Ibope: carioca quer legalizar Jogo do Bicho


Sessenta por cento dos cariocas aprovam o jogo e optam pela legalização

article image
Pesquisa Ibope: 58% dos entrevistados são contra a criminalização do Jogo (Fonte: Reprodução/G1)

Pesquisa Ibope que acaba de sair na surdina põe lenha no debate sobre a revogação da Lei das Contravenções Penais, em discussão no novo Código Penal no Senado: 58% dos entrevistados são contra a criminalização do Jogo, e 33% são favoráveis. Indagados sobre a legalização do Bicho, com recolhimento de impostos, 59% apoiam a ideia, contra 28%. A pesquisa ouviu 805 pessoas no Rio, Niterói, São Gonçalo e Baixada Fluminense. Na capital, 60% dos cariocas aprovam o jogo e optam pela legalização.
6 por meia dúzia


Hoje Bicho é apenas uma contravenção penal. Se virar crime, na opinião de 42% dos entrevistados o Jogo seria controlado por traficantes/milícia; 29% acham que acabaria.
20 milhões!
A sondagem foi contratada pelo site Boletim de Notícias Lotéricas, que estima o negócio irregular com 500 mil apontadores e 20 milhões de apostadores no país.
Calendário
Hoje, a proibição do Jogo do Bicho pela Lei de Contravenções Penais completa 71 anos. No dia 3 de julho, o Jogo completou 120 anos no Brasil.
Surrealismo tropical
Os mensaleiros do PT bolaram apelar à Corte Interamericana para anular a condenação do STF ou ganhar prazo. E ontem escolheram Valdemar da Costa Neto como porta-voz, para driblar os holofotes. O deputado federal do PR anunciou que recorrerá à Corte para ‘pedir reexame das condenações’.
Hein!?
Costa Neto, o manda-chuva do PR (ex-PL) que teria levado até R$ 10 milhões para se aliar ao PT, afirma que não houve mensalão e que seu crime foi só ‘fazer caixa dois’: ‘Até 2002 todo mundo pegava dinheiro por fora’.
Maré mansa
Enquanto a Petrobras acumula prejuízos, a subsidiária Transpetro não se preocupa, denuncia leitor. A unidade de São Francisco do Sul (SC) contratou a academia Benefit, em Joinville, para a turma malhar. E teria comprado cadeiras executivas de até R$ 5 mil.
Nem tanto
A assessoria da Transpetro informa que o convênio com a academia faz parte de um plano para sedentários. E que houve compra de quatro cadeiras pelo total de R$ 5 mil.
Oi?
Paira o mistério em Brasília: o que fazia o conselheiro Marcelo Bechara, da Anatel, com lobista da Oi no BalcoNY Bar no dia que a operadora foi multada em R$ 30 milhões?
Calma, doutor
Deu no blog do John Cutrim, em São Luís (MA): o ministro Gastão Vieira (Turismo) levou baita vaia num comício ao fazer referência de que comunista come criancinha, em alusão ao candidato adversário. Quem vaiou era aliado, imagina se não fosse.
Chá da Loucura…
O procurador do governo gaúcho, Rodinei Candeia, vai processar por improbidade uma antropóloga da Funai. Ela assinou laudo de demarcação de reserva indígena de 4.230 hectares, para apenas 63 nativos, após participar de ritual na ‘tribo’ e tomar chá.
…pegou geral
A Funai baseou a demarcação da futura reserva em ‘visões’ sobre a presença de antepassados na área, que na verdade foi colonizada e hoje é sustento de 300 famílias de lavradores. E o Ministério da Justiça publicou portaria sem consultar o Estado.
Onda$ do rádio
E diziam que a rádio morreria com a chegada da TV. A Band News contratou o Garotinho – o verdadeiro, o locutor José Carlos Araújo – por R$ 340 mil mensais. Levou com ele Gilson Ricardo e o eterno canhotinha Gerson, antes da Globo.
Efeito colateral
E a Rádio Tupi, depois de perder o famoso locutor Penido para a Globo, deu 35% de aumento para todos os profissionais de esportes.
Leandro Mazzini é jornalista e escritor
El ministro
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, representará Dilma Rousseff no 17ª Meeting Internacional, do Grupo LIDE, de 10 e 13 em Punta Mita, no México.
Ponto Final
O Ministério da Agricultura informou que a comissão de Licitação errou o valor publicado. O contrato para uma clippadora de notícias não é de R$ 1,5 milhão e sim R$ 287 mil..
Com Marcos Seabra e Vinícius Tavares
www.colunaesplanada.com.br
contato@colunaesplanada.com.br
Twitter @colunaesplanada
* É proibida a reprodução total ou parcial da coluna sem a prévia autorização do editor da Esplanada

Comentários