Em Cabo Frio, profª Denize Quintal declara: "O tempo da greve não foi determinado por nós. Estamos em greve, hoje, porque a Câmara não se posicionava antes".


Numa entrevista inteligente e crítica ao blog do Pr. Neemias Lima, a professora Denize Alvarenga Quintal (foto) esclarece o que está por trás da polêmica de votação do Plano de Cargos e Salários e Orçamento 2013 e responsabiliza os poderes executivo e legislativo municipal pelo imbróglio criado, consumando com a greve dos servidores.
A professora Denize é atuante nos movimentos sociais e apresenta uma folha de serviços prestados à educação digna de nota, e nota 10, tem um blog na área de educação chamado "blog pó de giz", onde discute os temas relacionados à classe.
1 - Exatamente, o que está acontecendo com as questões "Orçamento e Planos de Cargos e Salários"?

O Plano de Cargos dos servidores, motivo de luta por anos, foi aprovado no meio do ano de 2012, com inúmeros problemas, mas fruto da conquista de todos os servidores. O atual prefeito poderia ter evitado todos os impasses que hoje vivemos, se tivesse ele mesmo pago, ainda em seu mandato. Dinheiro nunca foi problema, uma vez que temos um município com orçamento beirando a casa dos
bilhões; casa esta que será atingida em 2013. A LDO foi aprovada em agosto, sem questionamentos; e, dentro dos trâmites normais, a LOA deveria ter sido aprovada sem maiores dificuldades. O atual governo fez uma previsão orçamentária de 812 milhões e enviou a mensagem para a Câmara. Este projeto de lei chegou antes das eleições, mas os vereadores não compareceram às sessões; arrastando, "coincidentemente" ,para depois do pleito. Como Cabo Frio se viu em meio a uma judicialização do resultado das urnas, mais uma vez a votação foi protelada. Finalmente, após decisão do TSE, nossos vereadores "resolveram" se posicionar. Infelizmente, o interesse do legislativo não é dar vez e voz à população, mas atender ao chefe. O futuro governo, através de seu grupo político, apresentou emendas à LOA, as quais preveem diminuição do orçamento, para 712 milhões e remanejamento de verbas da saúde e da educação, para o esporte e para uma futura Companhia, em Tamoio, a “CONDESTAM” (acho que este é o nome). Com esta emenda, o valor com folha de pagamento pode ultrapassar o teto permitido pela lei de responsabilidade fiscal, e, então, teremos uma justificativa para a não- implementação do Plano, em janeiro.

2 - Por que a greve dos servidores? 
Porque é nosso instrumento de luta. Como o próximo governo não se reúne com as lideranças para explicar as movimentações no legislativo, cria emendas as quais desaprovamos, e o atual governo não fez o que deveria, durante seu mandato, além de o legislativo não ter se sensibilizado com nosso apelo, vimos como única saída deflagrar a greve geral de todos os servidores.

3 - Há quem argumente que a greve agora é oportunista. 
Caso fosse antes das eleições, também seria vista assim. O tempo da greve não foi determinado por nós. Estamos em greve, hoje, porque a Câmara não se posicionava antes. Se a votação tivesse sido feita, anteriormente às eleições, a greve sairia naquele período. Quanto a ser oportunista, todo movimento é político; mas nossa greve não é de partidos. Obviamente, as pessoas que estão na luta têm posicionamentos políticos; e, como vivemos em uma cidade relativamente pequena, identificamos grupos de A ou de B presentes no movimento, o que considero normal. Estamos na luta pelos servidores e pela cidade de Cabo Frio. Com o servidor bem remunerado, teremos dinheiro circulando
na cidade e serviços com mais qualidade. Todos sabemos que funcionário bem remunerado trabalha mais feliz. Isto não quer dizer que nosso trabalho é ruim, porque ganhamos mal; mas porque estamos, certamente, mais desgastados e desestimulados.

4 - Quais são os próximos passos? 
Na segunda, dia 09/12, às 15h, realizaremos um ato público em frente à câmara; pois, apesar de sabermos que os vereadores estão a serviço do novo governo, no momento, é com o legislativo nosso impasse. O executivo fez seu papel ao enviar e aprovar o Plano de Cargos,e, posteriormente, reservar o valor necessário à aplicação do plano, no ano de 2013. Quem está, efetivamente, atrapalhando nossas conquistas são os vereadores que votaram a favor das emendas. Então, é lá nossa concentração. É com eles nossa indignação. Na segunda-feira, deliberaremos nossos próximos passos.

5 - Considerações finais:
Esperamos que nosso movimento termine o mais rápido possível , pois sabemos dos incômodos que uma greve causa à comunidade. A cidade está prestes a receber os turistas, e nossos cidadãos merecem ter os serviços restabelecidos. Meus alunos e alunas precisam ter seu ano letivo finalizado, e necessito desfrutar de minhas férias, tão merecidas e desejadas. É necessário formar uma consciência cidadã em nossas crianças... para que, num futuro próximo, saibam eleger seus representantes, a fim de que não sofram como nós. Levamos anos para avançar dois passos em relação aos nossos direitos e os perdemos em menos de 10 minutos, com votos de pessoas que “jogam no lixo” toda a confiança que eleitores lhes deram, para defender os interesses da coletividade. Nosso destino está em jogo e, não podemos perder nenhum direito conquistado.
http://prneemiaslima.blogspot.com.br/

Comentários