Polícias do RJ terão mancha criminal do Estado atualizada a cada 24 horas

Com riqueza de detalhes, sistema vai ajudar a mapear crimes e aplicar policiamento

Arquivo/Ag.O Dia
pm
Sistema fornece informações detalhadas sobre cada tipo de crime

As polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro vão ganhar um reforço importante no combate ao crime até o fim deste ano. Nada de armamento pesado, carros ou helicópteros blindados. As armas em questão são tecnologia e informação. Um sistema desenvolvido pelo Proderj (Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio de Janeiro) vai permitir a consulta da chamada mancha criminal de maneira detalhada e atualizada a cada 24 horas.

Além da quantidade e do tipo de ocorrências registradas nas delegacias, o SIM (Sistema de Indicadores e Metas) fornece informações detalhadas sobre cada tipo de crime. É possível saber, por exemplo, sexo e idade das vítimas, horário do crime, cor e modelo de carros roubados ou furtados, bem como qualquer outro detalhamento sobre qualquer delito.

O objetivo é identificar os problemas e planejar o policiamento de forma rápida. Segundo Alexandre Gitahy, vice-presidente do Proderj, o sistema levou um ano para ser desenvolvido e começou a ser implantado no fim do ano passado. Atualmente, as informações são atualizadas uma vez por semana. A expectativa é de que a atualização seja diária a partir do último trimestre deste ano.

— Antes, havia um sistema, mas de forma muito incipiente e que era atualizado de forma mensal. Nós oferecemos a modernização da metodologia de avaliação dos índices, de uma forma mais dinâmica, com mapas, gráfico e até georreferenciamento através do Google Maps. São ferramentas de inteligência que ajudam a observar a percepção dos dados criminais.

Hoje, parte dos batalhões e das delegacias do Estado tem acesso ao sistema. A Secretaria de Segurança Pública não informou quando todas as unidades terão acesso às informações, mas a expectativa é de que a ampliação do sistema aconteça até a realização de grandes eventos, como a Copa do Mundo em 2014 e a Olimpíada de 2016. Para isso, é preciso investimento em infraestrutura, como conexão de internet e computadores de qualidade.

Por meio da assessoria de comunicação, o subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Secretaria de Segurança Pública, Roberto Sá, informou que “será um grande avanço no diagnóstico do problema para uma rápida e acertada tomada de decisões na alocação dos recursos policiais”.

Quem também comemorou a novidade foi o comandante do Batalhão de Irajá (41º BPM), tenente-coronel Carlos Eduardo Sarmento, responsável pelo patrulhamento na área mais violenta do Rio. O oficial já usa o Google Maps - ferramenta de busca de endereços - para verificar os locais das denúncias que recebe e orientar os policiais.

— Quanto mais rápido você recebe as informações, mais rápida pode ser a sua atuação e o seu planejamento. Muitas vezes, uma pessoa é assaltada e não informa a PM, vai direto para a delegacia da área. Essa velocidade vai melhorar o policiamento.

Além da infraestrutura, a ampliação do sistema depende de recursos humanos. O Proderj já treinou cerca de 200 policiais civis e militares. O curso, que ensina a usar o sistema, tem duração de um mês.

Comentários