“Negro nasce negro, não pode mudar. Homossexual pode mudar”


Por Vermelho
Criei, anos atrás, o humorado Troféu Frango para premiar bizarrices em geral – quem é leitor deste blog já está acostumado com ele. Hoje, o Frango vai para o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP).
Por Leonardo Sakamoto*
A Agência Câmara registrou uma declaração do nobre congressista em audiência pública  da Comissão de  Seguridade Social e Família a fim de debater a resolução do Conselho Federal de Psicologia que, desde 1999, proíbe profissionais de oferecerem tratamentos para “curar” homossexuais. Na Câmara dos Deputados, tramita projeto de João Campos (PSDB-GO) que susta a vigência dessa resolução.


“Índio nasce índio, não tem como mudar. Negro nasce negro, não tem como mudar. Mas quem nasce homossexual pode mudar. Até a palavra “homossexual” deveria ser abolida do dicionário, já que se nasce homem ou mulher”, disse o parlamentar.
Intolerante não nasce intolerante, tem como mudar. Preconceituoso não nasce preconceituoso, tem como mudar. Homofóbico não nasce homofóbico, é criado para ser assim. Um dia, tenho fé de que as palavras “intolerante” e “preconceito” sejam abolidas do dicionário por não fazerem mais sentido. Já que – não importa a orientação sexual – nascemos iguais perante a lei.
*Jornalista e doutor em Ciência Política. Professor de Jornalismo na PUC-SP e ex-professor na USP. É coordenador da ONG Repórter Brasil
Fonte: Adital

Comentários