Em Cabo Frio, Iphan ordena retirada de quiosques da orla da Praia do Forte

Estabelecimentos na Praia do Forte devem ser retirados em dois meses.
Instalação na areia prejudica movimentação natural das dunas.
 Os proprietários de quiosque da Praia do Forte, em Cabo Frio, RJ, que estão em uma área de proteção ambiental precisam deixar o local. Com os estabelecimentos instalados na areia, a movimentação natural das dunas fica prejudicada. A prefeitura da cidade foi notificada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e tem o prazo de dois meses para começar a retirada dos quiosques.
No início de outubro, a areia invadiu o local e cobriu até os banheiros químicos. Os funcionários tentaram retirar o excesso, mas não tiveram resultado. Na época, as rajadas de vento chegaram a quase 70 Km por hora no litoral da Região dos Lagos. Para conter a invasão, o Serviço de Desenvolvimento de Cabo Frio (Secaf), usou uma pá carregadeira e depois molhou a areia. O objetivo era que ela não se espelhasse com tanta facilidade.


Segundo o Iphan, o avanço dos quiosques se tornou descontrolado ao longo dos anos. E, as ampliações sem critério podem prejudicar a movimentação natural das dunas. Segundo os donos dos quiosques, até segunda-feira (15) eles não haviam sido notificados sobre o projeto de padronização. O Iphan alerta que se nada for feito para regularizar a situação, a prefeitura pode ser punida.O vento deu uma trégua nos últimos dias e o avanço das dunas diminui. Mesmo assim, alguns quiosques continuam ameaçados pela areia. Na Praia do Forte são 25 estabelecimentos. Pelo menos três deles devem ser demolidos em um prazo de 60 dias. É o que prevê um projeto feito pela prefeitura e aprovado, na semana passada, pelo Iphan. O órgão impôs algumas condições para a aprovação da medida. Uma delas foi a retirada imediata dos toldos e estruturas que não fazem parte do projeto original dos quiosques. Mas, até segunda-feira (15) tudo continuava como estava.
do G1

Comentários