais.

Recentemente temos visto um aumento vertiginoso da popularidade do Facebook no Brasil, para ser mais exato, 61,82% segundo dados do site Socialbakers nos últimos seis meses. Se levarmos em consideração algumas métricas da web análise, podemos dizer que oFacebook já teria superado o Orkut no Brasil, mas isso não o desqualifica como ferramenta de marketing político eleitoral digital, pois ainda existe um gigantesco contingente de usuários.

Os problemas do marketing político no Orkut

O grande problema do Orkut no que diz respeito ao marketing digital eleitoral é a distribuição por faixa etária de sua audiência. No gráfico abaixo, podemos notar uma grande concentração (58%) da audiência na faixa etária que vai de 0 a 17 anos, ou seja, um público que não vota e ainda não seria formador de opinião. Se comparado com outras, essa distribuição deixa o Orkut em grande desvantagem, já que no caso do Facebook, essa faixa etária, apesar de relevante (48%) é compensada pela faixa que vai de 18 a 54 anos que representa 53% da audiência da rede.
Distribuição por faixa etária dos usuários do Orkut
Distribuição dos usuários do Orkut por faixa etária
Um dos principais problemas do Orkut é a limitação do número de amigos nos perfis dos candidatos, o que nos obriga a desviar o tráfego para as Comunidades, que aceitam um número ilimitado de membros. Um problema muito parecido, guardadas as devidas proporções, com o que encontramos no Facebook entre Perfis e Páginas de Fãs.
Apesar dessa desvantagem, ainda é prudente, pelo menos nas eleições 2012, incorporar omarketing político no Orkut entre as opções de marketing político nas redes sociais. É claro que a alocação de recursos para essa ação perde bastante força diante dos dados apresentados, mas mesmo assim, ainda vale a pena ter uma presença digital neste canal.

As vantagens do marketing político no Orkut

Um dos motivos para continuar a ter o Orkut entre as ferramentas de marketing político digital é sua penetração nas classes C,D e E. É inquestionável sua popularidade nestes segmentos da população, muito maior que a de outras redes como Facebook Twitter. Não que o Orkut seja, como muitos “marqueteiros” comentam por ai, uma ferramenta de pobre. Na verdade essa afirmação, além de elitista e discriminatória, é um erro conceitual. O Orkutna verdade é uma ferramenta de um público de baixo amadurecimento digital, uma parcela significativa da população brasileira, independentemente do poder aquisitivo dessas pessoas.
A discussão sobre marketing político no Facebook ou marketing político no Twitter é acalorada e os dois lados tem suas razões para defender a rede de sua preferência, mas esque cer o Orkut como ferramenta de marketing político eleitoral já nas eleições de 2012 me parece muito prematuro, pois o público residual desta rede ainda pode render alguma militância digital já que o número de pessoas que estão ainda engatinhando nas redes sociais é muito expressivo no Brasil.
Certamente o marketing político no Orkut não tem mais a relevância que teve das eleições passadas, mas continua a ser uma opção válida.

Comentários