RJ elege Miss Tattoo no domingo; 'há beleza feminina tatuada', diz candidata


Bárbara Alt, artista que faz body piercing, é uma das candidatas (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)Bárbara Alt, artista que faz body piercing, é uma das candidatas (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)














G1
Elas não precisam ter o corpo lisinho, nem serem magras ou esbeltas. Se não forem, aliás, já saem na frente. No Miss Tatto Week Rio, que será realizado neste domingo (5) no Riocentro (Barra da Tijuca, Zona Oeste), ganha a mulher que aliar beleza e arte "sem se prender a padrões pré-definidos pela sociedade", como prega a organização da convenção Tattoo Week Rio, onde será realizada a disputa. Jurados vão escolher uma entre dez mulheres, que ganhará um banho de loja de R$ 500 em roupas e outros itens.
Aos 16 anos, Bárbara fez a primeira tatuagem e o primeiro piercing. Hoje, é ela quem faz o piercing nas pessoas (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)Aos 16 anos, Bárbara fez a primeira tatuagem e o
primeiro piercing. Hoje, é ela quem faz o piercing
nas pessoas (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)
A candidata não precisa ter o corpo "fechado" de pinturas. Um desenho basta. Não para Barbara Alt, artista que faz body piercing e foi a primeira a entrar na disputa. Com os cabelos pintados de rosa, Barbara lembra que já furou o corpo nove vezes para colocar argolas e pinos, mas perdeu a conta de quantos desenhos fez. Mas, para ela, participar é mais do que vaidade e competitividade.
"Sou arroz de festa, gosto de me divertir", disse aos risos. "Na verdade, quero mostrar que há beleza feminina tatuada. A mulher tatuada pode ser bonita e feminina. Existe muito preconceito: 'é sapata ou é da vida', dizem alguns homens. Isso não é verdade", discordou a artista.
Aos 16 anos, quando fez a primeira tatuagem, se sentiu realizada. Não só pelo desenho no corpo, mas por ter encontrado uma tribo. "Já tinha tatuagem e piercing. Sempre fui 'a esquisita', aí conheci o pessoal de um estúdio e me encontrei [de tattoo]", disse a candidata, que celebrou mais um encontro. "Gosto de me divertir e este ambiente quase nunca existe. Temos que aproveitar", afirmou a jovem.
'A mulher pode ser bonita e feminina', diz candidata, que luta contra preconceitos (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)A mulher pode ser bonita e feminina, diz candidata, que luta contra preconceitos (Foto: Rodrigo Gorosito/G1)
0