Polícia aponta fraude em votação de vetos dos royalties do petróleo

Parlamentares das bancadas do RJ e ES se exaltaram durante a sessão que derrubou os vetos de Dilma à lei que distribui os royalties do petróleo (Foto: Fabio Pozzebom / Abr)
A Polícia Legislativa concluiu, em um inquérito policial, que houve fraude na votação dos vetos da presidente Dilma Rousseff à lei de distribuição dos royalties do petróleo. O inquérito constatou que a assinatura do deputado Jorje Oliveira, o Zoinho (PR-RJ), é falsa.
A denúncia da fraude foi publicada pelo siteCongresso em Foco, e foi confirmada pela Mesa Direitora da Câmara. Segundo a denúncia, o nome do deputado estava na relação dos votantes, mas Zoinho estava em viagem no momento da votação. A ausência foi confirmada com o cartão de embarque apresentado pelo deputado. Além disso, o inquérito identificou que a assinatura atribuída ao parlamentar na lista de votação é falsa.


A Polícia Legislativa não conseguiu identificar os autores da falsificação. A Mesa Diretora da Câmara encaminhou nesta sexta-feira (13) o resultado do inquérito ao Ministério Público Federal (MPF), para investigação. 
A suspeita de que a assinatura do deputado foi fraudada surgiu ainda em março, pouco tempo depois da votação que derrubou os vetos. A bancada de parlamentares do Rio de Janeiro, que era a favor dos vetos de Dilma, pediu investigações ao constatar a assinatura de Zoinho, que estava em viajem. O deputado apresentou cartão de embarque comprovando que ele embarcou às 20h43, em Brasília, com destino ao Rio, e que portanto não poderia estar na sessão dos vetos. A sessão começou por volta das 23h daquela noite.
O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), líder da bancada do partido na Câmara, foi um dos parlamentares do Rio que denunciou a fraude. "Sempre tive a convicção de que aquela votação havia sido fraudada. Até deputados de Estados não produtores estavam reclamando da desorganização do plenário no dia da votação”, disse, em nota. “Quando peguei a lista de votantes vi que havia sido registrada a presença do deputado Zoinho. Quando fiz a representação ao presidente do Congresso, anexei a assinatura do Zoinho original e a que foi fraudada no lugar dele. Não tinha dúvida de que era falsa”, disse.
Sessão não será anulada, diz Renan
O presidente do Senado, Renan Calheiros, divulgou nota à imprensa dizendo que a sessão sob suspeita não será anulada. Segundo a Secretaria-Geral da Mesa do Congresso, a sessão está mantida porque a fraude não foi na sessão do Congresso, como um todo, mas no voto do deputado Zoinho. Um voto apenas não fará diferença no resultado da votação, em que os vetos foram derrubados por um grande número de parlamentares, disse a secretaria. 
0