Com show de Neymar, Brasil vence o México por 2 a 0 no Castelão

Camisa 10 marcou no primeiro tempo e deu passe para o Jô fechar o placar na segunda etapa
Com show de Neymar, Brasil vence o México por 2 a 0 no Castelão Yuri Cortez,AFP/
Neymar marcou o único gol da partida aos 9 minutos do primeiro tempoFoto: Yuri Cortez,AFP
Com bem menos brilho do que na estreia, a Seleção Brasileira fez um bom primeiro tempo e uma segunda etapa pior do que a do México. Enfrentou dificuldades, mas garantiu vitória por 2 a 0. E virtualmente encaminhou vaga na semifinal da Copa das Confederações. A partida foi realizada na Arena Castelão, em Fortaleza, na tarde desta quarta-feira de muito calor no Ceará.


Neymar marcou o único gol da partida aos 9 minutos do primeiro tempoFoto: Yuri Cortez,AFP
Diogo Olivier, enviado especial a Fortaleza
O primeiro tempo do Brasil foi interessante. Agressividade ofensiva, força na marcação (15 faltas cometidas contra 9 do México na etapa inicial) e pouco espaço entre as linhas, novamente com Hulk, Neymar e Oscar fechando corredor com disciplina. O gol cedo, assim como na estreia, não foi acaso. 
A Seleção marca lá na frente. A bola é retomada mais perto do gol adversário, deixando o adversário sem respirar. 
O placar se abriu com mais um golaço de Neymar, a 9 minutos. Daniel Alves cruzou da direita, zaga rebateu e o camisa 10 emendou de primeira, com a canhota, acertando o ângulo de Corona. Uma pintura repetida, como aquela contra o Japão.
Quando o árbitro inglês Howard Webb, o mesmo da final da Copa de 2010, encerrou o primeiro tempo, o Brasil acumulava chances de ampliar. Com Daniel, por cobertura, a 13. Com Marcelo, de fora da área. Com Neymar, que driblou o zagueiro ao ajeitar no peito o lançamento de Fred, antes de arrematar, a 22. Isso sem contar os chutes travados pelos zagueiros.
O México concluiu com Mier e alçou bolas na área de Julio César com perigo, mas foi inferior, sobretudo na primeira metade dos 45 minutos iniciais. Cresceu um pouco quando David Luiz, sangrando no nariz, passou mais de cinco minutos fora do gramado.
No segundo tempo, Felipão trocou Hulk de lado, colocando-o na esquerda, para fazer dupla com Marcelo. Por ali o México preocupou, com Mier, Flores e Giovani. O técnico queria reforçar a marcação. Ajudou, mas a Seleção reduziu o ritmo na volta do intervalo e buscou o contra-ataque, deixando a iniciativa do jogo com o México.
O rendimento da Seleção caiu muito, e a equipe de Manoel de la Torre quase empatou. Giovanni e Chicharito começaram a ter vantagem pelos lados, bem abertos, inibindo os avanços de Daniel e Marcelo. O Brasil pareceu ter sentido o ritmo frenético do primeiro tempo.
A marcação afrouxou. Ainda assim, Hulk perdeu chance aos 10 e Neymar logo em seguida. O México rondou e levou perigo. Poderia ter empatado, com Chicharito, a 36 minutos, já com o ponteiro Barreira levando Marcelo à loucura. Mas foi Jô, de novo no finzinho, como diante do Japão, que fez o 2 a 0 completando para as redes após jogada sensacional de Neymar pela esquerda.
Ao final, além da segunda vitória seguida na competição, um dado importante: pela terceira vez seguida, a Seleção não levou gol (França, Japão e México).

0