Detetive garante que cantora foi assassinada


Investigador diz que há provas que apontam que Whitney Houston foi vítima de narcotraficantes

Whitney Houston morreu em 11 de fevereiro de 2012 / Helga Esteb/Shutterstock.comWhitney Houston morreu em 11 de fevereiro de 2012Helga Esteb/Shutterstock.com
Reviravolta no caso da morte de Whitney Houston. Um detetive particular garante que há indícios de que a cantora foi assassinada e que o motivo foi um acerto de contas com traficantes por uma dívida milionária.

De acordo com informações divulgadas pelo site "PerezHilton", o investigador Paul Huebl assegura que existe um grande número de provas que "apontam que Whitney foi vítima de poderosos narcotraficantes que enviaram matadores para cobrar uma grande dívida por entorpecentes".

"O corpo de Whitney mostra as clássicas contusões por defesa que poderiam ter ocorrido enquanto lutava por salvar sua vida", indicou Huebl, apesar dos relatórios oficiais após a morte da artista terem revelado que não houve resistência e que a causa da morte foi um afogamento acidental no qual influíram um problema cardíaco e o consumo de cocaína.


As conclusões do investigador se baseiam na informação fornecida por informantes do tráfico, uma análise do relatório legista e vídeos do hotel de Beverly Hills no qual a cantora morreu.

Aparentemente, dois homens aparecem em imagens de vigilância no dia da morte de Houston, um deles inclusive poderia ter entrado no quarto da artista nos 45 minutos nos quais seus acompanhantes a perderam de vista.

O detetive particular considera que Whitney estava sendo pressionada há algum tempo para que pagasse uma dívida de US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 3 milhões).

Whitney Houston morreu em fevereiro deste ano, aos 48 anos de idade. A cantora foi encontrada em uma banheira de um quarto do hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, onde estava hospedada.


Comentários