Bom dia! Veja os destaques dos principais jornais desta quinta-feira, 18 de julho. Fotografia ganha novo espaço em Cabo Frio.Mais de 60 fotos sobre a cidade inaugura novo espaço para divulgação da fotografia.

Diferentes olhares sobre Cabo Frio é o tema do trabalho de 25 fotógrafos que vão inaugurar o primeiro espaço público na Região dos Lagos (RJ)  dedicado a arte fotográfica. Nesta sexta-feira,19,  às 20h, o Centro de Artes Visuais CAV, na Praia do Forte próximo ao teatro, abre as portas para a exposição “Múltiplo Olhar” uma visão diferente sobre a cidade. 

Folha de S.Paulo
Agora S.Paulo
O Estado de S.Paulo

Mantega diz que não há mais espaço para corte de imposto
O Globo

Depois das ruas: TCM recua e faz devassa em empresas de ônibus
Valor Econômico

Consórcio ameaça desistir de ampliar Santo Antônio
Correio Braziliense

Nas mãos de Deus
Estado de Minas

Motoristas atropelam campanha educativa
Zero Hora

Burocracia atrasa obras para desafogar a BR-116
*
Jornais internacionais
The New York Times (EUA)
Momento de mudanças na Síria reforçam posições de Assad
The Washington Post (EUA)
Disputa força EUA a retirada de reforços
The Guardian (Reino Unido)
Revolução no corte de gastos para cuidados com idosos
Le Figaro (França)
Impostos, taxas: o que esperar em 2014
El País (Espanha)
Presidente do tribunal constitucional, pagou cotas de militante do PP


-----------------------------------------------------------------------------------
O Globo

Manchete: Depois das ruas: TCM recua e faz devassa em empresas de ônibus
Tribunal suspeita de formação de cartel e manipulação de receitas e despesas.

Decisão ocorre apenas 22 dias depois que o órgão arquivou a mesma investigação. Prefeitura terá que explicar por que fixa tarifas com base em dados não auditados e fornecidos pelas próprias empresas.

O Tribunal de Contas do Município decidiu realizar uma devassa nas empresas de ônibus do Rio apenas 22 dias depois de arquivar uma investigação de cartel no setor. Os conselheiros suspeitam agora de irregularidades na concorrência feita pela prefeitura em 2010, já que as empresas agrupadas em consórcios são as mesmas que operavam antes individualmente. O TCM criou ainda uma força-tarefa para auditar receitas e despesas das empresas. O objetivo é saber como as tarifas são fixadas, pois as informações sobre custos são prestadas pelos próprios empresários. A presidente Dilma Rousseff disse que fará um amplo debate sobre transporte público no país e comparou ônibus a latas de sardinha. (Págs. 1 e 9)
Alves defende dar carona a políticos
O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB), disse não ver problema em dar carona a políticos em voos da FAB. (Págs. 1 e 3 e Merval Pereira)
Fifa teme por novos protestos
O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que a repetição de protestos na Copa de 2014 poria em dúvida o acerto da escolha do Brasil. (Págs. 1 e caderno esportes)
Protesto fecha o Zuzu Angel e a Lagoa-Barra 
Moradores da Rocinha caminham pelo Túnel Zuzu Angel após manifestação que fechou a Lagoa-Barra, dando um. nó no trânsito da Zona Sul e da Barra. A partir das 17h25m, a autoestrada foi fechada várias vezes. Os dois sentidos da via foram bloqueados totalmente por duas horas. O motivo do ato, que reuniu mil pessoas, foi o desaparecimento de um morador durante uma operação policial. (Págs. 1 e 15)
Visita do Papa: Peregrinos já enchem ruas do Rio
A poucos dias da Jornada, peregrinos de vários países já se divertem no Rio. O espaço montado no Galeão, o "Fun Zone", é um dos pontos mais animados. O Vaticano afirmou que confia no Brasil para garantir a segurança do Papa. (Págs. 1 e 10 a 13)
Balança comercial: Déficit pode chegar a US$2 bilhões
O Brasil deve registrar, este ano, déficit comercial, o que não ocorria desde 2000. A previsão da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) é de rombo de US$ 2 bi. (Págs. 1 e 21)
Nos EUA, lucros elevados
Cinco anos após a crise, lucros dos bancos americanos quase dobram e surpreendem os analistas. (Págs. 1 e 22)
Busca e apreensão: PF investiga fraudes no Minha Casa
Policiais federais cumpriram oito mandados de busca e apreensão para investigar fraudes denunciadas pelo GLOBO no programa. (Págs. 1 e 8)
Auditoria: Irregularidades na Biblioteca Nacional
Relatório da Controladoria Geral da União indica superfaturamento, conflitos de interesse e convênios da instituição com entidade inadimplente. (Págs. 1 e Segundo Caderno)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Mantega diz que não há mais espaço para corte de imposto
Em reunião do Conselho de Desenvolvimento, a presidente afirmou que a inflação ficará dentro da meta

Em busca do cumprimento do esforço fiscal, o ministro Guido Mantega (Fazenda) disse que não há mais espaço para cortes de impostos. Em entrevista a Adriana Fernandes, ele avisou que as desonerações “pararam”, após dois anos e meio como principal mote da política econômica do governo Dilma Rousseff. Segundo Mantega, “as desonerações que foram feitas são suficientes” e, pela primeira vez, reconheceu que “não há mais espaço fiscal”. A decisão de congelar desonerações ocorre no momento em que o Congresso amplia renúncias fiscais e o governo analisa cortes de despesas do Orçamento para cumprir a meta de economizar 2,3% do PIB. Em reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, a presidente Dilma Rousseff disse que o País vai fechar 2013 com inflação na meta e IPCA “próximo de zero” em julho. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)

Dilma Rousseff
Presidente
“Falar em descontrole da inflação ou das despesas é desrespeito à lógica”
Dilma afirma que plebiscito e reforma são ‘imprescindíveis’
A presidente Dilma Rousseff reafirmou ontem que considera a consulta popular (plebiscito) “imprescindível” para mudar a política brasileira. Ela insistiu que essa é a resposta para o clamor das ruas, mas admitiu que não houve cobrança por reforma política. O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), coordenador do grupo de trabalho da reforma na Câmara, porém, foi categórico: “Este grupo não aprovará nenhuma medida para 2014. O que aprovarmos aqui vai valer para 2016 e para 2018”. (Págs. 1 e Política A4)
Espuma persistente
Dez anos depois de o Estado ter denunciado a poluição do Tietê na cidade de Pirapora do Bom Jesus, o ‘tapete’ de espuma continua a cobrir o rio. Medidas tomadas pela Sabesp e a Empresa Metropolitana de Água e Energia funcionaram por pouco tempo. (Págs. 1 e Metrópole A21)
Para ministro, segurança do papa é o povo brasileiro
A cinco dias da chegada do papa Francisco ao Rio para a Jornada Mundial da Juventude e em meio ao temor de protestos, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, admitiu ontem que faltam detalhes para fechar a agenda papal. O ministro da Secretaria Especial da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmou que a fraternidade dos brasileiros será a “principal segurança” do pontífice no País. (Págs. 1 e Metrópole A14 a A16)

Defesa mobiliza 14,2 mil

Durante a visita do papa, 10.266 militares estarão em ação e outros 4 mil, em alerta, 7 mil a mais que o estimado. (Págs. 1 e A15)
Novo Código de Processo Civil acelera ações
Comissão especial da Câmara aprovou ontem o novo Código de Processo Civil. Entre as mudanças está a tentativa de tomar mais rápido o julgamento de ações repetitivas - como a de centenas de clientes contra operadoras de telefonia. Outras alterações são a exigência de audiências públicas antes que um juiz determine reintegração de posse de uma área e a cobrança de multa em caso de recurso protelatório. (Págs. 1 e Política A8)
Inscritos no Mais Médicos superam vagas
O número de inscritos no Mais Médicos, programa do governo que pretende levar profissionais para o interior do País, tinha chegado ontem a 11,7 mil, para 10,4 mil vagas. O ministro Alexandre Padilha determinou que o Ministério da Saúde entre em contato com candidatos para checar o real interesse. Há suspeita de que médicos estariam se inscrevendo para depois desistir e tumultuar o processo. (Págs. 1 e Metrópole A18)
Esportes: Blatter questiona escolha do Brasil
O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que os protestos de junho o preocuparam e talvez o Brasil não seja a sede certa para a Copa. (Págs. 1 e A23)
Universidade do Ceará é acusada de racismo (Págs. 1 e Metrópole A20)

Conservador chileno deixa candidatura
O candidato governista à presidência do Chile, Pablo Longueira, abandonou ontem a disputa, marcada para novembro, alegando problemas de saúde. A decisão do conservador representa uma reviravolta no ambiente político chileno. Longueira tinha 25% das intenções de voto e a ex-presidente Michelle Bachelet, 39%. (Págs. 1 e Internacional A9)
Cabral é alvo de mais um protesto
Manifestantes protestam no Leblon perto da casa de Sérgio Cabral (PMDB) e pedem o impeachment do governador do Rio. A polícia isolou o prédio. (Págs. 1 e Metrópole A14)
Demétrio Magnoli 
A mensagem da ‘segunda Tahrir’

A nova revolução egípcia, precipitada pelas manifestações na Turquia, assinala reversão de tendência. O Islã político encontra-se na defensiva. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)
Veríssimo
O que significa orégano

Que garantia temos que os EUA não se enganarão de novo, e verão ameaças à segurança americana nas nossas comunicações mais inocentes? (Págs. 1 e Caderno 2, C12)
Notas & Informações
Reforma política e trapaça

Se o trabalho da comissão da reforma política for aprovado, os indícios apontam para retrocesso. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: Nas mãos de Deus
Um dia depois de a Abin apontar manifestações de rua como o maior risco à visita do papa Francisco, ministro diz que segurança do pontífice no Brasil será feita pelo povo.

Logo cedo, a Santa Sé informou não temer protestos e avisou que a agenda do papa será mantida. Em Brasília, o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) afirmou que “a principal segurança” do líder católico no país seria o povo. Mas, à tarde, no Rio, o tom mudou em reunião dos ministros José Eduardo Cardozo (Justiça), Celso Amorim (Defesa) e do governador Sérgio Cabral com a guarda do Vaticano. Em discussão: o temor de que grandes mobilizações cruzem o caminho de Francisco e haja atos de vandalismo. Ontem mesmo, manifestantes atearam fogos a bonecos e fecharam a rua onde mora Cabral. Vaiado no Mané Garrincha, em 15 de junho, o presidente da Fifa voltou a expressar preocupação com a Copa de 2014 por causa dos protestos no país. (Págs. 1 e 2,3,27 e superesportes 11)

Aeroporto construído em fazenda é irregular
Área rural pública cedida a fazendeiro, em São Sebastião, é destinada exclusivamente a atividades agropecuárias. "Parece estranho que haja venda de áreas para construção de hangares, o que não é permitido”, diz Moisés José Marques, diretor de Regularização de Imóveis Rurais da Terracap. Apesar disso, a Anac e a administração regional autorizaram o funcionamento do autódromo no local. (Págs. 1 e 21 a 23)


Dilma vê contas públicas e inflação sob controle
Em reunião, no Itamaraty, presidente apontou o recuo na alta do custo de vida em junho e julho e disse que inflação fechará o ano dentro da meta—o teto é de 6,5%. Mas, segundo analistas, alívio nos preços é momentâneo. (Págs. 1 e 8 e 9)
Joaquim Barbosa suspende criação de quatro tribunais (Págs. 1 e 6)

------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Consórcio ameaça desistir de ampliar Santo Antônio
O grupo responsável pela hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira (RO), já pensa em desistir do bilionário projeto de ampliação da usina. A concessionária, liderada por Furnas e pela Odebrecht, ficou insatisfeita com a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o assunto e tenta mudá-la. Se isso não ocorrer até o início de agosto, perde-se a derradeira janela climática para a execução da obra neste ano, o que deverá levar ao engavetamento definitivo do projeto.

No mês passado, em tentativa para dar fim à disputa entre os grupos que constroem as usinas de Santo Antônio e de Jirau, a Aneel autorizou o aumento da cota (altura do espelho d'água) do reservatório de Santo Antônio de 70,5 para 71,3 metros, o que permite a instalação de seis turbinas adicionais na hidrelétrica e um ganho de 207 MW médios. (Págs. 1 e B5)















Crédito perde fôlego em banco estatal
Projeções de analistas e relatos de executivos de bancos privados dão conta de que os desembolsos dos bancos públicos já começaram a perder fôlego, tal como vem ocorrendo nos bancos privados.

Mas, segundo um vice-presidente de uma instituição controlada pelo governo, é só a partir deste semestre que os bancos públicos deverão colocar o pé no freio, na esteira da desaceleração econômica. (Págs. 1 e C1)
No Conselhão, um 'recado' da presidente
O plenário do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) foi o cenário de uma sutil reafirmação da presidente Dilma Rousseff. Em meio aos rumores - negados oficialmente - de que fará mudanças na equipe econômica, ela passou um recado: quem define os rumos da política econômica trabalha no Palácio do Planalto e não na Esplanada dos Ministérios. Um detalhe não passou despercebido. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, cancelou viagem a Moscou para o G-20 e foi ao Conselhão, mas não fez sua tradicional apresentação sobre a conjuntura e os impactos da crise internacional sobre o Brasil. Coube à própria presidente comentar a situação econômica do país e sinalizar o que está por vir. (Págs. 1 e A3)
Em Moscou, um G-20 de 'assustados'
A preocupação com a coesão social, diante do desemprego recorde e da desconfiança generalizada nas instituições, marcará a reunião de ministros do G-20, amanhã, em Moscou. Será o primeiro encontro das maiores economias desenvolvidas e emergentes com participação dos ministros do Trabalho, além dos de Finanças.

"Há um sentido de urgência e as autoridades estão um pouco assustadas", afirmou um participante ao Valor. Existe uma falta de confiança generalizada no mundo, de governos, partidos, bancos e sindicatos. Manifestações de rua ocorrem na Rússia, Indonésia, Índia, África do Sul, Chile, Peru, Turquia e Brasil. Sem falar dos países em crise na Europa, como Grécia, Portugal e Espanha, onde o desemprego chega a 25%. No mundo todo, há 200 milhões de desempregados. (Págs. 1 e A13)
Base aliada e oposição atacam MP dos médicos
Prioridade do Palácio do Planalto na volta dos trabalhos legislativos, em agosto, a Medida Provisória (MP) 621, que institui o programa Mais Médicos, já recebeu 567 emendas de parlamentares que poderão desfigurar a proposta - a maior parte delas sugerida por partidos que integram a base de apoio da presidente Dilma Rousseff. O número elevado de emendas - a polêmica MP dos Portos recebeu 646 - é um indicativo das dificuldades que o governo enfrentará para aprovar o texto no Congresso.

Resultado do lobby das entidades médicas, o objetivo da maioria das emendas pode ser resumido a dois pontos: derrubar a exigência de dois anos adicionais na graduação de medicina para atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS) e barrar a vinda de médicos estrangeiros ao país. (Págs. 1 e A10)
Pan e BTG criam credenciadora de cartões 
Uma nova credenciadora de cartões, empresa que captura as transações no varejo, deve começar a operar no país até o fim do ano. O projeto é capitaneado pelos criadores da Braspag, companhia de pagamentos que atua em comércio eletrônico e que hoje pertence à Cielo, e terá como sócios o Banco Pan (antigo PanAmericano) e o BTG Pactual, conforme apurou o Valor. Ainda sem nome, mas chamado internamente de "Projeto Stone", a credenciadora será concorrente da Cielo e da Redecard, que detêm 95% do mercado. (Págs. 1 e C12)
No longo prazo, bolsa tende a ganhar da taxa de inflação
Estudo feito pelo banco HSBC mostra que, tomando-se intervalos de tempo mensais, trimestrais, semestrais, anuais, bienais, trienais ou quinquenais, o desempenho do Ibovespa superou a inflação em mais de 50% das ocasiões desde o início do Plano Real, em 1994. Houve, sim, períodos em que o principal índice da bolsa brasileira ficou abaixo da inflação, mas predomina a tendência contrária, segundo Gilberto Poso, superintendente-executivo de gestão de patrimônio do HSBC.

Faz sentido, afirma Poso, aplicar no Ibovespa para preservação de capital no longo prazo. O que não dá para afirmar, com base no passado, é que a aplicação em bolsa tem valido mais a pena que a renda fixa no Brasil - marcada por juros altos. O levantamento do HSBC compara o Ibovespa com a inflação e também com o CDI, o juro interbancário usado como referência para aplicações de renda fixa. (Págs. 1 e D1)
CPFL Renováveis sai no piso
Com pouca demanda, a CPFL Renováveis concluiu sua oferta pública inicial de ações no preço mínimo sugerido. A operação só foi adiante devido à garantia de colocação dada pelo BTG Pactuai e pela ordem de compra que já havia sido efetuada pela Previ. (Págs. 1 e B6)
Usinas sob pressão
Custos crescentes e preços do açúcar em declínio deverão mais uma vez pressionar os resultados das usinas do Centro-Sul. Para especialistas, a safra 2013/14 será marcada por baixa geração de caixa e endividamento persistente. (Págs. 1 e B12)
E-mail vigiado
Preocupação com a segurança das informações faz triplicar a venda de softwares que monitoram o uso do correio eletrônico corporativo colocado à disposição dos funcionários das empresas. (Págs. 1 e D3)
Devolução de tributo
Superior Tribunal de Justiça decide que contribuinte que aderiu a parcelamento de dívidas fiscais tem direito a restituição de tributo que decaiu antes do ingresso no programa. (Págs. 1 e El)
Ideias
Ribamar Oliveira

PEC 565, que obriga a execução das emendas dos parlamentares ao Orçamento, já impõe dificuldades ao governo. (Págs. 1 e A2)

Fernando Barbosa e Sérgio Weriang

A elevação da demanda só faz aumentar os salários reais no curto prazo e a inflação no médio prazo. (Págs. 1 e A14)
Bernanke ainda deixa opções sobre o estímulo monetário em aberto (Págs. 1 e B8)

------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas

Manchete: Motoristas atropelam campanha educativa 
Faixa tem efeito contrário e vira risco para pedestres em Belo Horizonte.

Cinco meses depois do lançamento da campanha “Pedestre, eu respeito”, a falta de educação de motoristas continua uma séria ameaça a quem anda a pé em Belo Horizonte. O EM flagrou o mau comportamento em três cruzamentos. Durante cinco minutos em cada um, 133 (93%) dos 143 veículos desrespeitaram a sinalização e pararam sobre a faixa de pedestres, à beira do cruzamento ou até aceleraram. Na Rua Antônio de Albuquerque com Avenida do Contorno, por exemplo, um casal de idosos teve de esperar a passagem de 17 carros para atravessar. De janeiro a maio, 471 pedestres foram internados no Sistema Único de Saúde (SUS), número 29% maior que a média no período nos últimos cinco anos. (Págs. 1 e 17 e 18)
Recesso branco: PMDB orienta parlamentares a evitar fotos constrangedoras (Págs. 1 e 4)

Protestos na Copa: Polícia caça 28 flagrados em vandalismo
Imagens de envolvidos em depredações e saques em BH durante a Copa das Confederações foram distribuídas pela Polícia Civil para que a população ajude na identificação. Outros 52 reconhecidos por vídeos e fotos foram indiciados. Vândalos responderão por crimes como dano ao patrimônio, furto, roubo, incêndio e tumulto em dias de evento esportivo. (Págs. 1 e 21)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio
Manchete: Mais luzes na rua contra a violência
A PCR detalhou ontem o Pacto pela Vida municipal e iluminação será prioridade em pelo menos 193 locais nos 13 bairros mais violentos do Recife. Mais de R$ 50 milhões serão investidos. (Págs. 1 e Cidades 3)
Fotolegenda: À espera do papa
Franceses que estarão na Jornada Mundial visitaram crianças na pediatria do Maria Lucinda. Protestos não vão alterar a agenda de Francisco. (Págs. 1, 9 e Cidades 5)
Telexfree barra acesso de clientes
Usuários ficaram impedidos de ver suas contas nos “escritórios virtuais”. (Págs. 1 e Economia 1)
Campus Party é aberta já de olho em 2014
Eduardo Campus discursou na solenidade antecipando o encontro seguinte. (Págs. 1 e Economia 4)
Mais Médicos
Com 11,7 mil inscritos, programa para reforçar a saúde superou a expectativa do Ministério. (Págs. 1 e 10)
Protestos, prisão e muitas reclamações
Sindicalista foi detida durante ato de enfermeiros, à tarde, na Agamenon. À noite, confusão em manifestação por religamento da energia. (Págs. 1, Capa dois e Cidades 5)
Recifense não conhece a reforma política
Pesquisa IPMN/JC mostra que quase 60% dos eleitores não sabem o que é a reforma. E quem entende não acredita em sua implantação. (Págs. 1, 6 e 7)
Crise diplomática
Coreia do Norte exige devolução de navio com armas obsoletas apreendido pelo Panamá. (Págs. 1 e 14)
Fotolegenda: Em obras 
DER começa a realizar o recapeamento da BR-101, entre Jaboatão e Paulista. (Págs. 1 e Cidades 4)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete: Burocracia atrasa obras para desafogar a BR-116
Enquanto usuários de automóveis e ônibus sofrem em congestionamentos, promessas do governo federal para melhorar o trânsito na rodovia não têm prazos cumpridos. (Págs. 1 e 4 e 5)
Porto Alegre: Acordo prevê desocupação da Câmara
Manifestantes prometem deixar prédio após oito dias.

Quem são e o que querem os ativistas. (Págs. 1 e 34 e 35)
Repórter na saúde: Descumprida a lei para tratar câncer
Espera para atendimento pelo SUS não poderia ultrapassar 60 dias. (Págs. 1 e 36)
------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico
Manchete: Uso do porto definirá compra da CSA
A Companhia Siderúrgica Nacional terá que convencer a Vale a liberar o terminal construído na Baía de Sepetiba, considerado estratégico pela CSN, que precisa ampliar sua capacidade logística. Para a Vale, sócia minoritária da CSA, dar acesso significa fortalecer um concorrente no mercado externo. (Págs. 1 e 10)
Dilma endurece discurso
A presidente garantiu que o país fechará o ano com a inflação na meta, sem perder o controle das contas públicas. Ela atacou o que chamou de pessimismo dos críticos: “O barulho tem sido muito para o fato”. (Págs. 1, 3 e 32)
Classe C: Retração e alta de preço inibem novas compras
O comportamento da economia e a inflação estão inibindo o consumo de bens duráveis pela baixa classe C, que passou a pesquisar mais preços dos alimentos. (Págs. 1, 4 e 5)
Câmbio: IPCA sofrerá impacto de 0,4 até janeiro
A recente alta do dólar, que ontem fechou cotado em R$ 2,22, causará um efeito inflacionário de 0,4 ponto percentual nos próximos dois trimestres, dizem especialistas. (Págs. 1 e 6)
Nadja Sampaio: Conciliação é o melhor caminho para ambas as partes (Págs. 1 e 19)

Reforma política: Comissão da Câmara faz uma reunião e entra em recesso (Págs. 1, 8 e 9)

------------------------------------------------------------------------------------
EBC Serviços
0