Bom dia! Confira os destaques dos principais jornais desta sexta-feira, 30 de agosto. Acontece hoje a ‘Parada ao Por do Sol’ no Terminal de Transatlântico de Cabo Frio.



A Guarda Marítima e Ambiental de Cabo Frio (GMA), órgão ligado à secretaria municipal de Ordem Pública, realiza nesta sexta-feira (30/8), às 17h42min – horário do por do sol no dia – uma cerimônia denominada ‘Parada ao Por do Sol’, no Terminal de Transatlânticos do município, que fica no final da Avenida Assunção.
De acordo com o superintendente da GMA, comandante Sérgio Guedes, o evento constará do Cerimonial ao Pavilhão Nacional que será arriado por ocasião do por do sol.
- Após o arriar da bandeira, o Terminal de Transatlântico será iluminado com a sua iluminação noturna e o mastro da bandeira com uma iluminação especial, que permitirá novamente o içamento da Bandeira Nacional no mastro iluminado, informou Guedes.
A cerimônia será acompanhada pela Banda "Santa Helena" que tocará o Hino Nacional.
Após o término do cerimonial da Bandeira Nacional, componentes da Guarda Marítima fará uma apresentação de “ordem unida”, sem comando de voz, denominada de “silent drill” e em seguida leitura do Boletim Interno e entrega dos Certificados aos Guardas Marítimos que concluíram recentemente o Curso de Prevenção e Combate a Incêndio no Mar e finalizando será oferecido um "café vespertino" aos convidados que deverão chegar ao local até as 17h20min.





------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O Globo

Manchete: De costas para as ruas - Caso de deputado-presidiário deve agilizar fim do voto secreto
Ministros do STF afirmam que manter mandato de condenado é inconstitucional

Presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, ameaça incluir na pauta da próxima terça-feira emenda que acaba com votações sigilosas; movimentos de combate à corrupção também defendem medida

A votação sigilosa que livrou da cassação o deputado-presidiário Natan Donadon (sem partido-RO), condenado no Supremo Tribunal Federal por peculato e formação de quadrilha, provocou onda de reações, aumentando a pressão pelo fim do voto secreto. Ministros do STF disseram que Donadon teve os direitos políticos suspensos e que, portanto, a decisão da Câmara foi inconstitucional e afronta a Corte. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, anunciou que incluirá na pauta da próxima terça emenda que acaba com votações secretas. Ao fim da votação de anteontem, Donadon voltou para a cadeia. "Os reeducandos da Papuda estão homenageados”, ironizou o ministro Marco Aurélio, do STF. (Págs. 1 e 3 a 8)

Petistas e mensaleiros entre ausentes

Com 131 votos contra a cassação, 54 ausentes e 50 que foram à Câmara e não votaram, a maioria da Câmara acabou ajudando a livrar Donadon. Petistas eram o maior grupo entre os ausentes. Os mensaleiros também faltaram. Dos deputados do Rio, cinco não votaram. (Págs. 1 e 3 a 5)

Fotolegenda: “Povo tem o direito de execrar esta Casa”
Deputado Amir Lando, ao assumir a vaga de Donadon

Colunistas
Merval Pereira: A decisão de não cassar o mandato de Donadon pode repercutir no julgamento do mensalão. (Págs. 1 e 4)

Nelson Motta: Donadon é o símbolo máximo do ponto mais baixo a que se pode chegar. (Págs. 1 e 23)

Ancelmo Gois: O detento Donadon teria conseguido uns 30 votos ao atacar o MP. (Págs. 1, 18 e 19)

Ilimar Franco: Aprovar emenda pelo fim do voto secreto exige articulação e negociação. (Págs. 1 e 2)

Editorial: Câmara passa dos limites
Decisão foi uma das mais desastrosas do Congresso sob a inspiração do corporativismo e precisa ter reação rápida. (Págs. 1 e 22)
Mensalão: STF rejeita recursos de Dirceu
Por oito votos a três, os ministros do Supremo Tribunal Federal mantiveram ontem a pena de dez anos e dez meses de prisão, por formação de quadrilha e corrupção ativa, do ex-ministro da Casa Civil. (Págs. 1 e 10)
Parlamento veta ação militar britânica na Síria
O primeiro-ministro britânico foi derrotado no Parlamento, que, sob a sombra dos erros da Guerra do Iraque, rejeitou uma intervenção militar na Síria. Deputados exigiram mais provas de que o ataque químico na Síria partiu do regime de Assad. Nos EUA, o presidente Obama também enfrenta pressão, mas já cogita agir sozinho. (Págs. 1, 34 e 35)
Polícia devassa negócios de Zarur
Policiais recolhem documentos da sede da Santa Casa de Misericórdia, no Centro. Investigado por fraudes na venda de sepulturas e imóveis da entidade, o provedor Dahas Zarur foi afastado do cargo e teve as contas bancárias bloqueadas pela Justiça. Zarur estava há 60 anos na Santa Casa. (Págs. 1, 12 e 14)
Polícia mira corintianos
Delegado vai investigar se mais torcedores corintianos presos na Bolívia brigaram no Mané Garrincha. Vasco e Corinthians são denunciados no STJD. (Págs. 1 e Caderno Esportes)
Biografias: Histórias vão parar na gaveta
A luta de autores pela publicação de trabalhos não autorizados, contra herdeiros de celebridades como a bilionária Lily Safra. (Págs. 1 e Segundo Caderno)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Após livrar Donadon, Câmara quer voto aberto em cassações
Objetivo é evitar que episódio se repita no julgamento de condenados no mensalão

Ao não cassar o mandato do deputado federal Natan Donadon (sem partido-RO), que está preso por ter sido condenado no STF, a Câmara colocará em votação proposta que acaba como voto secreto para esse tipo de decisão. O objetivo é evitar que o episódio se repita no caso dos condenados no mensalão. O presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), espera concluir o trâmite da proposta em outubro. No Senado, a articulação é para uma regra que torne automática a perda de mandato em caso de condenação criminal. O fim do segredo em processos de cassação foi aprovado pelo Senado e tramita na Câmara. O PT foi o partido que mais teve deputados que faltaram à votação de Donadon. Entre os ausentes estão os quatro condenados no mensalão: João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP), Pedro Henry (PP-MT) e José Genoino (PT-SP), de licença médica. (Págs. 1 e Política A4 e A6)

Dora Kramer

Sob forte concorrência, a Câmara faz jus ao troféu vergonha alheia do ano, ao rejeitar a cassação do mandato de Natan Donadon. (Págs. 1 e A6)

Toffoli se nega a falar de base financeira de empréstimo
O ministro Dias Toffoli se recusou ontem a detalhar seus ganhos além do salário no STF, usados, segundo ele, para pagar prestações de dois empréstimos de R$ 1,4 milhão com o Banco Mercantil do Brasil, conforme revelou ontem o Estado. Ele também não se declarou suspeito. A assessoria de Toffoli alegou, em nota, que os rendimentos, recursos e o patrimônio do ministro são os declarados à Receita. (Págs. 1 e Política A7)

R$ 16,7 mil
mensais Toffoli paga pelos empréstimos após redução de juros.

STF mantém pena imposta a Dirceu no mensalão
O Supremo Tribunal Federal rejeitou ontem o recurso apresentado pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado como chefe do esquema do mensalão, e manteve a pena de 10 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa. A maioria do tribunal julgou não haver contradição, omissão ou erro no julgamento do ano passado, quando Dirceu e outros 24 réus do mensalão foram condenados. (Págs. 1 e Política A6)

Joaquim Barbosa
Presidente do Supremo
“Os condenados tentam adiar o fim do processo e a execução das penas”

Fotolegenda: Já somos 200 milhões
Em quatro décadas, a população brasileira dobrou e o País chegou a 201.032.714 habitantes, indica o IBGE. Mas a tendência é que a população aumente em um ritmo cada vez menor. (Págs. 1 e Metrópole A20)
EUA estão dispostos a agir sozinhos contra a Síria
Enfrentando resistência a uma ação militar na Síria, o governo Barack Obama está disposto a atacar o país mesmo sem apoio de seu principal aliado, a Grã-Bretanha, e o aval da ONU, informou ontem o New York Times, citando fontes da Casa Branca. Segundo o jornal, a operação poderia começar nos próximos dias, assim que os inspetores da ONU que investigam o ataque com armas químicas deixarem a Síria, o que deve ocorrer amanhã. (Págs. 1 e Internacional A12 a A14)
Governo reduz meta de superávit para 2014
Enviada ontem ao Congresso, proposta de Orçamento do governo para 2014 prevê corte do superávit primário dos atuais 2,3% para 2,1% do PIB. O resultado das contas públicas foi fixado em 3,2% do PIB, ou R$ 167,4 bilhões, para o setor público. O crescimento do PIB é estimado em 4%. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)
Agência Estado lança ‘Broadcast+’ e aplicativos
A Agência Estado apresenta hoje o Broadcast+, nova versão de sua plataforma de notícias e dados financeiros em tempo real, e aplicativos móveis. Análise com base nos balanços das empresas e dados sobre fundos estão entre as inovações. (Págs. 1 e Economia B14)
Réu na chacina de Unaí confessa participação (Págs. 1 e Política A11)


EUA rejeitam acordo com Brasil sobre dados (Págs. 1 e Internacional A15)


Bolívia pede à Interpol que capture senador
O Ministério Público da Bolívia pediu ontem à Interpol a captura do senador Roger Pinto, que fugiu da Embaixada do Brasil em La Paz com ajuda de um diplomata brasileiro, informa o enviado especial Rodrigo Cavalheiro. (Págs. 1 e Internacional A16)
Fernando Gabeira 
Colhendo os frutos da violência

Os políticos agora refluíram e a polícia parece indecisa sobre o que fazer com a violência que sobrevive no rescaldo das grandes manifestações. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Joschka Fischer 
A luta pelo controle do Oriente

A disputa agora no Egito e na região não é mais entre democracia e ditadura, mas entre a revolução (islâmica) e a contrarrevolução (militar). (Págs. 1 e Visão Global A15)

Notas & Informações
Câmara de horrores

Os protetores de Natan Donadon na Câmara dos Deputados rivalizam com ele em estatura. (Págs. 1 e A3)

------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: Congresso, mostra a tua cara
Saiba como o PT e o PMDB, escondidos atrás do voto secreto, urdiram na noite de quarta-feira a trama que livrou Natan Donadon da cassação. A manobra, que desmoraliza em vez de fortalecer o Legislativo, antecipa qual deve ser o destino de deputados mensaleiros caso o STF não reveja as penas dos réus. Criticada por ministros do Supremo, a decisão da Câmara criou a figura de sua excelência, o presidiário, um escândalo sem precedentes na história do país. Temendo o desgaste político, parlamentares voltaram a defender a aprovação de duas propostas. Uma que acaba com o voto sigiloso em processos de perda de mandato. Outra que torna automática a cassação de condenados em última instância. Mas a oposição não crê que isso ocorra antes da absolvição de Genoino, João Paulo & Cia. Em julgamento, ontem, o STF rejeitou recursos apresentados pela defesa de Dirceu. (Págs. 1, 2 a 6 e Visão do Correio, 14)
Mínimo de R$ 722,90...
Para 2014, o governo federal prevê correção de 6,6% no menor salário pago no país. É o reajuste mais baixo desde 1999. (Págs. 1 e 11)
...e teto em R$ 30,6 mil
STF pede reajuste de 9,26% para o Judiciário. Maior vencimento dos ministros teria efeito cascata no funcionalismo. (Págs. 1 e 12)
Concursos: 66 mil vagas
O Orçamento do governo para o ano que vem estima 66.678 contratações. Seis mil terceirizados serão substituídos. (Págs. 1 e 11)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: BNDES terá spread menor em leilão de infraestrutura
O governo vai reduzir o spread cobrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos repasses de recursos aos bancos para financiamento de concessões de infraestrutura. O objetivo é aumentar a atratividade dessas operações para as instituições financeiras privadas e estatais que atuarem como agentes repassadores.

Hoje, o BNDES cobra 0,75% nos repasses que faz aos bancos que realizam empréstimos com seu funding. O percentual, segundo informou ao Valor uma fonte qualificada, será reduzido drasticamente. “O BNDES cobra 0,75% apenas para ‘carimbar’ os recursos que repassa aos bancos", disse uma fonte a par das discussões. “Isso não faz sentido, até porque o risco dos empréstimos é inteiramente dos bancos". (Págs. 1 e C1)

Superávit fiscal em 2014 será o menor do PT
Ao divulgar ontem a proposta orçamentária do próximo ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que o superávit primário do governo central (Tesouro, Previdência e Banco Central) em 2014 será bem menor do que a meta fiscal prevista para 2013. Segundo Mantega, a proposta foi elaborada com um desconto de R$ 58 bilhões no superávit inicialmente estipulado em R$ 116,1 bilhões ou 2,2% do PIB. Com o desconto, o superávit do governo central em 2014 cairá para RS 58,1 bilhões ou 1,1 % do PIB, que é o menor da era PT. É inferior até mesmo ao registrado em 2009, auge da crise financeira internacional. (Págs. 1 e A3)
Popularidade de Dilma influi no combustível
As três questões básicas que vão definir quando e de quanto vão ser os reajustes dos combustíveis são câmbio, inflação e os efeitos da provável intervenção na Síria sobre o preço do petróleo. Mas não se pensa em correções de dois dígitos. Os cálculos de uma defasagem entre preços internos e externos da ordem de 30% não são avalizados pelo Planalto.

O dilema sobre o reajuste do preço é político e econômico. Segundo aliados do governo, pesquisas internas indicam que a popularidade da presidente Dilma Rousseff está em recuperação. Teria saltado de 36% para 43%, sob o impulso do Mais Médicos. Um aumento da gasolina e do diesel agora poderia abortar esse processo e impor prejuízos à campanha de reeleição. Assessores oficiais garantem, porém, que a decisão de reajustar gasolina e diesel está tomada. (Págs. 1 e A2)

Fotolegenda: Copa à brasileira
No comando dos preparativos para a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos,os dois eventos esportivos mais importantes da história o Brasil, o nacionalista, Aldo Rebelo, ministro dos Esportes, rebate críticas e afirma: o mundial de 2014 será, sim, à moda brasileira. (Págs. 1 e Eu&Fim de Semana)
Recuo sobre usina gera mal-estar
O consórcio CES, formado por Eletro-norte (24,5%), Chesf (24,5%) e Alupar (51%), venceu ontem o leilão de concessão da hidrelétrica de Sinop, oferecendo o valor de R$ 109,40 por megawatt-hora MWh), com deságio de 7,2%. Minutos após a divulgação do resultado, a Alupar publicou comunicado em que afirmava ter desistido de participar do consórcio. Houve grande constrangimento, porque representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) foram avisados sobre a decisão pela imprensa, enquanto concediam entrevista sobre o leilão.

Em seguida, em nota ao Valor, a Alupar informou que cumprirá integralmente todas as obrigações previstas no edital do leilão. Para isso, terá de depositar todas as garantias para a outorga do empreendimento. Se isso não ocorrer, a Aneel vai considerar que houve desistência do consórcio e validar a oferta do segundo colocado. (Págs. 1 e B12)

Previ defende mais ativismo nas empresas
Após anos focada na governança das companhias investidas, a Previ, maior investidor institucional do país, com RS 165 bilhões em ativos, sendo R$ 100 bilhões em participações, vai se dedicar a avaliar a estratégia das empresas. A ideia é incentivar a “perenidade”, explicou ao Valor PRO o diretor de participações da fundação, Marco Geovanne.

“Quero ser um corretor de rumos, que olha para onde a companhia caminha ou se está fora de rota”, diz. Ele detende que as empresas sejam globais, se possíveL Acha que a balança de pagamentos deveria ter não só remessas de lucros e dividendos das multinacionais que estão aqui, mas receita vinda de empresas nacionais com operações fora. As múltis enviaram US$ 12,2 bilhões para fora do país, de janeiro a julho deste ano, enquanto as companhias brasileiras trouxeram US$ 1,1 bilhão. (Págs. 1 e B2)

Receita quer cobrar impostos sobre indenização a elétricas
A redução da conta de luz promete gerar uma disputa judicial entre a Receita Federal e as elétricas que aderiram à renovação antecipada das concessões. O Fisco sinalizou que vai cobrar Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido sobre as indenizações pagas às empresas. Até junho, o governo repassou R$ 10,4 bilhões em indenizações.

Fontes do governo classificam a cobrança como “inevitável” e preveem que a discussão irá à Justiça. Procurados pelas concessionárias, advogados têm sido unânimes na defesa da tese de que não devem ser cobrados impostos, porque não houve pagamentos e sim “indenizações”. (Págs. 1 e El)

Novo Canal do Panamá vai mudar comércio
O projeto de ampliação do Canal do Panamá, que envolve investimentos de US$ 5,25 bilhões, está atrasado quase seis meses em relação ao cronograma original, mas quando a obra for terminada, em meados de 2015, deverá transformar algumas das rotas comerciais mais importantes entre o Atlântico e o Pacífico. Empresas de logística, como ferrovias, tentam avaliar se a expansão irá aumentar substancialmente os embarques diretos para o leste dos EUA. O canal foi se tornando irrelevante à medida que os navios ficaram grandes demais. Hoje, cerca de 50% dos navios porta-contêineres em operação ou encomendados são muito grandes para atravessar suas comportas. (Págs. 1 e A16)
Após Donadon, ressaca moral pode acelerar reformas no Congresso (Págs. 1, A6 e A7)


Emergentes elevam juros para brecar fuga de capitais (Págs. 1 e B13)


GVT avalia reabrir capital
A operadora de telefonia GVT, controlada pela francesa Vivendi, avalia seu retorno à bolsa no ano que vem. A oferta de ações é uma das alternativas para levantar recursos e acelerar o crescimento. (Págs. 1 e B3)
Batalha aérea no Cone Sul
Em disputa com a LAN para retirá-la do Aeroparque, o governo argentino quer que a estatal Aerolíneas Argentinas possa realizar voos domésticos (de cabotagem) no Brasil e no Chile, a título de “direito de reciprocidade”. (Págs. 1 e B5)
Caminhões militares
A MAN, fabricante dos veículos comerciais da marca Volkswagen, e a Mercedes-Benz venceram concorrência para fornecer 1,6 mil caminhões para o Exército. O valor dos contratos soma quase R$ 500 milhões. (Págs. 1 e B10)
Crédito perde fôlego
Empréstimos com recursos livres — onde estão as linhas de capital de giro — às empresas brasileiras recuaram 1; 1% em julho, ante o mês anterior, isso em um período em que o crédito deveria começar a ajudar na composição de estoques de fim de ano. (Págs. 1, C1 e C16)
Isenção de ITR para reserva legal
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a isenção do Imposto Territorial Rural (ITR) é válida para as áreas de reserva legal registradas na matrícula do imóvel. A decisão pacifica o entendimento entre as turmas do Tribunal. (Págs. 1 e E1)
Publicidade do ato administrativo
Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão de segunda instância que condenou a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA) ao pagamento de dano moral por divulgar nome e salário de empregado na internet. (Págs. 1 e E1)
Pequenas e Médias Empresas
Não é feita só de delícias a vida dos empresários do ramo de pizzarias. Até chegar à mesa do cliente, a refeição predileta de muitos brasileiros passa por uma receita que inclui alta carga tributária, dificuldade para treinar e manter a mão de obra e uma concorrência feroz. (Pág. 1)
Ideias
Luiz Fernando Visconti

Projeto do novo Código de Mineração exacerba o poder discricionário e o caráter arrecadatório do Estado. (Págs. 1 e A14)

Martin Sandbu

O capital dos bancos não é uma reserva guardada para um dia de chuva, é fonte de custeio para os bancos e não “concorre" com o crédito. (Págs. 1 e A15)

------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas

Manchete: Quando 280 envergonham 200 milhões
No dia em que a população brasileira ultrapassou oficialmente a marca simbólica e chegou a 201 milhões de habitantes, 20,5 milhões (10,24%) em Minas, o país acordou estarrecido com a decisão da Câmara de rejeitar a cassação do mandato de um deputado preso por corrupção. Graças ao corporativismo de 280 colegas – 131 votos contra, 41 abstenções, quatro obstruções e 104 ausentes –, Natan Donadon (sem partido-RO), que cumpre pena de 13 anos num presídio, foi absolvido. A notícia gerou uma onda de indignação. O combate ao voto secreto voltou com força no próprio Congresso. O ministro do STF Marco Aurélio Mello considerou a decisão “discrepante” com a Constituição. Juristas se dividem quanto à legalidade da decisão, mas afirmam unânimes que é imoral e enxovalha a imagem do Legislativo. Resta à população, que, segundo o IBGE, crescerá mais lentamente, atingindo o ápice de 228 milhões em 2042 e passando a diminuir, esperar que até lá tenha representação parlamentar mais decente. (Págs. 1, 3 a 6, 19, 20 e o Editorial ‘O povo foi humilhado’, 10)
O mal que se apaga
Número de fumantes em BH cai 25% em 6 anos

Pesquisa do Ministério da Saúde revela que parcela da população tabagista acima de 18 anos na capital diminuiu de 16% para 12% entre 2006 e o ano passado. Apesar de as leis antifumo terem ficado mais rigorosas no período, o aumento do preço dos cigarros foi o principal motivo para os moradores de BH abandonarem o hábito. No Brasil, os fumantes passaram de 15% para 12% dos habitantes, queda de 20%. (Págs. 1 e 21)

STF rejeita redução de pena de Dirceu
Recursos do ex-ministro da Casa Civil, apontado como chefe do mensalão, não foram aceitos pelo Supremo, que manteve a punição por corrupção ativa e formação de quadrilha de 10 anos e 10 meses de prisão. (Págs. 1 e 7)
Mudança à vista em Santa Tereza
O Conselho Municipal de Política Urbana de BH aprovou parecer para avaliar alteração na classificação do bairro, de modo a permitir a transformação do Mercado Distrital em escola profissionalizante do setor automotivo. (Págs. 1 e 23)
R$ 722,90: Salário mínimo para 2014 será votado no Congresso
Governo federal propôs aumento de 6,6% sobre o pagamento atual (R$ 678), mas valor ainda pode ser alterado. (Págs. 1 e 12)
36,2%: Taxa média anual do crédito pessoal sobe
Juros cobrados em julho foram os maiores desde maio de 2012. Altas da Selic afetaram também outros tipos de financiamento. (Págs. 1 e 14)
------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio

Manchete: Mínimo deve ir a R$ 722,90
Proposta do governo, para vigorar em 1º de janeiro, está incluída no Projeto de Lei Orçamentária Anual, entregue ontem ao presidente do Senado, Renan Calheiros. Valor pode até ficar um pouco maior, após negociações no Congresso. (Págs. 1 e Economia 1)
Ultrapassamos a marca de 200 milhões de brasileiros
IBGE indica que população dobrou em quatro décadas e só começará a cair em 2043. Pesquisa mostra índices de Pernambuco melhorando bastante. (Págs. 1 e 10)
Absolvição de Donadon pode ser anulada
Fato de os deputados federais não terem cassado o mandato de colega condenado e preso gerou indignação e grupo tenta tornar a votação sem valor. (Págs. 1 e 5)
Empreiteira larga obras e paralisa a Transnordestina (Págs 1 e Economia 3)


Consumidor deve ser ressarcido de perdas no apagão (Págs. 1 e Economia 6)


Eduardo e Aécio têm encontro fechado no Recife (Págs. 1 e 3)


------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete: Proporção de idosos no RS duplicará até 2030
Segundo projeção do IBGE, as pessoas com mais de 65 anos, que em 2010 eram 9% do total, representarão 18,4% dos gaúchos em 17 anos. (Págs. 1, 44 e 45)

Os brasileiros já são mais de 200 milhões.

População no Estado é de 11,1 milhões.

Donadon: Absolvição de deputado envergonha Câmara
Representantes gaúchos explicam ausência que ajudou a livrar colega presidiário de cassação. (Págs, 1, 4, 5 e 6)
No parlamento: Ataque à Síria é rejeitado na Grã-Bretanha
Proposta de intervenção militar do primeiro-ministro foi derrotada. (Págs. 1 e 34)
R$ 722,90: Novo mínimo tem pequeno aumento real
Percentual de reajuste previsto, de 6,6%, é o menor em 10 anos. (Págs. 1 e 10)
Feira de Inovação
Na Expointer, além da venda de máquinas, novidades mostram como será o futuro do trabalho no campo.

Estrangeiros buscam tecnologia e grãos.

De onde vem o melhor churrasco. (Págs. 1, 22 a 30 e Caderno Campo & Lavoura Especial)

------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico

Manchete: Importação de profissionais iberos dobrou no 1º semestre
Embora o número de estrangeiros que ingressaram no Brasil para trabalhar até junho deste ano tenha caído, empresas portuguesas e espanholas aumentaram a contratação de mão de obra dos seus países de origem, principalmente na área de engenharia. (Págs. 1, 4 e 5)
Bolsas: Quando menos é mais
Leo Melamed, ‘pai’ dos mercados futuros, diz que regulação atual é excessiva. (Págs. 1 e 30)
Juros: Crédito pessoal está mais caro
Resultado é explicado pelo aumento do spread nas operações com taxas mais elevadas, como cheque especial e cartão de crédito. (Págs. 1 e 20)
Câmbio: Querosene de aviação sobe 7,52%
Para controlar custos, empresas aéreas confirmam ajustes no preço de passagens, apesar da retração dos consumidores. (Págs. 1 e 6)
Mundo: PIB dos EUA supera expectativa e cresce 2,5% no segundo trimestre (Págs. 1 e 26)


------------------------------------------------------------------------------------
EBC Serviços
0