Professores da UFRJ rejeitam proposta do governo e mantém a greve

Segundo os grevistas, na proposta governamental não fala sobre às condições de trabalho

Os professores da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) decidiram nesta sexta-feira (20), em assembleia, continuar com a greve iniciada há pouco mais de dois meses. O presidente da Adufrj-Ssind (Seção Sindical dos Docentes da UFRJ), professor Mauro Iasi, disse que a proposta apresentada pelo governo foi rejeitada pelos professores.


— Fizemos uma avaliação das propostas do governo, das alternativas e dos próximos passos de agora em diante. Aprovamos também, para encaminhamento ao nosso comando nacional de greve, as bases para uma proposta alternativa, que ajudaria em uma negociação com o governo.

Na avaliação de Iasi, a proposta salarial do governo só favorece a um pequeno número de professores.

Além disso, segundo os grevistas, a proposta governamental está centrada na questão do salário, mas não há acordo em relação às condições de trabalho e, em certo sentido, regride em aspectos da carreira.


O governo agendou uma reunião com os professores da rede federal para segunda-feira (23).

Comentários