Repórter de jornal é a pior profissão em lista americana com 200 categorias


Repórter de jornal é a pior profissão nos EUA, atrás de lenhador, soldado, ator e trabalhador de poço de petróleo e outras 195 categorias, segundo pesquisa do CareerCast.com, um site especializado em empregos. O estudo, divulgado nesta terça-feira (23/4), aponta as melhores e piores profissões no país em 2013. 

De acordo com o portal G1, a pesquisa levou em conta os critérios de demandas físicas, ambiente de trabalho, renda, estresse e perspectivas de contratação. A empresa usou principalmente dados do Centro de Estatísticas do Trabalho e de outras agências do governo norte-americano.

Líder do ranking a profissão de atuário é avaliada no estudo como uma função com 27% de possibilidades de crescimento e média salarial anual de US$ 87 mil. Já a profissão de repórter de jornal impresso  foi avaliada com ganho anual de US$ 36 mil e projeção de queda de 6% ao ano.

“É um trabalho que perdeu o seu brilho dramaticamente ao longo dos últimos cinco anos deverá cair ainda mais até 2020. O modelo de impressão não é sustentável. Ele provavelmente será extinto dentro dos próximos dez anos", segundo o consultor Paul Gillin.

Outros profissões ligados ao jornalismo, como fotojornalista, radialista, editor de jornais e revistas e escritor estão nas posições 188, 184, 168 e 156, respectivamente. Confira as dez melhores e as dez piores profissões segundo a lista:

Melhor
1 - Atuário
2 - Engenheiro biomédico
3 - Engenheiro de software
4 - Fonoaudiólogo
5 - Consultor financeiro
6 - Higienista dental
7 - Terapeuta ocupacional
8 - Optometrista
9 - Fisioterapeuta
10 - Analistas de sistemas da computação

Pior
190 - Agricultor
191 - Comissário de vôo
192 - Carpinteiro
193 - Carteiro
194 - Leitor de água e luz
195 - Leiteiro
196 - Trabalhador de refinaria de petróleo
197 - Ator
198 - Soldado
199 - Lenhador
200 - Repórter (Jornal)

Comentários