Com o título de terceira mulher mais poderosa do mundo, Dilma Rousseff é capa da revista Forbes

dilma-forbesPelo segundo ano consecutivo, a presidente Dilma Rousseff ocupa o 3º lugar do ranking anual das mulheres mais poderosas do mundo da Revista Forbes. Ela está na capa desta edição da publicação norte-americana de economia e finanças, que ainda fez uma reportagem sobre o Brasil.

Dilma estampa a capa da edição "Mulheres Poderosas" da Forbes (Imagem: Reprodução)
A matéria da Forbes classifica as últimas décadas como "formidáveis" porque o país conteve a inflação e fez o PIB crescer. O veículo diz que o Brasil “é um dos mais empreendedores do mundo, com um em cada quatro adultos empregados de alguma maneira”. No texto, ainda são citados outras conquistas, o passado militante de Dilma durante a Ditadura Militar e os desafios do país. A Forbes cita a demissão dos ministros e diz que a corrupção é um problema.
A classificação que deu o título à presidente é analisada de acordo com o prestígio, quantidade de dinheiro que controla ou ganha e presença na mídia. No ranking estão elencadas empresárias, celebridades, mulheres envolvidas na política, entretenimento, tecnologia e organizações sem fins lucrativos, entre outros campos. A lista completa pode ser acessada no site da Forbes.


A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, ocupam o 1º e 2º lugar da lista, respectivamente. Atrás de Dilma está Melinda Gates, co-presidente da Fundação Bill & Melinda Gates. A 5ª posição é ocupada por Jill Abramson, editora-executiva do "New York Times", o que mostra a força e influência da imprensa nos Estados Unidos.
A presidente e editora da Forbes Woman, Moira Forbes, fala sobre o perfil das mulheres do ranking. "Elas exercem influência de formas muito diferentes e para fins muito diferentes, e todas com impactos sobre a comunidade global", disse a Agência Reuters. Outras duas brasileiras aparecem na lista: a presidente da Petrobras, Graça Foster, na 20ª posição, e a modelo Gisele Bündchen, na 82ª.

Comentários