Líderes religiosos discutem a projeção na imprensa das comunidades que representam

Guilherme Sardas e Thaís Naldoni
Para alguns, futebol, política e religião não se discutem. Para evitar embates acalorados, às vezes gratuitos, já que cada indivíduo tremula a bandeira ou professa a crença que bem entender. Mas, se no âmbito pessoal poucos resistem a uma boa “troca de ideias”, quando se trata do espaço social, da mídia e das páginas da imprensa, o papo se faz necessário.

Crédito:Alf Ribeiro
Desta tríade de temas, os dois primeiros já foram tratados por aqui [edições 288 e 290]. Chegou a vez do terceiro. A imagem das religiões projetada nos veículos do país, o acesso a eles por seus membros, a percepção do preparo do jornalista quando o assunto é “sagrado”.

Confira este papo, realizado no último dia 10 de junho, na cantina Carlino, em São Paulo. Os convidados são: Dom Mathias Tolentino Braga, abade do Mosteiro de São Bento; Michel Schlesinger, rabino da Congregação Israelita Paulista (CIP); Julia Nezu, presidente da União das Sociedades Espíritas do Estado de SP (USE-SP); Pai Guimarães, sacerdote umbandista e presidente da Associação Brasileira dos Templos de Umbanda e Candomblé (Abratu); e Aldo Quintão, reverendo da Catedral Anglicana de São Paulo.

Confira as imagens de bastidor da reunião de pauta aqui.
Leia a reportagem completa na edição 291 de julho de IMPRENSA.
0