Atirador mata quatro pessoas após ser demitido de empresa nos EUA


Segundo autoridades, homem atirou em alvos específicos após ser demitido de empresa em Mineápolis - AP

Nove pessoas foram atingidas e três vítimas estão em estado grave; atirador se matou

WASHINGTON - O ex-funcionário de uma empresa da cidade de Mineápolis, no Estado de Minnesota (EUA), matou quatro pessoas, feriu ao menos mais quatro e se matou na noite dessa quinta-feira, 27.
Segundo autoridades locais, o homem foi demitido na quarta-feira da Accent Signage Systems - especializada em sinalização para pessoas com deficiência. No dia seguinte, ele voltou ao local, armado, e atirou em alvos específicos. Pelo menos 28 funcionários estavam no escritório no momento do tiroteio.


Embora o nome do atirador não tenha sido divulgado ou confirmado pela polícia, testemunhas o identificaram por Andrew Engeldinger, 36. Ele não teria antecedentes criminais.
Ataque
Segundo relatos, os vizinhos se assustaram com o barulho dos tiros e se reuniram nas proximidades da empresa para buscar informações. A polícia chegou à empresa por volta das 16h30 (horário local). Agentes policiais e a equipe da SWAT invadiram o prédio uma hora após o ataque.
Kristine Arneson, chefe-adjunta da polícia de Mineápolis, não confirmou o número exato de mortos, podendo superar os quatro informados por testemunhas. Segundo ela, os policias não trocaram tiros com o atirador, que foi encontrado morto no local.
Vítimas
A única vítima fatal identificada até agora foi o dono da empresa, Reuven Rahamim. Outros dois executivos feridos no ataque - o diretor de operações John Souter e o gerente de produção Eric Rivers - estão em estado crítico no Hennepin County Medical Center.
Funcionários do hospital falaram sobre o estado de saúde dos outros dois feridos, ainda não identificados. Um deles está em estado grave e o outro, em condições satisfatórias.
Repercussão
O governador de Minnesota, Mark Dayton, lamentou o "episódio de violência sem sentido" e enviou condolências às famílias dos "inocentes mortos ou feridos".
do estadão

Comentários