Não deixem que lhes roubem a esperança, diz papa em discurso

Na cerimônia que marcou a inauguração de um centro para dependentes químicos no Hospital São Francisco de Assis da Providência de Deus, no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, o Papa Francisco ressaltou a importância de ajudar o próximo, pediu a fiéis que sejam "portadores de esperança" e abençoou centenas de peregrinos que ignoravam a chuva e o frio para estar próximos ao Pontífice.



— Hoje, neste lugar de luta contra dependência química, quero abraçar cada um e cada uma de vocês. Vocês são carnes de Deus. Precisamos todos aprender a abraçar aos que passam necessidade, como fez São Francisco — disse o Papa, em seu discurso a um público estimado em 1,5 mil pessoas.
Após ouvir depoimentos de ex-usuários de drogas, o Pontífice afirmou que há inúmeros problemas no Brasil e no mundo que "clamam por atenção e amor". Entre eles, a luta contra a dependência química.
— Não é deixando livre o uso das drogas, como se discute em várias partes da América Latina, que se conseguirá reduzir a influência da dependência química. É necessário enfrrenar os problemas que estão na raiz do uso das drogas, acompanhado os que estão em momentos de dificuldade e dando esperança no futuro — defendeu Francisco.
Assim como na missa realizada em Aparecida, na manhã desta quarta-feira, a palavra "esperança" mais uma vez ganhou destaque no discurso do Papa. Em uma fala voltada para jovens que sofrem ou sofreram com o uso de drogas, Francisco pediu que "não deixem que lhe roubem a esperança".
— Tornemo-nos portadores de esperança — concluiu o Papa.
A cerimônia, realizada na capela da instituição, começou pouco antes das 19h e foi acompanhada por fiéis, pacientes e autoridades religiosas e políticas.
A cerimônia, realizada na capela da instituição, começou pouco antes das 19h e foi acompanhada por fiéis, pacientes e autoridades religiosas e políticas.
Aplaudido no fim da cerimônia, o Pontífice se encaminhou para a residência oficial onde está hospedado. O papa Francisco deixou o hospital num carro fechado, mas, mesmo com a chuva, abriu o vidro para acenar para os fiéis.


A inauguração
Para dar início à cerimônia, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, explicou ao Papa as funcionalidades do hospital e pediu bênção para a obra e a para os "irmãos" que trabalham na instituição. O centro de dependentes químicos, que vai atender principalmente usuários de crack, é considerado um dos maiores legados da Jornada Mundial da Juventude para o Rio.
Emocionados, ex-dependentes químicos falaram ao Papa suas experiências com drogas e agradeceram a visita do Pontífice ao Hospital. Dois jovens, filhos de ex-dependentes, entregaram ao Papa uma imagem de São Francisco de Assis, feita por um ex-dependente, e flores.
ZERO HORA
0