Profeta que prometia o fim do mundo é preso por estelionato no Piauí

Segundo a polícia, ele usava o dinheiro de seguidores para manter a casa. Soldados devem permanecer no local para evitar depredação do imóvel.
Náyra Macêdo/Portal da Clube
Profeta que prometia o fim do mundo é preso por estelionato no Piauí

 O profeta que prometia o fim do mundo ontem (12), em Teresina, no Piauí, foi preso pelo crime de estelionato. De acordo com a polícia, Luis Pereira dos Santos usava o dinheiro de seus seguidores para manter a casa onde eram realizadas as reuniões. 
Outros seis seguidores prestaram depoimentos e foram liberados em seguida, segundo a polícia. 
Cerca de 120 pessoas que estavam dentro de uma casa à espera do fim do mundo deixaram o local no fim da tarde de sexta. O Coronel José Fernandes de Albuquerque explicou que todos deixaram o local pacificamente, após negociação com a polícia. 
O grupo estava no local junto com Luis Pereira dos Santos, que dizia ser profeta e havia previsto o fim do mundo. O suposto profeta acabou detido e levado para a Central de Flagrantes de Teresina. 
"Conseguimos convencer as pessoas a voltar para suas casas ou ir para a casa de parentes. Não houve violência e não tiramos ninguém a força, eles compreenderam a situação e saíram", afirmou o coronel.

 
 
A Polícia Militar deve permanecer no local por mais dois dias. De acordo com Albuquerque, a intenção é evitar que a população deprede o local.
 
 
 "Queremos evitar que a população coloque fogo e destrua o imóvel, que era uma espécie de casa de oração dessas pessoas. Quem não acreditava no profeta, ficou revoltada com as mentiras e também pelo transtorno causado no bairro", explicou.
 

 Prisão
O homem que se dizia profeta foi preso durante a tarde. Homens da Polícia Militar invadiram a casa para resgatá-lo, após a população nos arredores do imóvel atirar pedras e ameaçar entrar no local para linchá-lo. A Tropa de Choque teve de dispersar a população. Segundo a polícia, além dele, outros dois integrantes do grupo foram detidos.
 
 
"Todos estão detidos na Central de Flagrantes de Teresina, à disposição da Polícia Civil. Eles devem permanecer detidos lá até por uma questão de segurança, não temos informação de quando serão liberados", afirmou Albuquerque.

Comentários