Míriam Leitão quase foi guerrilheira no Araguaia




Em 1972, o PCdoB recrutava jovens comunistas para manda-los para o sul do Pará para participarem da guerrilha do Araguaia contra os militares. 
Um dos estados onde a convocação de militantes estava mais adiantada era o Espírito Santo, onde 26 militantes do PCdoB acabaram presos após a denúncia de um integrante do partido que estava responsável pelo recrutamento. Barbaramente torturado, ele entregou um apartamento do partido onde constava a lista dos militantes e simpatizantes.
Entre os simpatizantes, estava Mírian Leitão. Ela foi presa e interrogada no DOPS capixaba. Para coagi-la a dizer o que sabia, policiais e militares  colocaram-na sob a ameaça de cobras e cães ferozes. 
Como não tinha cometido crime, acabou sendo solta, mas ficou sendo vigiada pelos órgãos de segurança durante anos.

do Blog do Chicão

Comentários