Bom dia! Vamos com as manchetes e as principais notícias dos jornais desta quinta-feira, 22 de novembro.











Folha de S.Paulo
O Estado de S.Paulo
Governo de SP troca cúpula da Segurança; homicídios dobram
O Globo
Na CPI do Cachoeira... Relator poupa aliado, e ataca jornalista e procurador-geral
Valor Econômico
Exportadoras têm R$ 10 bi em créditos fiscais retidos
Correio Braziliense
Brasil dá hoje mais um passo à frente
Estado de Minas
Macarrão acusa Bruno de mandar matar Eliza
Zero Hora
Exclusivo - Deputado Rubens Paiva ficou preso no DOI-Codi
Brasil Econômico
BNDES da América do Sul nasce em março com capital de US$ 7 bi
*
Jornais internacionais
The New York Times (EUA)
Israel e Hamas concordam com cessar-fogo após influência de EUA e Egito
The Washington Post (EUA)
Acordo é alcançado para travar violência em Gaza
Le Figaro (França)
UMP mergulha no caos
Le Monde (França)
Europa refém dos britânicos
O Globo
Manchete: Na CPI do Cachoeira... Relator poupa aliado, e ataca jornalista e procurador-geral
Petista responsabiliza Marconi Perillo (PSDB), mas livra Agnelo Queiroz (PT)
Odair Cunha (MG) pediu indiciamento de 34 pessoas, entre elas Fernando Cavendish, ex-dono da Delta
Num movimento interpretado pela oposição como resposta do PT ao mensalão, o petista Odair Cunha (MG) sugeriu em seu relatório que o Conselho Nacional do Ministério Público avalie a atuação do procurador-geral Roberto Gurgel no caso Carlinhos Cachoeira. Ele também incluiu entre os 34 indiciados o chefe da sucursal da "Veja" em Brasília, Policarpo Júnior, e propôs 




responsabilizar 12 autoridades, entre elas o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), foi poupado. O Ministério Público pediu novamente a prisão de Cachoeira. Ontem, uma comissão da Câmara reduziu poderes do MP. (Págs. 1, 3, 4, 11 e Merval Pereira)
Israel e Hamas aceitam trégua
Ataques se estendem até último minuto. Ambos os lados cantam vitória após 8 dias de conflito que matou 160 palestinos e 5 israelenses

Após uma madrugada de bombardeios em Gaza e um atentado a bomba num ônibus em Tel Aviv, Israel e Hamas concordaram com um cessar-fogo mediado pelo Egito, seguido de negociações para o fim do cerco a Gaza. A trégua ocorreu após oito dias de conflito que deixou 160 palestinos e cinco israelenses mortos. Ambos os lados se disseram vitoriosos. Em Gaza, os estrondos deram vez a disparos para o ar e buzinaço, relata Fernando Eichenberg. O premier Netanyahu disse que o objetivo é alcançar um cessar-fogo prolongado. Já o líder do Hamas disse que "a aventura de Israel fracassou”. (Págs. 1 e 36 a 39)

Começa a era Joaquim
Ministro será hoje o primeiro negro a assumir a presidência do STF; ontem, Corte estabeleceu mais penas do mensalão

O ministro Joaquim Barbosa, um dos oito filhos de um pedreiro que deixou Minas Gerais na década de 70 para tentar a sorte em Brasília, assume hoje a presidência da mais alta Corte do país. Ontem, em sessão já presidida interinamente por ele, foram estabelecidas penas de mais seis réus, entre eles o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, que cumprirá pena de 12 anos e sete meses por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. (Págs. 1 e 6 a 10)

Eletrobras perde metade do valor
Após dois meses das novas regras do governo, as ações da Eletrobras despencaram ontem 20%, maior queda desde 1990. Valor já caiu 58% (R$ 8,9 bi). Para Nelson Hubner, diretor da Aneel, isso não incomoda o governo. (Págs. 1 e 32)
Troca de comando: Violência em SP derruba secretário
O secretário de Segurança de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, não resistiu à onda de violência no estado e será substituído pelo ex-procurador-geral Fernando Grella Vieira. Ontem, o governo divulgou que o número de homicídios aumentou 92% entre outubro do ano passado e o mesmo mês deste ano. (Págs. 1 e 12)
Caso Bruno: Defesa consegue adiar julgamento
Em nova manobra, a defesa do ex-goleiro Bruno conseguiu desmembrar o processo e adiar o julgamento para o ano que vem. A juíza atendeu ao pedido do novo advogado do réu, que disse precisar de tempo para conhecer o caso. (Págs. 1 e 22)
TCU: dinheiro para BNDES fere a lei fiscal (Págs. 1 e 29)

Calor inevitável
Relatório da ONU diz que já é impossível evitar que a temperatura média da Terra aumente em pelo menos 2 graus Celsius. Cortes de emissão de C02 até 2020 são insuficientes. (Págs. 1 e Ciência)
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete: Homicídios dobram em SP; cai secretário da Segurança
Capital paulista teve 150 casos em outubro; ex-procurador Fernando Grella substitui Ferreira Pinto

Um mês após o agravamento da onda de violência em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) demitiu o secretário da Segurança, Antonio Ferreira Pinto, e nomeou para o cargo Fernando Grella Vieira, ex-procurador-geral de Justiça.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que dados oficiais revelam que o total de casos de homicídios dolosos (intencionais) em outubro (150) quase dobrou em relação ao mesmo mês do ano passado (78) na capital.

A queda de Ferreira Pinto é atribuída à alta nas mortes, aos ataques pelo crime organizado, à dificuldade de diálogo com o governo federal, à perda de controle de setores da Polícia Militar e ao desgaste com a Civil.

Alckmin disse reconhecer “as dificuldades” por que passa o Estado. A Grande SP teve outra noite violenta, com 12 mortos. (Págs. 1 e Cotidiano)

Fotolegenda: O governador Geraldo Alckmin ao anunciar o novo secretário da Segurança, Fernando Grella Vieira, que assume hoje.

Câmara aprova ampliação de direitos de domésticas
Os deputados federais aprovaram, por 359 votos a 2, a proposta de emenda à Constituição que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos.

Ainda será necessária a votação em segundo turno na Câmara, antes de o texto ser enviado ao Senado.

O projeto, que abrange motoristas e babás, entre outros, dará direitos como adicional noturno, horas extras e limite de jornada.

Para empregadores, o custo mais alto levará a demissões. Analistas creem que as profissões se tornarão mais atrativas. (Págs. 1 e Mercado B1)

Vale Cultura de R$ 50 é aprovado por deputados
A Câmara dos Deputados aprovou o projeto que cria o Vale Cultura, benefício de R$ 50 por mês para gastos como cinema, shows e livros. Poderão receber o benefício trabalhadores com renda mensal de até cinco salários mínimos (R$ 3.110).

O texto, que vai a votação no Senado, exclui servidores e aposentados. (Págs. 1 e Poder A13)

Supremo condena ex-diretor do BB a 12 anos e 7 meses
Na 47ª sessão do mensalão, a primeira presidida por Joaquim Barbosa, o STF condenou Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil, a 12 anos e 7 meses de prisão por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Barbosa, o primeiro presidente negro do Supremo, assume oficialmente o Cargo hoje. (Págs. 1 e Poder A4)
Israel e Hamas fecham acordo de cessar-fogo após 153 mortes
Após oito dias de hostilidades, que deixaram mortos cinco israelenses e 148 palestinos, Israel e o Hamas firmaram um cessar-fogo.

Pelo acordo, intermediado pelo Egito e pelos EUA, as partes suspenderão as hostilidades. Israel se comprometeu a aliviar o bloqueio à faixa de Gaza.

Horas antes da trégua, uma bomba explodiu em um ônibus em Tel Aviv, ferindo 28 pessoas. (Págs. 1 e Mundo A14)

Clóvis Rossi
Israel vê que não pode viver ao lado do inferno sem sentir as chamas. (Págs. 1 e Mundo A20)
União vai gastar R$ 396 mil em fórum pró-Palestina (Págs. 1 e Mundo A16)

China limita gastos em casas e carros de executivo de estatal
O governo chinês limitará gastos de altos executivos de bancos estatais em casas e carros. Será proibido ainda usar dinheiro público para fazer “altas despesas” em “entretenimento”.

Recentemente, líderes do Partido Comunista advertiram contra a corrupção crescente no país. (Págs. 1 e Mundo A21)

Julgamento do goleiro Bruno é adiado para março de 2013 (Págs. 1 e Cotidiano C10)

Editoriais
Leia "Pacificação paulista”, acerca de troca de secretário da Segurança Pública, e “CPI da insensatez”, a respeito de relatório do petista Odair Cunha. (Págs. 1 e Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Governo de SP troca cúpula da Segurança; homicídios dobram
Ex-procurador-geral de Justiça, Fernando Grella assume pasta e diz que vai enfrentar a onda de violência ‘dentro da lei’; mortes chegam a 150 casos em outubro

O ex-procurador-geral de Justiça Fernando Grella Vieira vai substituir a partir de hoje Antonio Ferreira Pinto na Secretaria da Segurança de São Paulo com discurso de enfrentamento “dentro da lei” à atual guerra não declarada entre polícia e PCC. O novo secretário afirmou que vai “fazer aprimoramentos” na atual política de segurança. “Vou abrir a pasta à sociedade. Sei que o trabalho será duro e o momento é sério”, disse ao Estado. Com a mudança, o governo antecipou a divulgação dos dados de violência. Os casos de homicídios aumentaram 92% na capital ante outubro de 2011, passando de 78 para 150. No ano já são 1.157 assassinatos na cidade, mais do que em 2011 inteiro. “Nós reconhecemos as dificuldades que estamos passando”, disse o governador Geraldo Alckmin. (Págs. 1 e Cidades C1 e C3 a C5)

Comando das polícias deve ser trocado

O novo titular da pasta da Segurança deve anunciar mudanças nas cúpulas das Polícias Civil e Militar. A principal deve ser a saída do delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro de Lima. "O secretário (Grella Vieira) vai avaliar essas questões. Ele terá total liberdade", afirmou o governador Geraldo Alckmin. (Págs. 1 e C3)

Israel e Hamas fazem trégua em dia violento
Israel e o Hamas chegaram a um acordo de cessar-fogo ontem, mas a situação continua instável na região, informa Roberto Simon. Militantes palestinos explodiram uma bomba em um ônibus no centro de Tel-Aviv, deixando 28 feridos. Trata-se do primeiro ataque do tipo em 6 anos. Minutos após o anúncio da trégua, foguetes explodiram em Israel. Os dois lados vão discutir formas de abrandar o bloqueio a Gaza. (Págs. 1 e Internacional A16 a A19)
Dilma quer acordo para MP do setor elétrico
A presidente Dilma Rousseff costura acordo com lideranças do Congresso para garantir a aprovação da MP que fixa regras para a renovação das concessões do setor elétrico. Ela deixou claro que tem pressa na aprovação da medida. (Págs. 1 e Economia B4)
Supremo condena ex-diretor do BB a 12 anos
O STF condenou, ontem, o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato a 12 anos e sete meses de prisão por desvio de recursos públicos no esquema do mensalão. Às vésperas de assumir a presidência do tribunal, o ministro Joaquim Barbosa comandou, com tranquilidade, a sessão do julgamento. (Págs. 1 e Nacional A10)
Júri do goleiro Bruno é adiado para março (Págs. 1 e Cidades C6)

Dólar vai a R$ 2,09, maior valor em três anos e meio (Págs. 1 e Economia B3)

Câmara amplia direitos de empregado doméstico (Págs. 1 e Economia B10)

Após greve, governo argentino ataca rivais (Págs. 1 e Internacional A20)

Texto de relator de CPI desagrada até a aliados
O deputado Odair Cunha (PT-MG) concluiu relatório sobre a CPI do Cachoeira com 46 pedidos de indiciamento. Estão na lista o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o dono da construtora Delta, Fernando Cavendish, o deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) e o prefeito de Palmas, Raul Filho (PT), além de cinco jornalistas. Também foi pedida investigação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Mesmo os partidos aliados consideraram “vingança” do PT a inclusão de Gurgel no relatório. (Págs. 1 e Nacional A4 e A6)

Marconi Perillo
Governador de Goiás

“O relator tem um único objetivo: me prejudicar politicamente, porque lá atrás eu fiz denúncia relativa ao mensalão”

Dora Kramer
A farsa da comissão

Quem não pôde desmontar a “farsa do mensalão” tratou de montar a farsa da comissão no caso da CPI do bicheiro Carlos Cachoeira. (Págs. 1 e Nacional A6)

Demétrio Magnoli
A segurança e a força

Intoxicados pela eficácia aparente das ações militares, os israelenses debilitam as fundações de segurança de seu próprio Estado. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Notas & Informações
Senado sacramenta mamata

Senadores não pagam impostos e jogam a conta do abuso no colo do contribuinte. (Págs. 1 e A3)

------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense
Manchete: Brasil dá hoje mais um passo à frente
Ao ser empossado às 15h na presidência do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa se tornará o primeiro negro a chefiar o Poder Judiciário, um dos três pilares da República. Assim como a eleição de um operário e de uma ex-presa política para presidente do Brasil, a ascensão de Joaquim — filho de uma faxineira e de um pedreiro — era, até pouco tempo atrás, um fato impensável na história brasileira. Última nação independente da América a abolir a escravidão, o país ainda é, 124 anos depois, marcado por contradições, preconceitos e desigualdades sociais extremas. Dentro desse contexto, Barbosa chega ao topo da carreira orgulhoso por haver triunfado pelos próprios méritos e celebrado como herói nacional por relatar a ação penal que pôs fim à impunidade de políticos corruptos no país. No total, 2,5 mil pessoas — entre artistas, ativistas e autoridades públicas —foram convidadas para a posse. (Págs. 1, 2, 3, 4 e 6)
Salário mínimo será de R$ 674,95 em 2013
Congresso eleva em R$ 4 o valor previsto pelo governo no Orçamento.Projeto que dá mais direitos às domésticas avança na Câmara. (Págs. 1, 13 e 16)
Gaza: Um frágil cessar-fogo
Israelenses e palestinos acertaram a trégua ontem, mediados pelo Egito e pelos EUA. A paz quase foi inviabilizada por um ataque terrorista que deixou 28 feridos num ônibus em Tel Aviv. Dez minutos antes do acordo, Israel ainda bombardeava o Hamas. (Págs. 1 e 22)
Fraude: Concurso elimina candidatos suspeitos
Seis concorrentes às vagas de analista tributário da Receita, quatro deles parentes de um servidor do Ministério da Fazenda, são acusados de violar o sigilo das provas. A seleção, no entanto, não será anulada. (Págs. 1 e 14)
Protesto do MST bloqueia estradas
Os sem-terra fecharam ontem o acesso a Brasília pelas BRs 020, 040 e 080 para cobrar agilidade do GDF na reforma agrária. (Págs. 1 e 28)
Confusão faz a FIFA suspender venda de ingresso (Págs. 1 e Super Esportes, 6 e 7)

------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Exportadoras têm R$ 10 bi em créditos fiscais retidos
Doze das quinze maiores exportadoras brasileiras de capital aberto tinham créditos a recuperar de PIS e Cofins que somavam R$ 10 bilhões em setembro. Esse valor é 7,5% maior que o contabilizado em seus balanços no fim do ano passado. Isso significa que, nos nove primeiros meses do ano, esse conjunto de empresas teve mais créditos de PIS e Cofins do que débitos de tributos federais compensáveis. Parte do valor pode dar origem a créditos acumulados.

Esses números espelham um problema comum entre os exportadores, que não conseguem reaver de forma rápida os impostos recolhidos sobre insumos utilizados na produção de itens exportados (isentos de tributação). O crédito de PIS e Cofins é considerado acumulado quando não é usado para pagar tributos federais até três meses após a apuração. Depois desse prazo, a empresa pede o ressarcimento dos valores à Receita Federal. A devolução mais rápida do crédito acumulado de PIS e Cofins é um pleito antigo das empresas e voltou à pauta com a reforma que o governo federal promete fazer nas duas contribuições. (Págs. 1 e A3)

Quinta queda trimestral dos investimentos
Os estímulos concedidos ao investimento pelo governo não foram suficientes para reanimar os empresários. Segundo cálculos de economistas, o consumo aparente de bens de capital voltou a recuar no terceiro trimestre, em relação aos três meses anteriores, com ajustes sazonais. Para eles, é um indício forte de que a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) caiu pelo quinto trimestre consecutivo. Essa reação destoa da ocorrida após a crise de 2008, quando a queda dos investimentos foi mais intensa, mas recuou por apenas dois trimestres. As incertezas sobre a recuperação da atividade que travam os investimentos devem se dissipar ao longo dos próximos meses e a trajetória de queda deve se reverter, ainda que de forma moderada, a partir do último trimestre do ano. (Págs. 1 e A6)
Fotolegenda: Papel de fornecedor
Para a Bombardier, não há dúvida de que o trem-bala São Paulo-Rio é um bom negócio, mas a empresa resiste à ideia de liderar um grupo na disputa pelo empreendimento. "Isso é função das companhias de operação ferroviária, instituições financeiras e fundos de pensão", diz André Guyvarch. (Págs. 1 e B9)
Gerdau pede olhar político nas concessões
O empresário Jorge Gerdau Johannpeter, presidente da Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade da Presidência da República, afirmou ontem que a possibilidade de extensão do prazo para adesão das empresas ao plano de renovação antecipada das concessões no setor elétrico, que expira dia 4 de dezembro, depende de "uma condução política que tem que ser analisada".

Gerdau disse que, "tecnicamente, a alternativa do governo está correta, mas o processo político não se esgota só pela tecnicidade". Segundo ele, a presidente Dilma Rousseff está "absolutamente certa" ao determinar a antecipação, mas é "evidente que, como é uma medida muito forte, existem conflitos de interesse".

As ações da Eletrobras voltaram a cair fortemente ontem. Os papéis preferenciais recuaram 20,08%, com baixa de 51,5% no mês. (Págs. 1, B10 e C2)

Dias difíceis para o setor aeroespacial
O mercado aeronáutico sentiu o baque da crise econômica nos Estados Unidos e Europa e os fornecedores da Embraer no Brasil foram atingidos em cheio. Eles tiveram queda de encomendas da ordem de 20% a 30% e a disputa por novos contratos está cada vez mais acirrada pela entrada de novos competidores.

A dependência das encomendas da Embraer, que vem reduzindo o volume de compra de peças no Brasil, e a falta de capacidade financeira para investir em novos projetos e tecnologias são apontadas como as principais causas para a situação crítica que ameaça a cadeia aeronáutica brasileira, formada por cerca de 120 empresas. (Págs. 1 e B6)

Grupos de ensino do país estão entre os maiores do mundo
A brasileira Kroton e a chinesa New Oriental disputam palmo a palmo a liderança entre as maiores empresas de educação listadas em bolsa no mundo, segundo ranking elaborado pelo Valor Data com dados da Economática.

Na quarta-feira, o valor de mercado da New Oriental era de US$ 3,025 bilhões e o da Kroton, US$ 2,904 bilhões. Mas essa posição vem se alterando a cada fechamento de pregão. Há cerca de dez dias, a liderança era da brasileira. (Págs. 1 e B1)

Sobrevivência do Protocolo de Kyoto em jogo
Delegados de mais de 190 países se reúnem em Doha, no Qatar, a partir de segunda-feira, para resolver um problema inadiável: definir o destino do polêmico Protocolo de Kyoto. A primeira fase do acordo internacional sobre corte nas emissões de gases-estufa termina neste ano. Se não for renovada, será a última. E há dificuldades para isso. EUA, Canadá e Japão estão fora do segundo período de compromissos e os europeus podem não querer arcar sozinhos com o peso da urgente agenda ambiental. (Págs. 1 e A17)
Mineradoras buscam máquinas de segunda mão que estão paradas nos EUA (Págs. 1 e B18)

Startups brasileiras já atraem profissionais estrangeiros, como Cohler (Págs. 1 e D4)

Incertezas freiam projetos
Câmara aprova em primeiro turno proposta de emenda à Constituição que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos, entre eles FGTS e seguro-desemprego. (Págs. 1 e A12)
Dissensão congela Consecitrus
Divergências históricas entre produtores de laranja e indústrias de suco e recentes desentendimentos entre as entidades que representam os próprios citricultores levam o Cade a paralisar o processo de criação do Consecitrus. (Págs. 1 e B17)
Fundos cambiais voltam ao radar
Recente valorização do dólar já reverte a tendência de resgate líquido nos fundos cambiais, que também apresentaram os maiores ganhos no mês, até o dia 16, com rentabilidade média de 2,16%. (Págs. 1 e D2)
Primeiro o lazer, depois o dever
Pesquisa mostra que parcela dos consumidores brasileiros que pretende destinar ao lazer os recursos que sobrarem após as despesas essenciais subiu de 35% para 41% do segundo para o terceiro trimestre. Quitação de dívidas é a opção de 38%. (Págs. 1 e D3)
TST reforça sigilo bancário
Justiça condena banco a indenizar funcionária que teve sigilo bancário quebrado pela própria instituição financeira durante auditoria interna que apurava desvio de recursos. A indenização é cabível mesmo que os dados não sejam divulgados. (Págs. 1 e E1)
Conciliação prejudicada
A paralisação de juízes federais e trabalhistas, nos dias 7 e 8 deste mês, teve impacto sobre os resultados da VII Semana Nacional de Conciliação. Na Justiça do Trabalho, por exemplo, o número de audiências caiu mais de 50% em relação ao mutirão de 2011. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Ribamar Oliveira

Redução do superávit primário do setor público, incluídos Estados e municípios, deve superar R$ 40 bilhões. (Págs. 1 e A2)

Mansueto Almeida

Dados das contas públicas levantam dúvidas sobre a capacidade de o governo elevar investimentos e reduzir tributos. (Págs. 1 e A19)

------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas
Manchete: Macarrão acusa Bruno de mandar matar Eliza
Em reviravolta no julgamento, companheiro confessa que goleiro ordenou o crime

Isolado e passando a ser o único a responder no tribunal pela morte de Eliza Samudio, depois que o julgamento de Bruno foi adiado, Macarrão acabou entregando o amigo de infância em depoimento que entrou pela madrugada de hoje. Pouco depois das 2h, Macarrão chorou e afirmou que o goleiro o mandou levar Eliza até uma pessoa, na Pampulha. Disse ter pressentido naquele momento que conduziria a mulher para a morte. Ao alertar sobre o perigo da situação, relatou ter ouvido de Bruno: “Larga de ser bundão, é comigo.” Na volta ao sítio, o companheiro teria reiterado: “Tá tranquilo”. (Págs. 1, 21 a 23 e em Tablets)

"Eu estava pressentindo que iria levar Eliza para ser executada”
Luiz Henrique Romão (Macarrão)

Chegou o dia de Joaquim
Primeiro negro a comandar um dos três poderes no Brasil, o ministro Joaquim Barbosa fez ontem sua estreia como presidente do Supremo Tribunal Federal. Ascensão semelhante no Legislativo e no Executivo ainda é rara. (Págs. 1, 3 e 4)

Fotolegenda: Com dores no quadril, ministro trocou cadeira da presidência por modelo ortopédico.

Domésticas: Câmara aprova projeto que amplia direitos trabalhistas (Págs. 1 e 14)

Gestão: Minas lança programa de auxílio técnico a cidades
Em entrevista ao EM, governador Antonio Anastasia diz que ação ajudará municípios a ter autonomia para criar projetos de captação de recursos. (Págs. 1 e 8)
Difícil comprar ingresso da Fifa
Pré-venda de ingressos para a Copa das Confederações começou atrasada, tumultuada e sem confirmação da compra no site da Fifa. (Págs. 1 e 4)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio
Manchete: Doméstica fica mais cara
Câmara aprova, em primeira instância, PEC que amplia direitos trabalhistas das empregadas, como jornada máxima de 44 horas semanais, hora extra, adicional noturno e seguro desemprego. Custo para manter a profissional pode subir até 45%.(Págs. 1 e Economia 1)
Política: Barbosa chega ao posto mais alto da Justiça
Alçado a símbolo da moralidade durante o julgamento do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa assume hoje a presidência do Supremo Tribunal Federal, na condição de primeiro negro a ocupar o cargo. Veja, ainda, relato da repórter Fabiana Moraes sobre entrevista feita com o magistrado. (Págs. 1, 7 e 8)
Risco rende aposentadoria especial (Págs. 1 e Economia 3)

Futuro de Bruno nas mãos de Macarrão (Págs. 1 e 14)

------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
Manchete: Exclusivo - Deputado Rubens Paiva ficou preso no DOI-Codi
Documentos encontrados na casa de coronel assassinado em Porto Alegre desfazem um dos grandes mistérios do regime militar e comprovam o ingresso de político em órgão da repressão no Rio antes de desaparecer, há 41 anos. (Págs. 1, 4 e 5)

O desabafo do filho: “Sempre é a imprensa que conta a história”

Chance à paz: O Oriente Médio que sai de oito dias de guerra
Com mediação do Egito, Israel e grupos palestinos acertam cessar-fogo que promete reduzir tensão em Gaza. (Págs. 1, 32 e 33)
------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico

Manchete: BNDES da América do Sul nasce em março com capital de US$ 7 bi
Com sede em Caracas, o Banco do Sul terá participação dos países do Mercosul e também da Bolívia e do Equador. O objetivo é financiar projetos de integração da cadeia produtiva regional. A adesão do Brasil aguarda aprovação do Congresso. (Págs. 1 e 6)
Canaviais brasileiros entre as prioridades da AGCO
Fabricante americana das marcas Massey Ferguson e Valtra planeja conquistar um terço do mercado de colheitadeiras de cana-de-açúcar no país nos próximos anos, revela Martin Richenhagen, CEO global da companhia, que faz sua visita anual ao Brasil. (Págs. 1 e 15)
AmBev se torna amais valiosa da Bovespa. (Págs. 1 e 32)

Próxima parada para a Multiplan é o NE. (Págs. 1 e 16)

China vai importar US$ 8 tri até 2015
Se mantiverem a proporção, exportações brasileiras para o país asiático subirão a US$ 240 bi. Para o embaixador Li Jinzhing, “cooperação com o Brasil é prioritária”. (Págs. 1 e 7)
Em crise, Argentina se afastou do Brasil
Em encontro na próxima semana, Dilma Rousseff tentará convencer Cristina Kirchner a abandonar o isolamento e retomar o diálogo sobre o comércio bilateral. (Págs. 1 e 4)
A força do verde
Estimuladas por grandes clientes, pequenas empresas aderem à sustentabilidade. (Pàgs. 1 e Suplemento especial)
------------------------------------------------------------------------------------
EBC Serviços

Comentários