Frase do dia

“O amor é tudo”
(Jesus Cristo)







sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

"Eu seria sobrinho do Edir Macedo", diz Fabio Puentes sobre enganar público

"Eu não posso estar enganando o público durante 21 anos sem ninguém descobrir. Eu seria um gênio ou seria sobrinho do Edir Macedo, com essa qualidade de convencimento", brinca o hipnotizador Fabio Puentes, 64. Ele é a principal atração deste domingo (8) do Pikadero, nova casa de comédia localizada na Vila Olímpia (zona oeste) e fruto da parceria entre os humoristas Eduardo Sterblitch, Marcos Chiesa e Carlinhos SIlva.
O show começa às 20h, e os ingressos custam R$ 80 (sendo R$ 60 couvert e R$ 20 de consumação). "Vou fazer umas demonstrações de hipnose do dia a dia, mudanças no tom de voz, por exemplo. Entrar em transe com palavras diferentes. Várias técnicas de hipnose com nível de diversão. Não vai ser aquela coisa apenas de durma e coma a cebola", conta ao "Guia".
"Agulha no pescoço e cebola são mais para televisão. Pode ser que eu faça. Mas imagina um cara que está com a namorada e comer cebola... A namorada vai querer me matar depois", brinca.

Fabio Puentes

 Ver em tamanho maior »
Reprodução/Band
AnteriorPróxima
Hipnotizador Fabio Puentes em participação no programa "Agora É Tarde" (Band)
Fabio nasceu no Uruguai e mora no Brasil há 21 anos. Mesmo com esse tempo todo no país, ele não faz questão de perder o sotaque para dizer bordões como "dorme, dorme, dorme" e "bem dormido". "O sotaque eu mantenho para fixar mais a atenção. Falando assim, a pessoa fica muito mais presa ao que eu digo e é muito mais fácil de hipnotizar. E também faz parte do charme", explica.
E, há anos, o hipnólogo é constantemente convidado para participar de programas de televisão: "Programa do Jô", "CQC" e "Agora É Tarde" são alguns exemplos.
Além de apresentações, o uruguaio nas áreas clínica e terapêutica. Ele diz que desde a infância pratica as técnicas de hipnose. "Só fiz um curso básico na Espanha para obter o certificado", afirma.
PIKADERO
O Pikadero foi aberto no início de novembro com a proposta de ser palco para artistas experimentarem e apresentarem trabalhos novos. Os sócios têm passagem pelo programa "Pânico na TV", em que ficaram conhecidos pelos personagens Freddie Mercury Prateado (Sterblitch), Bola (Chiesa) e Mendigo (Silva).
"Não é uma casa de 'stand-up'. É uma casa de shows em que podemos receber de grupos de humor a shows de música", explicou à sãopaulo Sterblitch, que pretende fazer do ambiente um "circo para adultos".

"Pânico" na Band

 Ver em tamanho maior »
Fabio Braga/Folhapress
AnteriorPróxima
Eduardo Sterblitch, o Edu Polvilho
Postar um comentário