Julgamento no STF domina debates da semana no Plenário


O julgamento do suposto esquema do mensalão, que começou nesta quinta-feira (2) no Supremo Tribunal Federal (STF), dominou os debates em Plenário na primeira semana de esforço concentrado da Câmara, já na terça-feira (31). Líderes e deputados dos partidos de oposição destacaram a importância do julgamento, definido como um dos mais importantes da história. “Este é o julgamento do maior escândalo de corrupção da história brasileira e é uma oportunidade de deixar uma herança ética que engrandeça a nossa cidadania e a crença de todos nós de que somos um povo com instituições forjadas em valores nos quais acreditamos”, disse o líder da Minoria, deputado Antônio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP).


O líder do PSDB, deputado Bruno Araújo (PE), destacou que o momento é fundamental na formação da história democrática do Brasil, e disse que houve o respeito, por parte do STF, ao mais amplo processo de defesa. “É preciso transformar a cultura de que os poderosos não são julgados de forma efetiva”, afirmou. O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), avaliou que o STF vai fazer o julgamento “com a serenidade e o equilíbrio devidos a um tribunal superior”. Para o deputado, afirmar que não existiu o mensalão é começar a repetir a velha prática de Goebbels, ministro da propaganda da Alemanha nazista, “que repetia mentiras para que, ao final, se tornassem verdades”.
De acordo com o líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), o STF estará decidindo o que é lícito ou não na busca e no exercício do poder: “A nossa expectativa é a de que, da decisão final do Supremo, saia um critério histórico para banir, de vez, a corrupção da história política brasileira e nos estimular a fazer uma profunda reforma do sistema político. A matriz de toda corrupção é o próprio sistema político brasileiro hoje, que acaba desautorizando a representação.”
Vice-líder do DEM, Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirmou que os cidadãos se voltam ao STF com a esperança de “que a prática de uso do dinheiro público para corromper campanhas eleitorais e resultados de votações não vai mais proliferar no Brasil”. Para Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ao investigar denúncias de corrupção nos Correios, a comissão parlamentar de inquérito sobre o tema resgatou a credibilidade do Parlamento e colocou nas mãos do STF o futuro do Brasil. O julgamento, disse o deputado, deve passar a mensagem de que “ninguém está acima da lei”.
Para Roberto Freire (PPS-SP), o debate sobre o julgamento está instalado na sociedade. Segundo o deputado, os brasileiros estão se mobilizando no combate à corrupção, buscando acabar com a impunidade. “O julgamento qualifica o Brasil do futuro, com cidadãos mais atentos e que conseguirão entender todo o processo político”. Otavio Leite (PSDB-RJ) disse que “o mensalão ocorreu há sete anos, mas nem por isso se deixou de praticar inúmeros outros atos semelhantes”, pois “no ano passado vários ministros caíram em razão de desvios e desmandos com o dinheiro público”.
Da Redação/RN

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara de Notícias'


Comentários