Em Arraial do Cabo, barqueiros protestam contra interdição de píer


Local está interditado há quase dois meses pela Capitania dos Portos.
Desde então, número de visitantes diminuiu; quiosques estavam fechados.


Barqueiros de táxis marítimos de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, fizeram uma manifestação na tarde de terça-feira (23), no píer da Praia do Forno. Em virtude da interdição do local, há quase dois meses, eles alegam prejuízos.


Com o protesto, feito de forma silenciosa no mar da cidade, os barcos saíram apenas com os tripulantes, sem nenhum passageiro. Eles navegaram até a praia onde está o píer proibido para o embarque e desembarque, conforme determinação da Capitania dos Portos de Cabo Frio.
O problema começou quando parte da estrutura do local utilizado pelos táxis marítimos ruiu. O ponto de embarque ou desembarque é particular, e a proprietária afirmou não ter condições financeiras para fazer os reparos.
Sem solução para o problema, a Guarda Marítima monitorou o acesso de barcos no local. As embarcações faziam paradas em um corredor de boias, mas o prazo para essa medida alternativa terminou e agora, os donos de embarcações, principalmente as de pequeno porte, estão no prejuízo.
Em dias de feriado, como o desta terça-feira (23) que é comemorado o dia de São Jorge, a Praia do Forno estaria mais movimentada. Sem os barcos para fazer o transporte, a única opção que resta aos turistas é uma trilha que passa pelo morro. São 20 minutos de caminhada por uma trilha íngreme que pode desanimar muitos visitantes.                   
Os donos de quiosques também sentem o reflexo da interdição do píer. Prova disso, são as barracas que estão fechadas. Para os barqueiros, faltou critério na proibição do acesso dos barcos até a praia, que segundo a Capitania dos Portos, colocaria a segurança dos banhistas em risco.
A Guarda Marítima continua patrulhando o local e a Capitania marcou uma reunião com representantes da prefeitura para resolver o impasse.

Comentários