Mais de 700 alunos continuam sem aulas em Araruama

Escolas e creches estão fechadas por problemas na estrutura dos prédios.
Secretaria estadual vai liberar salas de Ciep para abrigar alunos.

Mais de 700 alunos de uma escola municipal e de quatro creches de Araruama, na Região dos Lagos do Rio, seguem sem poder estudar. O motivo é a interdição das unidades de ensino, que possui irregularidades na estrutura e correm risco de desabamento. Algumas, inclusive, precisarão ser demolidas.

A Escola Alcebíades Carvalho das Flores, situada no bairro Fazendinha, está com diversas rachaduras nas paredes e lajes, vazamentos, defeitos nos banheiros e problemas na circulação de ar. Segundo o tenente Carlos Henrique Chimer, subsecretário da Defesa Civil do município, o prédio precisará ser demolido ou reformado, dependendo da avaliação de um engenheiro.


Enquanto estuda a recuperação do imóvel, o município aguarda a ajuda do governo estadual. A prefeitura pede para que seis salas do Ciep 460, o Thiophyla Soares Bragança, sejam cedidas para comportar os alunos. No dia 25 de fevereiro, dois ofícios foram enviados à Secretaria Estadual de Educação solicitando a liberação das salas e a cessão de uso de uma escola no distrito de São Vicente, que está atualmente desativada e poderia atender à cerca de 600 alunos.

A Secretaria de Educação informou que aceita a proposta da prefeitura, mas ainda não estipulou nenhum prazo. A respeito da utilização do prédio desativado, a secretaria informou ainda que aguarda apenas a visita dos representantes da Secretaria de Educação da cidade para dar andamento ao processo. Essa escola poderia atender à cerca de 600 alunos.

Em relação às creches, somente uma, de um total de cinco, reabriu nesta segunda-feira (11). As outras quatro, segundo a Secretaria Municipal de Educação, também apresentam o mesmo problema na estrutura e precisarão serem demolidas. A solução encontrada foi o aluguel de imóveis para abrigar as crianças. A previsão da prefeitura é de que os alunos dessas creches voltem a estudar até a próxima quarta-feira (13).

Comentários