Em Cabo Frio, alunos pedem mais segurança após morte de professora


Após assassinato, preocupação dos universitários ficou ainda maior.
Alunos reclamam da falta de segurança nas ruas próximas à instituição.
 Estudantes da Universidade Veiga de Almeida no Parque Burle, em Cabo Frio, RJ, querem mais segurança. Depois do assassinato da professora da instituição, Josy Ramos de Oliveira Armador, de 32 anos, os alunos decidiram denunciar a violência nas áreas próximas ao campus.
Uma aluna da universidade, que prefere não se identificar, informou que há pouco mais de duas semanas foi atacada por um homem quando voltava para casa depois da aula. A preocupação dos universitários ficou ainda maior depois da última segunda-feira (5), quando a professora Josy saiu do local, por volta das 21h, e foi encontrada morta. Ela estava dentro do próprio carro e com sinais de estrangulamento.


Ainda abalados com o crime, os alunos reclamam da falta de segurança no estacionamento e nas ruas próximas à universidade. O comandante da Polícia Militar na Região dos Lagos, Gilmar Barros, respondeu às críticas e negou deficiência no patrulhamento próximo à instituição de superior de ensino.
A Universidade Veiga de Almeida informou, por meio de nota, que está negociando a ocupação do estacionamento. E, como o terreno pertence a outro proprietário não tem condições de fazer qualquer intervenção ou garantir a segurança dos estudantes. A instituição afirmou ainda que pediu várias vezes por policiamento regular ao local

Comentários