Frase do dia

“O amor é tudo”
(Jesus Cristo)







sábado, 21 de abril de 2012

O VELHO JORNALISTA, DE FATIGADAS JORNADAS... A Cidade e a Névoa - Um Romance de Carlos Sepúlveda - 7º capítulo


 o velho jornalista, de fatigadas jornadas, decidira morar na cidade, à beira-mar, fazia pouco tempo. Esperava ali terminar seus dias, e, para desenfastiar-se, escrevia suas matérias sem grandes cuidados, nem brilho, vendendo-as a algum jornal da capital, mais por hábito do que por ofício propriamente dito. Escrevia lentamente, com a cara enfiada no papel, esforçando-se por enxergar as palavras em meio à névoa e a cegueira que lhe mortificava, agora agravada pelo nevoeiro em torno de si e não apenas o dos olhos cansados. Já não fazia uso da velha máquina de escrever, antes preferia o lápis, melhor dizendo, vários lápis com que rabiscava, freneticamente, as frases e compunha o texto. Gostava de imaginar-se Fernando Pessoa, com seus muitos cadernos, mas não possuía baú, que isto era para os grandes e ele era apenas um velho jornalista esperando o tempo se cumprir e ele emigrar para a terra ignota.
            Ao despertar, naquela manhã enevoada e fatídica, Borges, (veja só, era esse seu nome!) pressentiu (vícios da profissão) que ali estava uma ótima matéria para uma reportagem, imaginando o que mais tarde confirmou-se: só acontecia em nossa cidade. Nem foi preciso coletar detalhes, bastava-lhe a expressão alarmada dos vizinhos, entreouvidos no apartamento em frente, para que adivinhasse a importância dos acontecimentos. Podia vislumbrar as sombras na paisagem e os rostos tensos, nas janelas. Por isso, imediatamente, sentou-se e começou a escrever uma estória, ou uma história, dependendo de onde as circunstâncias conduzissem e os fatos vigessem. Escrevia por hábito para não perder contato com seu passado profissional. Ou escrevia pelo estilo, que é onde estas coisas se decidem. Afinal podia ser uma história/estória que teria como fundo o nevoeiro exclusivo, a bruma na paisagem, como nos seus olhos sem luz, uma cegueira ecumênica, por todos partilhada, nem por isso menos bizarra.
            Sem hesitação, escreveu a página de abertura, começando pelo método. Para isto, anotou cuidadosamente, no início de seu relato, as condições necessárias para que se tomasse nota do “verídico relato dos acontecimentos extraordinários”, conforme reza a boa técnica jornalística. Acompanhe, leitor, as palavras iniciais do autor, cujo texto foi enviado a uma editora, mas isso só depois de transposto para as facilidades da internet, não por ele, mas por uma secretária contratada que o visitava três dias por semana, trazendo um notebook onde digitava os garranchos do cego.

            Há de contar o autor uma só história, há de defini-la para a tranqüilidade do leitor e do editor, para que se distinga o falso do verdadeiro, o verdadeiro do verossímil; há de construí-la pela razão e confirmá-la com os exemplos; há de sustentá-la com as causas, com os efeitos, com as circunstâncias que se hão de seguir; com os inconvenientes que se devem evitar; há de responder às incredulidades do leitor que se devem também evitar; há de responder às dúvidas, há de satisfazer a curiosidade insaciável de quem quer saber da vida alheia, mas há de se impugnar e refutar, com toda força, as imagens gratuitas, o lugar comum. Há de satisfazer às dificuldades, impugnar e refutar com toda força os argumentos dos descrentes e depois disso, há de colher, há de concluir, de convencer, há de acabar. Isto é a reportagem, isto é escrever um relato e o que não é isto, é ruído ou excessivo uso da fala. A história pode ter muita variedade de conflitos, mas há de nascer da mesma situação, continuar e acabar com ela.

            Está o leitor confuso? Ora veja: um nevoeiro tem razões, tem causas, tem forma, tem conseqüências, mas não sabemos. Assim há de ser a matéria desta narrativa. Há de ter razões fortes e sólidas, porque há de ser fundada no castigo; há de ter causas enraizadas na culpa. Desta culpa, hão de nascer diversos sofrimentos, não importa quem seja o sofrente, posto que o culpado é sempre ele mesmo, e é preciso haver redenção e premiações ao final, para que o leitor se sinta recompensado do tempo perdido e ele, Borges, tenha cumprido seu destino. Assim foram escritas todas as histórias do mundo, além de inesgotáveis enredos, pelos sublimes cegos: Milton, Homero e ele, Borges, o mais de todos modesto. Valia, no entanto, escrever, sempre, que é como respirar; escrever mesmo para que ninguém lesse. Só este imenso prazer de perceber as palavras engatadas umas nas outras, com suas sonoridades, com seus sentidos entortados e, algumas vezes, combinadas de um modo tal que não parecia sair de uma cabeça fatigada. Era como se existissem por si mesmas, com vida própria, além do bem e do mal..

            E assim, escreveu o furtivo narrador os fatos que o leitor lerá, como se eles devessem ter alguma explicação. O que ele não sabia é que, no mesmo instante, quase todos os relógios pararam na mesma hora, enquanto a cidade inquieta surpreendia o sol  a bruxulear como uma auréola pálida em meio à cerração. Também é bom que se esclareça: as razões da neblina que, por enquanto, estavam fora do alcance individual dos habitantes, restavam em algum fenômeno natural que nos ocorre, independentemente de sermos nós bons ou maus sujeitos ou que tenhamos ou não temor de Deus. Porque, numa situação como essa, nem o Padre Vieira, que com certeza parece emprestar seu estilo ao pobre jornalista, pode alguma coisa declarar. Isto posto, a cidade se esforçava em prosseguir com sua rotina, pois não é este animal humano fruto da queda e da desobediência, ou vice-versa, que não sabe conformar-se com os limites que se lhe impõem Deus e a Natureza, nisto consistindo sua rebeldia, no que muito se parece com Lúcifer, o anjo desobediente? Com quem afinal aprendeu o homem a não contentar-se com o que lhe é dado e romper as constrições da natureza, como aquele semideus cujo fígado repetia-se infinitamente, para satisfazer a teimosia  e o apetite dos abutres?
            O faro apurado de cego não perdeu a trilha por onde iria esta história, uma história que confinava, em um espaço restrito, alguns homens e mulheres, vivendo os extremos de uma fantástica situação, medindo-se até o ponto de poder esticar a tênue corda da incredulidade. O que se pôde descrever das brumas em um Castelo na Dinamarca, com as desventuras de um jovem príncipe chamado Hamlet; aqui se poderá também repetir. Talvez aqui, como lá, exista alguma coisa podre, embora aqui não seja um reino; na verdade, talvez aqui, como lá, devêssemos escrever que o resto é literatura, ou silêncio, no que dá no mesmo. Pois o véu que recobre os nossos olhos não permite que se veja o fundo das coisas, tal como deviam ser. Aliás, esta bruma que agora recobre a cidade também existe, de uma outra maneira, no resto do mundo, na medida em que oculta aos olhos o que pode ser chamado de realidade, ou verdade, ou simplesmente as coisas postas a nosso olhar, ainda que, ironicamente, aqui se trate de um cego.
            Enfim, não se pode saber ao certo o que está havendo neste lugar, mas havia suspeita de alguns deslizes. Como um dia alguém escreveu que por toda parte, nesta cidade, há corrupção; desgraçadamente, nesta terra coberta de nuvens, vai se fazendo da corrupção uma indústria. Mas que importa isto neste momento? O que pretende este ocasional narrador/repórter ou repórter/narrador, Borges, é contar uma história em que um nevoeiro inexplicável invade a vida das pessoas, mexe com suas rotinas, altera pequenos projetos de vida e ninguém sabe por que acontece, de onde vem, para onde vai, nem se é castigo divino ou obra inconclusa de alguns homens.
            Já há suficiente mistério e fantasia entre o céu e a terra. Estes fatos quase valem por si mesmos, principalmente se não se repetiam em outros lugares. No momento, com a luminária ligada e algumas centenas de linhas desenhadas na folha iluminada, o jornalista espera, como se em tocaia estivesse, pelo próximo passo a ser dado. Com o lápis suspenso, espera a frase que vem.
            Não obstante, nem um pouco de céu se pode ver por entre o espesso ruço, nem era vã a filosofia com que se tratam os Mistérios. Borges mergulhava na dupla cegueira, a sua paisagem para dentro e a paisagem em névoa, para fora.
            Enfim, conheceu o que não conheceram os gregos: a incerteza e isto era doloroso, mesmo para um cego que nela vivia desde que a noite em seus olhos pousou, há pouco tempo, talvez contado em meses.
            Um velho debruçado sobre uma folha de papel, a manhã enevoada, um silêncio côncavo, o verde opaco do mar, o dia que começava...tudo isso parece uma pintura medieval na qual se retrata o exercício da memória e da literatura.
Um romance de Carlos Sepúlveda. 
Leia um capítulo a cada semana em: 

Filho do cantor Leonardo é transferido de hospital em estado grave após acidente


Leonardo

Filho do cantor Leonardo é transportado para hospital em Goiânia
Pedro Leonardo Dantas da Costa, 24, filho do cantor sertanejoLeonardo, segue internado em estado grave em um hospital de Goiânia, segundo boletim médico divulgado na tarde desta sexta-feira. Pedro sofreu um acidente de carro na manhã de sexta (20), na MGC-452. Ele ficará internado no Hospital Ortopédico de Goiânia (IOG). Filho do cantor sertanejo Leonardo, o jovem chegou ao  IOG por volta das 16h35 de sexta-feira. Os médicos optaram por induzí-lo ao coma logo após o acidente, segundo o boletim divulgado pelo Hospital de Itumbiara, onde passou por cirurgias craniana e toráxica.

Em Cabo Frio, explosão de bomba danifica agência bancária

Caixas eletrônicos não foram atingidos; polícia acredita em vandalismo

Uma bomba danificou uma agência do banco Itaú, em Cabo Frio, na região dos Lagos, na madrugada deste sábado (21). Ninguém ficou ferido, segundo a PM.
A agência fica na rodovia Amaral Peixoto, no distrito de Unamar. A porta de vidro ficou estilhaçada e a porta giratória também foi danificada. Peritos estiveram no local durante a manhã.

FENAJ convoca mobilização pelo piso dos jornalistas e votação da PEC 33


Em defesa do diploma
 
A Executiva da FENAJ prossegue seus esforços para viabilizar a votação no Senado, em segundo turno, da PEC 33/09, que restabelece o diploma para exercício da profissão. Nesta semana houve reuniões com lideranças partidárias e membros da Mesa Diretora da Casa. A direção da Federação convocou os Sindicatos de jornalistas para novo esforço concentrado no dia 25 de abril, quando também haverá reunião com parlamentares visando o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Piso Nacional dos Jornalistas.
Solicitações para que a PEC dos Jornalistas seja votada em segundo turno no Senado foram feitas por diversos parlamentares na semana comemorativa ao Dia do Jornalista. E a expectativa de que a matéria fosse colocada na pauta cresceu com a reunião das lideranças, na tarde da última terça-feira (17). Mas o adoecimento do presidente do Senado, José Sarney, e os debates em torno da CPI envolvendo agentes públicos e o bicheiro Carlinhos Cachoeira prejudicaram tal perspectiva.

Bom dia! Vamos com as principais notícias dos jornais deste sábado, 21 de abril.


O Estado de S.Paulo
Juro, câmbio e impostos são 'amarras' do País, diz Dilma
O Globo
Acuada por CPI, Delta sai da reforma do Maracanã
Correio Braziliense
A capital das 18.993 noites
Estado de Minas
Fim do aluguel agrava falta de garagem em BH
Zero Hora
Redução do juro acelera debate sobre regras da poupança
*
Jornais internacionais
The New York Times (EUA)
Obama vê queda acentuada de verba dos principais doadores
The Washington Post (EUA)
Dúvidas obscurecem aliado de Bo Xilai
The Times (Reino Unido)
Cameron "encorajou secretamente" revolta no Partido Conservador
The Guardian (Reino Unido)
Fortuna da família de parlamentar foi criada em paraíso fiscal
Le Figaro (França)
Eleição presidencial - a capital na primeira rodada
Le Monde (França)
Podemos acreditar nas últimas sondagens?
El País (Espanha)
O governo expulsa os sindicatos do RTVE com a reforma
Clarín (Argentina)
Forte réplica de Cristina pela sanção da Espanha

O Globo
Manchete: Acuada por CPI, Delta sai da reforma do Maracanã

No Ceará, empreiteira é acusada de pagar mensalão a diretores do Dnit
Alvo da CPI do Congresso e investida pela Polícia Federal sob suspeita de financiar parte do esquema criminoso do bicheiro Carlinhos Cachoeira, a Delta Construções vai sair do Consórcio Maracanã 2014, que reforma o estádio para a Copa do Mundo. A decisão foi da Andrade Gutierrez e da Odebrecht, integrantes do Consórcio. Elas devem comprar os 30% da Delta, que deixou de fazer repasses para a obra na última semana. O governo do Rio ainda não foi informado oficialmente da decisão. O Ministério Público Federal no Ceará acusa a Delta de pagar um mensalão a servidores e diretores do Dnit no estado. No Congresso, a CPI do Cachoeira teve a assinatura de 72 dos 81 senadores e 396 dos 513 deputados. (Págs. 1 e 3 a 9)

STF: entidades criticam "excessos" de ministros

Juízes e advogados dizem que instituição deve ser preservada; Ayres Britto nega manipulação de resultados de julgamentos
A troca de acusações em público entre os ministros Joaquim Barbosa e Cezar Peluso, do STF, foi criticada por entidades da área jurídica, que alertaram para a importância de preservar a instituição. Presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Nelson Calandra atribuiu as declarações a um "momento de tensão". O da OAB, Ophir Cavalcante, lamentou a discussão. O presidente do STF Ayres Britto, defendeu a Corte e disse ser impossível manipular resultados de julgamentos. (Págs. 1, 10 e Merval Pereira)
Fotolegenda: Hora da Limpeza: A nova presidente do TSE, Cármen Lúcia, garante que a Justiça Eleitoral fará valer a Lei da Ficha Limpa este ano. (Págs. 1 e 15)

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Em Campos, rodoviários completam quatro dias de greve sem previsão de volta

Empresários ofereceram 16% de reajuste, mas trabalhadores querem 23%
Carlos Grevi / Agência Ururau
Greve Ônibus
População de Campos usa as vans enquanto rodoviários estão em greve

Os rodoviários de Campos dos Goytacazes, no norte do Estado do Rio de Janeiro, continuam em greve nesta sexta-feira (20). Eles não aceitaram a proposta de 16% de reajuste. Eles querem 23%.
O presidente do sindicato dos Rodoviários, Roberto Virgílio, explicou que uma pequena parte da categoria, principalmente os trabalhadores da empresa Tamandaré, aceitou a oferta dos empresários, mas a maior parte dos rodoviários rejeitou. Eles votaram em várias assembleias nas garagens e pontos de ônibus da cidade na tarde desta sexta-feira.

Em Arraial do Cabo, Sup In Paradise


Será neste sábado, 21, com largada na Praia dos Anjos 
A beleza das praias cabistas será a principal atração do primeiro passeio de Stand Up Paddle “SUP IN PARADISE”, que será realizado neste sábado, 21. O evento é uma realização da Associação de Surf de Arraial do Cabo (ASAC) e tem como objetivo conscientizar todos os envolvidos para a preservação do litoral da cidade, um dos lugares mais lindos do mundo. A largada está prevista para as 9h, na Praia dos Anjos.
               De acordo com Jorge Porto, mais conhecido por Dody Surf, presidente da Asac, mais de 70 pessoas estarão participando desse evento, que terá o apoio da Prefeitura Municipal de Arraial do Cabo através das Secretarias de Assistência Social, Turismo e Ordem Público, Guarda Marítima e Defesa Civil.

Equipes de atletismo e natação de Cabo Frio participam dos JAI neste sábado


Neste sábado, dia 21 de abril, as equipes de atletismo e natação de Cabo Frio competirão nos Jogos Abertos do Interior (JAI), com apoio da Prefeitura Municipal, por meio de sua Secretaria de Esporte e Lazer.
A equipe de atletismo de Cabo Frio competirá no Estádio de Atletismo Célio de Barros e a equipe de Natação disputará no Parque Aquático Júlio Delamare, ambos no Rio de Janeiro.

Atletas buzianos participam do Campeonato de Surf VQS em São Paulo


Os atletas de Búzios Tomas Alvarez, Andrez Almeida, Theo Fresia e Yuri Fresia, participam nesse fim de semana (dias 21 e 22) do VQS - Vulcon Campeonato de Surf, na praia de Caburí, localizada na Ilha de São Sebastião, em São Paulo.

1º de Maio Unificado definirá bandeiras de luta da classe trabalhadora



“Desenvolvimento com menos juros, mais salários e empregos”. Essas são as palavras de ordem oficiais do 1º de Maio Unificado de 2012. Mas a pauta com as prioridades de luta das centrais sindicais não se encerra nesse slogan e na festa que marca o Dia do Trabalhador. Durante a comemoração, será definido um calendário de lutas e a pauta de interesse dos trabalhadores e trabalhadoras.

Para o presidente da CTB, Wagner Gomes, é importante que esse mesmo procedimento ocorra em todos os estados em que as centrais sindicais se reunirem para comemorar o 1º de Maio. “Faremos isso em nosso ato na cidade de São Paulo, mas temos que reproduzir essa luta em cada estado da federação”, propôs.

A ideia é estabelecer em todo o país um dia de lutas, com o sentido de dialogar com toda a sociedade a necessidade de obter mais conquistas para a classe trabalhadora. Nesse sentido, cinco itens ganharão destaque:

- redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salários;
- reforma agrária;
- valorização do serviço público e do servidor público;
- continuidade do processo de redução da taxa de juros;
- fim do fator previdenciário e valorização das aposentadorias.

Veja o melhor horário para pegar a estrada neste feriadão de São Jorge


Fluxo de veículos ficou intenso na tarde desta sexta-feira (20)
Jadson Marques/ R7/
 trânsito - ponte rio niteroi - 05.04.2012
Movimento de saída do Rio fica intenso na Ponte no início da tarde
Pelo menos 300 mil veículos vão circular pelas estradas do Rio neste feriado de Tiradentes, no sábado (21), e de São Jorge, na segunda-feira (23). O fluxo de veículos ficou intenso a partir da tarde desta sexta-feira (20) e de segunda-feira.
Na ponte Rio-Niterói, a previsão é que cerca de 170 mil carros passem pela praça de pedágio em direção a Niterói, na região metropolitana. O maior movimento será nesta sexta-feira, quando são esperados 89 mil veículos. No sábado a expectativa é que 81 mil carros saiam do Rio pela ponte.

Procon determina suspensão de venda de ingressos para Madonna


Segundo órgão de defesa do consumidor, Time 4 Fun não pode cobrar taxa de conveniência e fazer pré-venda
Foto: ReutersMadonna
O Procon-SP, órgão de defesa do consumidor de São Paulo, determinou nesta sexta-feira a suspensão de venda de ingressos para o show que Madonna faz na capital paulista.
A pré-venda deveria começar nesta segunda-feira (23) e a venda para o público em geral, na quarta-feira (25).
Em comunicado oficial, o órgão disse ter exigido que a Time 4 Fun, organizadora do show, deixasse de cobrar a taxa de conveniência e não fizesse mais pré-venda.
De acordo com o Procon, a empresa é reincidente em práticas abusivas e já foi autuada em mais de R$ 4 milhões nos últimos dez anos.
Através de um comunicado à imprensa, a Time 4 Fun afirmou que a suspensão é "uma decisão administrativa e unilateral do Procon-SP, que será impugnada pelos meios legais cabíveis".
Veja abaixo a íntegra da nota divulgada pela assessoria de imprensa do Procon:

Greve vai paralisar novamente obras de Belo Monte


Ao todo, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada do Pará, o movimento deve atingir cerca de sete mil homens
Fátima Lessa
Arquivo/EXAME.com
 Rio Xingu
Apenas 10% dos serviços essenciais funcionarão, com a greve
Cuiabá - A partir da madrugada de segunda-feira, os trabalhos nos cinco canteiros de obra da Usina Hidrelétrica Belo Monte, a maior obra do PAC, na Volta Redonda do Xingu, região de Altamira do Pará, realizada pelo Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM), serão interrompidas mais uma vez. Ao todo, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada do Pará (Sintrapa-PA) o movimento deve atingir cerca de sete mil homens porque apenas 10% dos serviços essenciais funcionarão.

Aposentada morre após esperar 36h por vaga em UTI


A aposentada Josefa Andrade, de 74 anos, morreu na unidade de Pronto-Atendimento São José, em Campinas (SP), quinta-feira, após 36 horas de espera por uma vaga em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em hospitais da cidade. Josefa foi enterrada nesta sexta-feira.

Bom dia! O resumo dos jornais desta sexta-feira, 20 de abril.



O Globo
Manchete: Congresso cria CPI inédita de todos para investigar todos
Foco é a ligação do bicheiro Cachoeira com políticos e empreiteira do PAC
Depois de idas e vindas, foi criada ontem no Congresso, com a assinatura recorde de pelo menos 385 deputados e 72 senadores, uma CPI mista para investigar a quadrilha do bicheiro Carlinhos Cachoeira e sua ligação com políticos e empresários. Parlamentares da base e da oposição falaram em passar "o país a limpo", mas, entre aliados, há dúvidas sobre até onde o governo quer chegar. Se de fato for instalada, a CPI do Cachoeira vai apurar as conexões do grupo do contraventor com políticos e com a empreiteira Delta, apontada pela Polícia Federal como braço financeiro do esquema. As investigações mostram que a Delta abastecia empresas fantasmas do grupo de Cachoeira. O PMDB indicou o senador Vital do Rêgo (PB) para presidir a comissão. O Conselho de Ética do Senado manifestou ao Ministério da Justiça preocupação com a segurança de Cachoeira, que divide cela com 22 presos em Brasília. (Págs. 1 e 3 a 9) 

Supremo pé de guerra
Barbosa afirma que Peluso foi tirânico e manipulou julgamentos; Ayres Britto assume

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Em Cabo Frio, Polícia Civil muda de endereço para construção da Delegacia Legal


Obras só terminam no final do ano; enquanto isso atendimento será no bairro do Braga
Reprodução / Rede Record
 mudança dp
Operários levaram os móveis da Delegacia de Cabo Frio para o novo prédio; obras começam na terça-feira (24)
A Delegacia de Cabo Frio (126ª DP), na região dos Lagos, foi transferida temporariamente para a antiga sede do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais), no bairro do Braga.
A mudança foi necessária para que o atual prédio seja derrubado e construída a estrutura onde abrigará a delegacia Legal e o Nuam (Núcleo de Atendimento à Mulher).

Arma usada para assassinar juíza em Niterói pertencia ao Exército


Pistola teria sido recolhida de bandidos após operação em São Gonçalo
Evelyn Moraes/R7
 carroaciolo
O carro foi abordado e atacado na porta da casa da juíza

A pistola calibre 45 usada noassassinato da juíza Patrícia Acioli, em 11 de agosto de 2011, em Niterói (região metropolitana), pertencia ao Exército Brasileiro. Após perícia, a informação foi incluída no inquérito conduzido pela Polícia Federal. A magistrada foi morta na porta de casa, com 21 tiros. Os criminosos usaram outras duas armas, uma pistola .40 e um revólver magnum calibre 357.
A arma, que foi apreendida no fim de setembro em uma comunidade de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio, tem gravações que fazem referência ao Exército. De acordo com a polícia, a pistola foi encontrada após denúncias de moradores locais.

População indígena cresceu 11,4% na última década, abaixo da média do Brasil


A população indígena brasileira aumentou 11,4% na primeira década deste século, desde 733 mil índios no ano 2000 até 817 mil em 2010, um crescimento demográfico inferior à média do país, segundo dados do censo divulgados pelo Governo nesta quarta-feira. Em 2010, o país contava com 817 mil habitantes que se declararam índios, o que representa 0,4% da população total do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o censo, a população total brasileira passou de 169.799.170 habitantes em 2000 até 190.755.799 habitantes em 2010, o que significa uma expansão de 12,3% no período e uma média anual de 1,17%.

Bom dia! Os destaques dos jornais desta quinta-feira, 19 de abril.




 


O Estado de S.Paulo
Selic cai para 9%; País deixa de ser líder em juros reais
O Globo
Lei da concorrência - Sob pressão oficial, bancos privados reduzem os juros
Correio Braziliense
Senado votará fim de privilégio histórico
Estado de Minas
Taxistas movidos a álcool
Valor Econômico
Desempenho das receitas barra novas desonerações
Brasil Econômico
Bradesco e Itaú cedem à estratégia do governo e baixam taxas de juros
Zero Hora
Pior do que o esperado - Produção de soja deve cair pela metade no RS
*
Jornais internacionais
The New York Times (EUA)
Desconfiança na economia é combustível para início de campanha de Romney
The Washington Post (EUA)
EUA querem ampliar uso de avião espião no Iêmen
Le Figaro (França)
Eleição: um em cada quatro eleitores ainda está indeciso
El País (Espanha)
Rei Juan Carlo: Sinto muito. Foi um erro e não voltará a acontecer
Clarín (Argentina)
Fiscal acusa governo de ser cúmplice de um crime

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Seguranças barram entrada e ofendem jornalista na Alerj


O jornalista Sergio Caldieri divulgou, nesta quarta-feira, pelas redes sociais, o episódio ocorrido na véspera, quando foi barrado na entrada da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Caldieri descreve o fato, na nota que reproduzimos aqui, na íntegra:
Repúdio aos gorilas da Alerj
“Na semana passada, fui na Alerj entregar um documento ao Presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estadodo Rio de Janeiro, Continentino Porto. Ao entrar pela porta principal, uma segurança perguntou onde eu ia, repondi que era na Sala de Imprensa. Pediu um documento para comprovar se eu era jornalista. Mostrei a carteira da ABI, ela disse que estava vencida. Falei que a data estava vencida, mas eu não.
Deixou entrar para identificar no balcão ao lado. O detector de metais não apitou.
Nesta quarta-feira, dia 18 de abril de 2012, por volta das 16:30hs, fui encontrar o jornalista José Pereira da Silva, o Pereirinha, para entregar a lista das autorizações dos Conselheiros da Chapa Prudente de Morais, para a próxima eleição de 1/3 do Conselho Deliberativo da ABI, nos dias 26 e 27 de abril.
Mais uma vez, ao chegar pela porta da frente da Alerj, dois seguranças, perguntaram onde eu ia: Sala de Imprensa.
Ao passar pelo detector de metais, apitou, voltei, o gorila perguntou o que tinha na bolsa?
Abri a bolsa na frente de dois seguranças, tirei uma pão de centeio, perguntei se estava procurando armas ou bombas. Dei o pão para um deles, uma barrinha diet e um biscoito.
O pão ele disse que sabia o que fazer, naturalmente mandar para aquele lugar.
Aí esquentou né? Falei que era absurdo o que estavam fazendo, pois falei que era jornalista, que não bicheiro nem miliciano, que fosse, não seria revistado.
Fui na mesa para falar pelo telefone interno na sala de imprensa com Pereirinha, mas ele estava no plenário.
Enquanto estava tentando pelo celular falar com Pereirinha, um dos gorilas disse que eu desacatei a autoridade, que era para esperar lá fora, na calçada, pois eu seria preso se não fosse.
Falei que poderia prender, mas fiquei lá.
O gorila mandou chamar pelo rádio mais seguranças, que eu estava causando problemas.
Vieram seis seguranças e mais a tal chefe de terno, que foi a mesma que tinha pedido meu documento na semana passada.
Mas fiquei dentro, sem sair para calçada até Pereirinha chegar.
Depois, fui esperar fora, para entregar os documentos da ABI.
Os gorilas queriam me prender, mandou esperar fora da Alerj como se fosse expulso da Casa do Povo. Praticamente expulso e quase preso. Este é o preço que um jornalista paga para entrar na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, com seus gorilas cabralinos arrogantes e autoritários.
Sergio Caldieri
1º Secretário do Conselho Deliberativo da ABI
Diretor Juridico do Sindicato dos Jornalistas
Profissionais do Estado do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro, 18 de abril de 2012″.

Justiça transfere para Rio de Janeiro caso criminal contra Chevron


A Justiça brasileira determinou a transferência para a cidade do Rio de Janeiro do processo criminal contra a Chevron, a operadora de sondas Transocean, e 17 empregados das duas companhias, relacionado ao vazamento de petróleo ocorrido em novembro de 2011 no campo de Frade, na bacia de Campos.
A decisão retira do caso o procurador Eduardo Santos de Oliveira, do Ministério Público Federal de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio, que pedia prisão de até 31 anos para alguns dos executivos envolvidos no derrame, inclusive o presidente da Chevron no Brasil, George Buck.

Em Maricá, mãe e irmão encontram corpo de gari enterrado no quintal de casa


Assista ao vídeo:
Suspeitos disseram que ele foi morto em ritual de magia negra
O corpo do gari Bruno Pedro da Silva, de 27 anos, foi encontrado pela mãe e o irmão da vítima, no quintal da casa onde ele morava com a mulher e outras quatro pessoas da família dela, em Maricá, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Perdão: Diário de Alexandria


Por Carlos Sepúlveda

PERDÃO

Antes da flor, resta o botão.
O dia se recolhe nas trevas da noite.
Cada lágrima esconde uma promessa.
Um anjo suspeita
de que, nos olhos do Senhor,
uma lágrima pode virar dilúvio.

Tudo está na ordem do ser:
em cada semente se recolhe o fruto,
como antes da morte existe o luto,
como antes do nada existe o tudo.

Os pés que recolhem o pó do chão
já prenunciam as dores do caminho,
como um distraído olhar
já pressupõe o impossível carinho.

Assim, o prumo se imprime
em cada vida que sucede,
porque tudo está escrito
às folhas tantas do destino.

O exercício inútil do perdão
é apenas um confuso parágrafo
para quem a vida não passa
de arrependimento e paixão.

Perdão é o nome que se dá
quando dividimos com os outros
o pão da intimidade.

Mas quando a estrada finda
e o caminho termina
e ficamos sozinhos,
sabemos que perdão
é também o nome que se dá
à nossa desaforada vaidade do não.

Carreta passa por cima de carro e motorista escapa por milagre


As carretas atingiram o veículo na pista da esquerda e o carro ficou irreconhecível sobre uma delas