Polícia diz que morte de radialista está praticamente esclarecida Polícia investiga a motivação e quem seria o mandante do crime. Dono da arma apreendida ainda está foragido.

Segundo a Polícia Civil, a morte do radialista Renato Machado, em São João da Barra, Norte Fluminense do Rio, está praticamente esclarecida. Durante uma coletiva nesta terça-feira (15), a polícia informou que Gilmar Barreira Ramos Junior, preso na segunda-feira (14), seria o homem que matou o radialista.
A participação de um outro suspeito, que estava sendo procurado, foi descartada. O exame de balística em uma arma apreendida na semana passada na casa do outro suspeito confirmou que o revólver não foi usado no crime.

Com Gilmar Barreira, a polícia encontrou também um boné, semelhante ao usado pelo assassino flagrado pelas imagens do circuito de segurança da rádio, onde Renato Machado trabalhava. Uma testemunha teria reconhecido o acusado.
Segundo a policia, além de passagens por homicídio e tráfico de drogas, Gilmar Barreira tinha fama de ser matador de aluguel. A reconstituição do crime já foi realizada e há a suspeita de que mais duas pessoas deram apoio ao assassino no dia do crime.
A Polícia Civil possui outra testemunha importante, que está protegida pela Justiça, e teria conhecimento sobre um plano para matar o radialista. O desafio da investigação é descobrir o motivo e quem foi o mandante.
Apesar de descartada a participação do outro suspeito no crime, o dono da arma apreendida continua sendo procurado por tentativa de homicídio e é considerado foragido.

Comentários