FENAJ, SBPJor, e SOCICOM buscam acesso ao parecer das Diretrizes Curriculares de Jornalismo no CNE

As novas diretrizes curriculares de jornalismo, aprovadas em 22 de fevereiro pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), determinam o estágio obrigatório com o mínimo de 200 horas; carga horária total do curso de graduação com 3000 horas; projeto final de curso realizado no formato monografia ou produto e Atividades Complementares - não obrigatórias- de até 200 horas. Estes foram os principais aspectos destacados na reunião de diretores da FENAJ, SBPJor e SOCIOCOM com o Conselheiro do CNE Reynaldo Fernandes, que aconteceu no dia 13 de março, na sede do CNE em Brasília.



Estiveram presentes Dione Moura, pela presidência da SBPJor (Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo) e diretoria da SOCICOM (Federação das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação), e José Torves, pela diretoria da FENAJ (Federação Nacional de Jornalistas Profissionais). Ambos questionaram o conselheiro do CNE quanto a detalhes do parecer, solicitaram o parecer final e levaram questionamentos da comunidade de professores de Jornalismo quanto à implementação das novas diretrizes.

Relator do processo, Reynaldo Fernandes informou que não possui a versão final do parecer, pois o mesmo foi modificado no decorrer da reunião do CNE e agora segue para revisão técnica. Fernandes disse que, na avaliação dele, as novas diretrizes curriculares de Jornalismo primam pela flexibilidade na futura aplicação. Disse, também, que o parecer manteve os princípios básicos do relatório da comissão de especialistas, elaborado em 2009, com algumas adequações, a exemplo do número máximo de horas para os cursos de Jornalismo.

As entidades presentes à reunião, incluindo também o FNPJ (Fórum Nacional de Professores de Jornalismo), continuarão acompanhando o processo, inclusive para obter o parecer com revisão técnica e orientações sobre o processo de implementação junto ao MEC.

Comentários