PF para por dois dias no Rio em protesto contra sucateamento da instituição

Promovido pelo Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Estado do Rio de Janeiro e pela Fenapef, o ato faz parte do movimento de paralisação nacional da corporação


Agentes, escrivães, papiloscopistas, peritos e servidores administrativos da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro fizeram nesta quarta-feira (4/12) mais um ato simbólico para protestar contra o sucateamento da instituição e reivindicar melhores condições de trabalho. Eles passaram toda a manhã e o início da tarde reunidos nas escadarias da sede da Superintendência da Polícia Federal, exibindo faixas e banners, além de uma caixa transparente contendo gelo e as insígnias da PF. Com isso, os manifestantes queriam representar o “estado de congelamento” a que o governo federal tem submetido a instituição.


Promovido pelo Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Estado do Rio de Janeiro e pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), o ato faz parte do movimento de paralisação nacional da corporação.

Em Brasília, com apoio da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), houve paralisação e passeata de policiais federais e civis até a sede do Supremo Tribunal Federal (STF). A Cobrapol entrou, nesta quarta-feira, com ação direta de inconstitucionalidade (Adin) contra a Lei 12.830/13, em vigor desde 21 de junho deste ano, que dá mais autonomia aos delegados de polícia.

A paralisação dos policiais federais no Rio é por dois dias e termina amanhã (5) nos principais postos de atendimento ao público,mas os serviços prioritários, como a entrega e retirada de passaportes, continuam sendo prestados.

Segundo o presidente em exercício do sindicato da categoria, André Vaz de Melo, está sendo respeitado o limite de 30% de atendimento ao público. "Não pretendemos causar transtornos à população. Queremos o apoio da sociedade nessa luta para que possamos prestar um serviço de mais qualidade. O povo merece e precisa de uma polícia eficiente, com profissionais qualificados e motivados.”

Leia mais notícias em Brasil 

Vaz de Melo informou que serão remarcadps os depoimentos que estavam previstos para os dois dias de paralisação em inquéritos em andamento na Polícia Federal. De acordo com o sindicalista, no Rio, o movimento se estende às delegacias da PF nos municípios de Macaé, Angra dos Reis, Volta Redonda, Campos dos Goytacazes, Nova Iguaçu e Niterói.

Nos últimos dois anos, os escrivães, papiloscopistas e agentes da PF têm feito manifestações para reivindicar mais investimentos, plano de carreira, reconhecimento em lei das atribuições que já exercem, aumento do efetivo, reajustes salariais equivalentes aos concedidos a outras carreiras do funcionalismo federal, abertura de um canal de diálogo com o governo e a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 51, a PEC da Paz, que prevê a reestruturação das polícias a partir de um processo de integração e nivelamento.
0