Em Búzios, prefeito instala gabinete em hospital depois de surto de dengue na cidade



A epidemia de dengue na cidade de Armação dos Búzios, que atinge outros 41 municípios do Rio de Janeiro, fez com que o prefeito da cidade, André Granado (PSC), tomasse uma atitude drástica: na segunda-feira, ele instalou o gabinete dentro do Hospital Municipal Dr. Rodolpho Perissé, para verificar de perto a situação. Nesta quinta-feira, ele deixou as dependências do hospital, após passar quatro dias no local, sem que a doença dê trégua.


A situação na cidade inspira cuidados. De acordo com dados da última terça-feira divulgados pela própria prefeitura, são 180 casos confirmados de dengue, sem nenhuma morte confirmada até o momento. O município de Armação de Búzios tem 27.560 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010.
As assessorias da prefeitura municipal de Búzios e da secretaria de saúde do município não foram encontradas para comentar os números.
Casos chegam a 48 mil no estado
De acordo com dados atualizados da Secretaria Estadual de Saúde nesta terça-feira, foram diagnosticados 48.361 casos suspeitos de dengue no Estado, com 12 óbitos confirmados até o momento. Dos 92 municípios do Rio de Janeiro, 42 estão em epidemia, mas a lista de cidades nessa situação teve alteração em relação à semana passada. Nove municípios entraram na relação de epidemia, incluindo a região Metropolitana II, Norte Fluminense e Serrana.  Dois municípios da Região Serrana saíram da lista.

Comentários

Olá Flora, inicialmente parabéns por seu importante trabalho.
A epidemia de Dengue avança por toda Região dos Lagos.

Qualquer iniciativa para contê-la por parte do gestor público é elogiável, porém ainda mais importante é a atitude correta.

Neste momento em que estamos com índices alarmantes de infestação de larvas do Aedes aegipty em torno de 1-4, o único meio de interromper a transmissão da doença é a realização de busca ativa e implementação sistemática de bloqueio com o famoso Fumacê ( UBV ).

Quanto à questão clínica em casos de Dengue, acredito que na condição de Biólogo não devo tecer maiores comentários, porém é público e notório que a maioria das mortes ocorre na ausência de um rápido diagnóstico e tratamento correto, sobretudo a reidratação do paciente.


Apesar de trabalhar esses mais de 25 anos como Agente de Saúde, sou Biólogo Ambiental, especialista em Controle de Vetores e Pragas Urbanas e, nesta condição, como contribuição, sugiro que o agente de saúde, que é o primeiro a ter contato com os focos que eventualmente acarretarão a Dengue, disponha de uma simples notificação para dar ciência por escrito na hora ao morador.

Isso diminuiria e muito os casos de Dengue!

Um grande abraço a você e aos seus bons leitores.