Jornal da ImprenÇa: Nota dez para Graciliano Ramos, que enxergava há 92 anos o que poucos enxergam hoje


Moacir Japiassu (*)O consideradíssimo Mestre escreveu na seção Garranchos do jornal O Índio, de Palmeira dos Índios, ano 1, no 4, de 20 de fevereiro de 1921 (*)
Ah, te saber distante, embora a chuva
amareleça em frutos e a colheita
não tarde. Já meus dedos se presentam
como instrumento à terra matinal.
(Zila Mamede in ANTECOLHEITA.)
Nota dez para Graciliano Ramos, que enxergava há 92 anos o que poucos enxergam hoje
Talvez o leitor se admire hoje deste artigo. Esta seção ainda não trouxe a seus olhos senão futilidades e coisas inúteis. Muda hoje um pouco na forma e na essência. Vai tratar de um assunto imperioso e grave; vai unir a debilidade de sua voz ao eco desta folha em prol da instrução. Talvez fique por aqui, talvez continue.
Se este artigo for bem recebido por aqueles aos quais se dirige, munirei o braço de forças e continuarei. Vai como uma súplica endereçar-se ao governo; partiu pela minha pena desses infelizes pais de família que veem, dia a dia, a miséria invadir-Ihes o lar, onde não penetrou ainda, balsâmica e divina, a fonte do bem humano: o livro!


Criam-se aqui todos os dias, quase, centros de diversões, e no entanto uma escola não se abre!
É simplesmente horroroso que numa cidade como a nossa (já não digo o município, contento-me com a sua capital) não tenhamos quem nos ensine a ler, arrancando-nos a cegueira da alma.
Bem longe ainda vai de nós o progresso ... O governo, descurando a maior necessidade do povo, entrega a sua instrução a criaturas tão ineptas que mal poderiam frequentar o primeiro ano de um estabelecimento de ensino! Que podem elas ensinar, santo Deus, se nada sabem? Só por milagre. Milagres? Ah! Mas a poeira dos séculos apagou-lhes o vestígio!
E a ignorância aumenta, e os crimes multiplicam-se! Temos (miséria!) escolas de vício, aprendizagem de crime, escadas para a prostituição. É a casa de jogo, é o álcool, é a aluvião de mendigas, crianças à puberdade, que infestam a cidade, oferecendo-se quase.
E não falarão essas misérias todas bastante alto para penetrar os ouvidos do governo? Não estarão ainda bem expostas à luz as pústulas que maculam a alma das multidões sertanejas?
Abri escolas, senhores do governo, esses "viveiros de esperança", como lhes chamou Rosendo Muniz, e tereis prestado um grande bem à nossa pátria.
(*) Extraído de Garranchos -- Textos inéditos de Graciliano Ramos, Editora Record, organização de Thiago Mio Salla.
graciliano-ramos
Graciliano Ramos é lembrado pelo 'Jornal da ImprenÇa'; imagem, do Graciliano.com.br, mostra escritor em uma sala de sua casa no Rio de Janeiro, em 1948

***** ***** ***** ***** *****
Merda geral
O considerado leitor não imagina o sofrimento de um veterano jornalista para escrever seus garranchos eletrônicos, se depende de uma antena para se conectar à internet e esta defunta-se de repente. Então, por que não usar a linha telefônica, pergunta a amiga Polyana aqui ao lado.
Ora, simplesmente porque se trata de linha rural mais instável e periclitante do que o mandato do Zé Genoíno. É um vaivém tão impressionante que Janistraquis foi buscar no idioma de Ovídio a palavra certa para explicar tal fenômeno: korodepika.
A situação é tão precária que Marcia Lobo não conseguiu atualizar o sitehttp://antesqueeumeesqueca.weebly.com/jornal-da-imprenccedila.html.
***** ***** ***** ***** *****
Título X texto
O considerado Ewerthon Gonçalves do Nascimento, comerciante em São Paulo, reclama da Folha:
"Segue cópia da notícia intitulada Dono de churrascaria mata turista no Guarujá por diferença de R$ 7 na conta.
O próprio texto mostra que o título é mentiroso, pois o turista não morreu por causa de 7 reais, mas porque agrediu o comerciante com um soco; aí o filho deste pegou uma faca e acabou com a raça do valentão:
'Um turista foi morto a facadas pelo dono de uma churrascaria na noite de segunda-feira (31), horas antes do Réveillon. Segundo informações da 5ª Companhia da Polícia Militar do Guarujá, o motivo foi uma discussão pelo valor da conta.
O caso ocorreu por volta das 19h30. O cliente, que não teve o nome divulgado, reclamou que a conta excedia em R$ 7 o valor da refeição exposto na entrada da churrascaria Casa Grande, que fica no bairro Enseada.
Funcionários começaram a discutir com o cliente. De acordo com a polícia, o turista deu um soco no proprietário. Ao ver o pai ser atingido, o filho, também dono do restaurante, golpeou o cliente com uma faca.
A vítima morreu no local. O autor do crime está foragido. O caso foi encaminhado para o 1º DP do Guarujá.
A Folha ligou para o restaurante para saber informações sobre o ocorrido, mas ninguém atendeu às ligações.'"
Janistraquis deu razão ao nosso leitor/colaborador:
"Entra ano, sai ano e a coisa se repete. Ora, se ninguém atendeu as ligações do jornal, fica mais difícil obter informações sobre o ocorrido, né não?"
***** ***** ***** ***** *****
Filho do Brasil
O considerado Samuel Denoy de Carvalho, advogado paulistano, ficou indignado com a programação televisiva neste início de 2013:
"A essa altura do campeonato da safadeza petista, a exibição do filme Lula, o filho do Brasil pela Globo é desserviço, deboche, bajulação altamente desprezível, deslealdade e etc. e etc. Os telespectadores deveriam sintonizar outros canais para não dar ibope a essa enganação!"
Em verdade, ó Samuel, o bom filme de Fabio Barreto mostra um pouco da vida de um sindicalista e pronto, só isso. A carreira política, essa que conhecemos de sobra, pede outra fita, só que proibida para pessoas honestas.
Aliás e a propósito, já no início da semana incontáveis leitores/colaboradores exigiam incenso para Fernando Henrique Cardoso por sua entrevista no programa Manhattan Connection, o último de 2012, exibido na noite de domingo na GloboNews.
Para todos, sem exceção, a presença de FHC num estúdio de televisão ou noutro e qualquer cenário acentua o abismo entre a finesse de um raro intelectual e a extraordinária incivilidade do Rato Gordo, o qual só está à vontade nos botequins do ABC ou nas universidades européias nas quais é tratado como um índio que esqueceu o botoque.
***** ***** ***** ***** *****
Homem Sem Visão
O considerado Augusto Nunes revelou no seu blog:
A eleição do Homem sem Visão de 2012 foi marcada pela quebra de recordes aparentemente insuperáveis. A votação da enquete, por exemplo, mobilizou 12.891 leitores-eleitores, mais que o dobro dos 5.441 de 2011.
O campeão Ricardo Lewandowski conquistou o título de HSV do Ano com 6.921 votos ─ quase seis vezes mais que os 1.126 que garantiram a vitória de Márcio Thomaz Bastos na finalíssima do ano passado. MTB conseguiu 21% do eleitorado. Lewandowski atingiu impressionantes 54%.
(Leia no Blogstraquis a íntegra da nota com outros e importantes destaques do concorrido certame.)
***** ***** ***** ***** *****
Bento XVI
Deu na pluralista Folha:
Festa católica trará a SP público igual ao da Parada Gay
Janistraquis ignora se a comparação foi proposital, mas achou o título perfeito para quem deseja sacanear o Papa Bento XVI, o qual, como sabemos, ama os homossexuais, porém odeia o homossexualismo, segundo a tradição da santa madre igreja.
***** ***** ***** ***** *****
Ficando velho
Mensagem do considerado Laerte Gomes, jovem de 70 anos, um dos maiores diretores de arte deste país, amigo e companheiro do Jornal do Brasil nos anos 1964/67:
"Gente, tô ficando velho; errei o nome da minha neta!"
***** ***** ***** ***** *****
Jantar e janta
A considerada Nelbe Ladeira Torres, empresária em São Paulo e que conhece nossa predileção pelas criativas chamadinhas do UOL, envia esta de sua casa em Alphaville:
Salada tropical é perfeita para uma janta leve, saudável e light.
Nelbe desaprovou, como reprovaria um comensal que pegasse a faca com a mão esquerda:
"Que coisa mais brega essa de 'janta'; pessoas que tenham um mínimo de educação sempre escolhem jantar."
Janistraquis garante, ó Nelbe, que 'janta' é palavra mais apropriada à descoberta do jantar pela 'nova classe média'.
***** ***** ***** ***** *****
Quatro pés
Na capa do mesmo UOL:
Prestes a assumir
SP, Haddad põe
"as duas mãos no
fogo por Lula"
Segundo meu assistente, nenhum truísmo mudará a situação do Rato Gordo:
"Nem mesmo se Haddad, que carece de credibilidade, porque deve favores à licenciosa criatura, nem se ele puser os quatro pés no fogo."
***** ***** ***** ***** *****
Pai&filho
O considerado Mauricio Noriega, um dos melhores e mais equilibrados comentaristas do SporTV, homenageou o pai, o grande Luiz Noriega, com o seguinte texto publicado no seu blog:
Onde você está?
Eu atendia o chamado no telefone e vinha aquela voz potente, de trovão:
- Onde você está?
- Em casa, pai, você ligou para minha casa.
Ríamos juntos disso, incontáveis vezes.
E foi assim durante muitos anos.
Eterno desligado, meu pai sempre me telefonava em minha casa e perguntava onde eu estava, pensando que tinha ligado para o celular.
Talvez tenha sido o instinto paternal, que ele sempre teve aflorado.
Hoje sou eu que pergunto: onde você está?
(Leia a íntegra no http://blogdonori.blogspot.com.br/)
***** ***** ***** ***** *****
Deslises freqüentes
O considerado Youssef Ibrahim, brilhante jurisconsulto, nosso correspondente no Vale do Paraíba, envia de uma de suas bancas à margem da Via Dutra:
Na notícia abaixo, veiculada no site Estadão-ESPN, lia-se a seguinte atrocidade:
"Nas últimas semanas, um retorno de Cristiano Ronaldo ao Manchester United, onde atuou por seis anos, já havia sido expeculado pela imprensa inglesa. Pelos Red Devils, o atacante venceu um Mundial de Clubes, uma Champions League e três Campeonatos Ingleses, além de ter conquistado a Bola de Ouro de 2008."
Outro dia, uma repórter da ESPN Brasil já havia dito que o Tigre, da Argentina, não iria pedir o 'anulamento' da meia-partida que deu o meio-título da Série B sul-americama ao time alegre do Jardim Leonor...
Sou fã da ESPN Brasil, mas esses deslizes têm se tornado frequentes ultimamente. Isso sem falar no horrendo uso do 'por conta' em lugar de 'por causa' que se espalha pelos comentaristas e apresentadores da emissora feito fogo em palha seca. André Kfouri, Arnaldo Ribeiro e Mauro Cézar Pereira são os campeões do 'por conta'; aboliram de uma vez por todas o surrado mas corretíssimo 'por causa'.
***** ***** ***** ***** *****
Mais por conta
O considerado Camilo Viana, diretor de nossa sucursal belo-horizontina, vizinha do Palácio da Liberdade, de onde grandes estadistas partiram para a glória nacional, pois Camilo envia notinha com título horroroso, publicada no EstadãoOnline:
Anna Cintra se afasta da reitoria da PUC-SP por conta de decisão judicial
Janistraquis comentou, irritadíssimo:
"Por conta de decisão judicial é o...é a..."
***** ***** ***** ***** *****
Zila Mamede
Leia no Blogstraquis a íntegra do soneto cuja primeira estrofe ilumina a coluna. Foi enviado pelo considerado Paschoal Motta, velho amigo e companheiro de boemia na BH dos anos 1950/60, também poeta de escorreito verso. Paschoal foi amigo de Zila, esta paraibana de Nova Palmeira, mas criada e vivida no Rio Grande do Norte, onde desabrochou a formosura do seu talento.
***** ***** ***** ***** *****
Erramos
Diferentemente do publicado em "Desabrigados sofrem com falta de higiene e medo de lobos no Irã", o coletivo de lobos é alcateia, e não manada.
***** ***** ***** ***** *****
Errei, sim!
MAL DO SÉCULO -- O centenário Jornal do Brasil insiste na coerência e faz dobradinha com Veja na difícil arte de perpetrar legendas.
Na matéria MTV investe em publicidade, grudaram esta preciosidade no 'rodapé da foto', como diz Janistraquis:
'Chaves: linguagem irreverente para atrair o público'.
O Chaves da fotografia era uma bonita e sorridente garota - Miriam Chaves.
É por isso que meu assistente costuma repetir:
'O mal do século não é a Aids; é a burrice!'
(outubro de 1991)
***** ***** ***** ***** *****
Colaborem com a coluna, que é atualizada às sextas-feiras: Caixa Postal 067 – CEP 12530-970, Cunha (SP), ou japi.coluna@gmail.com.
Moacir_Japiassu_(*) Paraibano, 70 anos de idade e 50 de profissão, é jornalista, escritor e torcedor do Vasco. Trabalhou, entre outros, no Correio de Minas, Última Hora, Jornal do Brasil, Pais&Filhos, Jornal da Tarde, Istoé, Veja, Placar, Elle. E foi editor-chefe do Fantástico. Criou os prêmios Líbero Badaró e Claudio Abramo. Também escreveu nove livros (dos quais três romances) e o mais recente é a seleção de crônicas intitulada “Carta a Uma Paixão Definitiva”.

Comentários