Em crise financeira, rival do Botafogo perde estrelas antes da Libertadores

Deportivo Quito não vai contar com os serviços do experiente goleiro Carini e do goleador Frederico Nieto, ex-Atlético-PR
Carini, Atlético Mineiro (Foto: Reprodução / site)Carini atuou pelo Atlético-MG entre 2009 e 2010 (Foto: Reprodução / site)
O sorteio realizado na última quinta-feira traçou o início da trajetória botafoguense no retorno do clube à Libertadores após 17 anos. A caminhada terá início contra o Deportivo Quito, na Pré-Libertadores, e os torcedores que apenas ouviram falar dos rivais durante 2013 podem ficar mais tranquilos. Em grave crise financeira, o clube não conta mais com seus dois principais nomes na última temporada: o goleiro uruguaio Héctor Fabián Carini e o atacante argentino Frederico Nieto.


Ambos saíram por falta de pagamento. O goleiro, de 33 anos, era uma das maiores lideranças do grupo. Com vasta experiência no futebol europeu, onde passou por Juventus e Inter de Milão, entre outros, Carini chegou inclusive a atuar no Brasil, entre 2009 e 2010, quando defendeu as cores de outro alvinegro, o Atlético-MG. Antes de acertar com a equipe equatoriana, havia jogado pelo Peñarol, em 2012.
Nieto foi o maior goleador da equipe na temporada. Com impressionantes 29 gols em 34 partidas, média de 0,85 por jogo - como comparação, Hernane, o artilheiro do Brasil, terminou o ano com média de 0,61, marcando 36 vezes em 59 partidas. Com seu 1,90m, se destaca nas jogadas aéreas, como fez durante sua passagem de dois anos e meio pelo Atlético-PR. Um problema a menos para a dupla Dória e Bolívar, e também para Jefferson na competição sul-americana.
Federico Nieto, atacante do Atlético-PR (Foto: Divulgação/Atlético-PR)Nieto nos tempos de Furacão: goleador também não pertence mais ao Deportivo Quito (Foto: Divulgação/Atlético-PR)
O jornalista britânico Tim Vickery, que vai a fundo no estudo de equipes de futebol da América do Sul para coberturas internacionais, analisou o momento vivido pelo primeiro rival botafoguense em entrevista à Rádio Globo, no último sábado. Para ele, que ainda aponta outro destaque que está de saída do Deportivo, o Botafogo é franco favorito.
- O clube passa por uma crise financeira muito grande. Os melhores jogadores estão indo embora por falta de pagamento. O Nieto, artilheiro do time e que jogou no Atlético-PR, está indo embora. O Colón, canhoto, baixinho e habilidoso, também, o povo o quer na seleção do Equador. O Deportivo vai ter de se estruturar com uma rapidez impressionante. A altitude não deveria ser problema. O Botafogo, mesmo com mudança de comando, tem tudo para passar. Só não passa se tiver falha no planejamento - analisou.
O primeiro desafio do Botafogo contra o Deportivo Quito será no Estádio Atahualpa, localizado na capital equatoriana, com 2.850 metros de altitude, no dia 29 de janeiro. A partida de volta, no Rio de Janeiro, está marcada para o dia 6 de fevereiro. Quem avançar no confronto entra no Grupo 2 da competição, com Unión Española, do Chile, o terceiro representante da Argentina (San Lorenzo ou Lanús) e o Independiente José Teran, do Equador. 
0