Frase do dia

“O amor é tudo”
(Jesus Cristo)







domingo, 15 de dezembro de 2013

Guia de compras: conheça smartphones Android para todos os bolsos

Não importa o tamanho do seu orçamento, existe um modelo sob medida para você. Estes são os melhores que encontramos ao longo de 2013.


Seja via Twitter, e-mail ou comentários em nossas matérias, todos os dias vocês nos perguntam: “Quero um smartphone mas não sei qual comprar, me ajudem!”. E com a chegada do período de compras no fim do ano, estão perguntando cada vez mais.


Pois vamos ajudar com nossa já tradicional listinha de recomendações. São aparelhos que passaram por nossas mãos ao longo de 2013 e que, mesmo em meio a dezenas de concorrentes e um mercado que muda a cada seis meses, deixaram sua marca. É claro que não são as únicas opções, mas em nossa opinião são aqueles que você pode comprar sem medo de se arrepender.
Temos ao todo seis aparelhos Android em várias faixas de preço, assim você não vai precisar sacrificar o presente da tia para conseguir o smartphone que tanto quer. E para não ficar só no sistema da Google, temos algumas sugestões em Windows Phone e iOS também.
Os preços mencionados ao longo do artigo são os sugeridos pelo fabricante e levam em consideração aparelhos sem subsídio com um plano de uma operadora, exceto quando mencionado. Clique sobre o nome de cada aparelho para ler um review completo.
O melhor dos melhores
Se você quer o melhor smartphone Android no momento e dinheiro não é problema, vá de LG G2. É um dos aparelhos mais rápidos que já passaram por nossas mãos, tem um design confortável, uma linda tela e boa autonomia de bateria. E o preço (R$ 1.999) lhe dá uma vantagem sobre o principal concorrente, o Xperia Z1 da Sony.
lg_g2-435px.jpg
LG G2
Aliás, o Xperia Z1 é a segunda opção nesta categoria. Em nossos testes ele foi um pouco mais rápido que o LG G2, mas não o suficiente para que essa diferença seja notável no dia-a-dia, e a autonomia de bateria é melhor. Ele é à prova d’água e tem TV digital, mas em contrapartida é maior e mais pesado. Mas foi o preço que o fez perder o título para o aparelho da LG: R$ 2.399.
xperiaz1_abre-435px.jpg
Sony Xperia Z1
Um top com preço acessível
Quem quer um smartphone sofisticado mas não pretende gastar R$ 2 mil tem no Moto X (R$ 1.499), da Motorola, uma boa opção. É um aparelho com design elegante, bela tela e recursos bem pensados que facilitam o dia-a-dia, como as notificações inteligentes, comando de voz e o Motorola Assist.
motox_abre-435px.jpg
Motorola Moto X
Além disso a bateria tem boa autonomia e o processador é surpreendentemente poderoso: em testes de desempenho gráfico ele superou concorrentes mais caros, como o Galaxy S4 da Samsung. Quando o Moto X foi lançado a câmera deixava muito a desejar nas fotos noturnas, mas a Motorola lançou uma atualização de software que corrige boa parte do problema. E os aparelhos já estão recebendo um update para a versão mais recente do Android, a 4.4 KitKat.
Os reis do custo-benefício
Ao longo de 2013 vimos o surgimento de smartphones Android surpreendentemente poderosos a preços surpreendentemente baixos. O Nexus 4, da LG, é um deles. O garoto-propaganda do Android neste ano chegou às lojas em março por R$ 1.699, mas hoje pode ser encontrado em grandes varejistas por R$ 999 em média.
nexus4_abre-435px.jpg
Google Nexus 4
No exterior o Nexus 4 já recebeu um sucessor, o Nexus 5, mas não se preocupe com isso: o aparelho ainda dá um belo caldo. Tem ótimo desempenho, uma bela tela com resolução HD, câmera de 8 MP, roda a versão mais recente do Android (4.4 KitKat) com garantia de atualizações pelo menos até meados de 2014 e é muito, muito bonito.
Mas a grande surpresa do ano foi o recém-lançado Moto G, da Motorola. É um aparelho de baixo custo que traz muitas características de aparelhos mais sofisticados, como um processador quad-core poderoso o suficiente para rodar bem os jogos mais legais do momento, uma bela tela com resolução HD e uma das versões mais recentes do Android, a 4.3. Outros recursos, como a câmera de 5 MP, não são tão impressionantes, mas são bons o suficiente para o dia-a-dia. 
motog_abre-435px.jpg
Motorola Moto G
Por R$ 649 (no modelo Single-SIM com 8 GB de memória interna) o Moto G é uma barganha, mas como a memória não é expansível (não há um slot para cartões microSD) recomendamos gastar um pouco mais: a versão “Colors Edition” (R$ 799), que vem com 4 tampas traseiras coloridas e um aparelho Dual-SIM com 16 GB de memória interna é um melhor negócio.
Só pode gastar R$ 500? Sem problemas
É difícil encontrar bons smartphones nessa faixa de preço. Modelos não faltam, mas boa parte delas traz uma ou mais das armadilhas que recomendamos evitar ao escolher um aparelho, como uma versão antiga do sistema operacional ou pouca memória. Felizmente há uma opção bastante equilibrada que não irá desapontar os consumidores com um orçamento mais apertado: é o RAZR D1, da Motorola. 
razrd1_abre-435px.jpg
Motorola RAZR D1
Ele tem uma versão recente do sistema operacional Android (4.1) com todos os recursos mais legais, como o navegador Google Chrome e o assistente pessoal Google Now, processador e memória suficientes para o dia-a-dia, é Dual-SIM e tem até sintonizador de TV Digital e Analógica. 
Só leve em consideração que a câmera não tem flash, o que pode ser um detalhe importante para quem pretende tirar fotos à noite em festas com os amigos. E a memória interna, de 4 GB, é pouca. Recomendamos comprar junto com ele um cartão microSD de pelo menos 4 GB para armazenar suas fotos, vídeos e músicas, e deixar a memória interna exclusivamente para os aplicativos.
Será que vai atualizar?
A pergunta que mais ouvimos quando falamos de um smartphone Android é “vai atualizar para a versão X?”. A atualização é realmente um ponto fraco: a Google apenas desenvolve o sistema, e fica a cargo dos fabricantes decidir quais de seus aparelhos serão atualizados, quando e como.
Geralmente o processo demora, e o rápido ciclo de desenvolvimento do sistema (com uma nova versão a cada seis meses) combinado à inércia dos fabricantes gera situações como aparelhos que ainda rodam o Android 2.3 (de 2010) quando a versão mais recente é a 4.4. 
Contraste com o iOS, da Apple: novas versões estão disponíveis em todos os aparelhos suportados ao mesmo tempo. Quem tem um iPhone 4 recebeu o iOS 7 em 18 de Setembro, na mesma data que os donos de iPhones 4S ou 5.
A nossa dica é nunca comprar nenhum smartphone Android contando com uma promessa de atualização. Assim você não irá passar meses recarregando a página do fabricante ou vasculhando fóruns em busca de novidades e não ficará frustrado se uma atualização prometida nunca for lançada (como já aconteceu antes). Compre o aparelho se ele lhe atende como é hoje. Se ele for mesmo atualizado, será uma grata surpresa.
Mas se você faz questão de ter sempre à mão a versão mais recente do sistema operacional, tem uma opção: os aparelhos da linha Nexus, da Google. Eles são criados como “garotos propaganda” do Android e plataforma de desenvolvimento, e sempre são os primeiros a receber atualizações. Geralmente a Google atualiza um Nexus por cerca de 18 meses após o seu lançamento: o Galaxy Nexus (conhecido por aqui como Galaxy X) foi lançado com o Android 4.0 “Ice Cream Sandwich”, mas recebeu as três versões seguintes (4.1, 4.2 e 4.3), até ser deixado para trás na 4.4.
E empresas como a Motorola (que é parte da Google) estão repensando suas políticas de atualizações: o recém-lançado Moto G chega às lojas com o Android 4.3 e promessa de upgrade para o Android 4.4 no começo do ano, e o Moto X nacional começou a ser atualizado nesta semana. Outros fabricantes como a Samsung são conhecidos por atualizar ao menos seus smartphones topo de linha. Quem compra um “Galaxy S” pode esperar a atualização para pelo menos uma versão além da que vem instalada no aparelho.  
Ei, e o Windows Phone?
Testamos poucos aparelhos Windows Phone ao longo deste ano, portanto não podemos fazer uma lista de recomendações tão extensa quando a de aparelhos Android. E a própria variedade de aparelhos é muito menor: na prática você irá encontrar nas lojas apenas os Lumia, da Nokia. Um ponto digno de nota é que é uma plataforma bastante consistente, ou seja, a experiência de uso em um Lumia 820 e um Lumia 1020 é basicamente a mesma. O que diferencia os aparelhos são os extras.
Lumia 1020 (R$ 2.399) foi o Windows Phone que mais nos chamou a atenção ao longo do ano, e seu extra é a impressionante câmera PureView, equipada com um sensor de 41 MP e recursos avançados como um sistema óptico de estabilização de imagem. E com o app Nokia Camera o usuário tem controle manual sobre o comportamento do flash, balanço de branco, foco, ISO (100 a 4000), velocidade do obturador (1/16000 a 4 segundos) e compensação de exposição (-3.0 a +3.0).
lumia1020_abrenovo-435px.jpg
Nokia Lumia 1020
Quem conhece o significado de cada um destes parâmetros poderá se divertir muito e obter fotos que seriam impossíveis com outros aparelhos, como belas cenas noturnas. E quem não conhece pode simplesmente deixar a câmera no modo automático e ainda assim obter belas imagens. Para quem gosta de fotografar, é um prato cheio.
Android ou iPhone?
A “briga” Android vs. iPhone é mais uma questão de gosto pessoal do que de hardware, e em ambos os lados há aparelhos excepcionais. Entre os Android há uma variedade muito maior, por causa do número maior de fabricantes, o que leva também a uma competição que torna os preços acessíveis. Quer um smartphone com TV? Dual-Chip? Com 4G? Com uma tela enorme? Com uma câmera de 20 MP? Tudo isso está disponível entre os modelos com o sistema da Google.
Já no caso do iPhone suas escolhas se limitam aos modelos deste ano (iPhone 5s e 5c) e os dos anos anteriores (4s e 4). Onde o aparelho da Apple brilha é no ecossistema: os apps “da moda”, especialmente jogos, costumam surgir primeiro na plataforma da Apple e a oferta de acessórios, de capinhas a docks com caixas de som, é muito maior. E as atualizações de sistema são rápidas e garantidas (geralmente por dois anos), sem a agonia da espera comum entre os usuários de Android. Por outro lado, os preços são mais altos.
iPhone5C_43501.jpg
Apple iPhone 5c
Nossa dica: antes de se decidir por uma plataforma, defina quanto pode gastar e o que espera de seu aparelho. Depois vá a uma loja, experimente ambas e fique com a que mais lhe agrada. 
Se optar pela plataforma da Apple não compre o iPhone 4s, e de forma alguma o iPhone 4. Ambos são “velhinhos” em termos tecnológicos (o iPhone 4 tem mais de três anos, quase uma eternidade), e pelo preço praticado pela Apple no Brasil é possível encontrar smartphones Android muito mais versáteis e ainda economizar um bom dinheiro.
iphone5s_cores-435px.jpg
Apple iPhone 5s
Já o iPhone 5C é um aparelho muito capaz para todas as tarefas no dia-a-dia, e não irá deixá-lo na mão. É nossa recomendação para quem está migrando de um iPhone 4 ou 4S, ou quer seu primeiro iPhone. O iPhone 5s, por sua vez, é um “carro esporte” cheio de tecnologias como o processador de 64-Bit e leitor de impressões digitais que prometem lhe dar uma longa vida. É caro, mas é um aparelho que deve lhe render pelo menos dois anos de bom uso antes que você comece a pensar em um upgrade.
Postar um comentário