Pular para o conteúdo principal

O Dia: Em Cabo Frio, mega-ação para cuidar de viciado


Cidade ganha Comunidade Terapêutica, um espaço seguro e acolhedor para tratamento de dependentes químicos
A secretária municipal Cris Mansur: ‘É importante prevenir e conscientizar a população sobre o problema | Foto: Divulgação
A secretária municipal Cris Mansur: ‘É importante prevenir e conscientizar a população sobre o problema | Foto: Divulgação
Por Alexandra Oliveira
Oferecer um ambiente seguro e acolhedor que facilite a socialização e a busca de equilíbrio no tratamento de dependentes químicos. Esse é o objetivo da Comunidade Terapêutica que a Prefeitura de Cabo Frio, através da secretaria Municipal de Prevenção ao Uso de Drogas, vai criar no bairro Alecrim.


De acordo com a prefeitura, será a primeira Comunidade Terapêutica pública do país a funcionar com recursos próprios, já que este tipo de tratamento só é oferecido hoje à população através da rede particular de saúde.
“Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 5% da população mundial (200 milhões de pessoas) entre 15 e 64 anos de idade consome algum tipo de droga ilícita ao menos uma vez no ano. O Brasil está entre os países onde este problema ocorre com maior intensidade, daí a importância da sua prevenção e o enfrentamento com a adoção de políticas públicas e ações articuladas que minimizem as consequências do tema em questão, bem como a conscientização da população”, diz a secretaria Cris Mansur.
A Comunidade Terapêutica é um modelo residencial de tratamento da dependência química, que utiliza como método a experiência de vida e a convivência em uma cultura saudável organizada como uma microssociedade. Ao todo serão disponibilizados 75 leitos, sendo 50 para homens e 25 para mulheres. Sua estrutura (organização social), seus moradores (funcionários, residentes e profissionais da área de saúde) e sua rotina de atividades diárias (recreação, palestras, reuniões, trabalhos) serão preparadas para facilitar o tratamento, a aprendizagem e a recuperação do interno.
Profissionais de várias áreas
A Comunidade Terapêutica do Alecrim terá clínico-geral, neurologista, atendimento odontológico, psicólogo, psiquiatra, enfermeiros, monitores, biblioteca, espaço para terapias em grupo, academia de ginástica, lavanderia, campo de futebol, quadra de vôlei, hidroginástica, salão de jogos e cursos profissionalizantes nas áreas de hotelaria, culinária, artesanato e eletricista, entre outros.
Todos os dormitórios têm banheiro para os internos. Além disso, um dos alojamentos será adaptado com 6 leitos para receber portadores de necessidades especiais.
Na Comunidade Terapêutica, além de receber todo o atendimento necessário para sua recuperação, o interno precisa trabalhar. Eles formam a mão de obra para o cultivo de hortaliças, criação de animais e fabricação de pães e bolos numa minipadaria. Todos os alimentos são para consumo próprio.
A transformação biopsicossocial e espiritual envolve o aprendizado de novos valores, comportamentos, capacidades e responsabilidades, gerando os instrumentos necessários para a reinserção social. Segundo especialistas, o trabalho realizado incentiva o usuário a retomar suas relações familiares e profissionais.

Comentários